Nosso calendário

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Apesar do grid baixo, a Turismo 5000 é, na minha insignificante opinião, a categoria mais bacana do Campeonato Paranaense de Velocidade no Asfalto. Que pode ter até uma série de monopostos em 2018.

CASCAVEL – Um fim de semana de reuniões em Curitiba, entre dirigentes de clubes de automobilismo e a Federação Paranaense, definiu o que recebi como sendo um pré-calendário dos campeonatos de velocidade no asfalto para 2018 no Paraná. Faço questão de frisar o “pré”, diante da possibilidade sempre presente de mudanças sob as mais variadas motivações.

O Campeonato Paranaense de Automobilismo, com as categorias Marcas, Turismo 1600 e Turismo 5000, vai ter seis etapas, duas em cada autódromo, assim listadas no calendário: 29 de abril (Curitiba), 20 de maio (Londrina), 10 de junho (Cascavel), 26 de agosto (Londrina), 23 de setembro (Curitiba) e 4 de novembro (Cascavel). Não por acaso, todas essas datas e locais vão aparecer nos próximos calendários, isso por conta da óbvia realização conjunta com, etapas dos campeonatos metropolitanos.

A Federação Paranaense também incluiu em seu pré-calendário, vejam só, a Old Truck, campeonato de caminhões com seis etapas – 4 de março (Curitiba), 8 de abril (Cascavel), 20 de maio (Londrina), 5 de agosto (Cascavel), 26 de agosto (Londrina) e 21 de outubro (Curitiba). A novidade chegou a ser anunciada tempos atrás como Super Truck Racing e tinha o Max Nunes, preparador aqui de Cascavel, como um dos mentores. Max falou comigo agora, explicou que não tem mais envolvimento com a iniciativa.

O Metropolitano de Curitiba tem suas seis etapas pré-definidas para 4 de março, 29 de abril, 24 de junho, 23 de setembro e 21 de outubro. As coisas não andam tão simples na negociação com a nova administração do Autódromo Internacional, e essa lista aqui é, na minha opinião, a mais suscetível a eventuais mudanças no decorrer do período.

Em Londrina, o Campeonato Metropolitano de Automobilismo vai ter cinco etapas, nos dias 18 de março, 15 de abril, 20 de maio, 26 de agosto e 14 de outubro. As 500 Milhas, evento fantástico do qual tive a oportunidade de tomar parte como piloto dois meses atrás, vão acontecer no dia 24 de novembro, sábado.

O Metropolitano de Cascavel, que por ora é o que mais me interessa, por motivos estritamente meus e dos meus patrocinadores de pista, prevê seis etapas, nos dias 11 de março, 8 de abril, 6 de maio, 10 de junho, 5 de agosto e 4 de novembro. E a grande cereja do bolo da cidade, a Cascavel de Ouro, confirmadaça para 18 de novembro. A final do Metropolitano e do Paranaense duas semanas antes vai ser uma ótima oportunidade de preparação para as equipes.

Curioso eu falar da Cascavel de Ouro. Não que não faça isso; pelo contrário, faço até demais. É que exatamente agora, quando recebi as datas definidas em Curitiba, estava preparando algo que vai ser determinante para a prova ser, como vem sendo desde 2015, a maior de todos os tempos.

METROPOLITANO

O Metropolitano de Marcas & Pilotos de Cascavel volta a ter seis etapas, todas no Autódromo Zilmar Beux. Ano passado foram oito, que incluíram uma na pista de Londrina e outra na de Curitiba.

Os nomes da Stock Car em 2015

STOCK CAR LARGADA (FF)

CASCAVEL – Daqui a exatos dois meses a gente desembarca em Goiânia para a primeira etapa do novo evento da Vicar, que vai acomodar em 13 fins de semana as etapas das cinco categorias que a empresa tem sob seu guarda-chuva – Stock Car, Brasileiro de Marcas, Brasileiro de Turismo, Mercedes-Benz Challenge e Fórmula 3 Brasil.

As corridas de 21 e 22 de março em Goiânia terão quatro dessas categorias – a programação não inclui F-3, que abrirá seu campeonato daqui a duas semanas, em Curitiba.

Na Stock Car, série principal da festa, 28 das 34 vagas do grid já estão preenchidas. Não investiguei nada, a lista está disponível lá no site da Stock Car – e segue reproduzida aí ao fim do post, também.

Só quatro das 17 equipes ainda não anunciaram suas duplas de pilotos. Duas delas, a ProGP e a RC3-Bassani, não confirmaram nenhum nome. Duda Pamplona e Eduardo Bassani, os respectivos chefes de equipe, tratam da questão com notável esmero e devem ter novidades a contar já nos próximos dias. A RZ Motorsport e a Cavaleiro Racing Sports têm um piloto confirmado, cada – Luciano Burti e Beto Cavaleiro, respectivamente. As outras 13 já mandaram imprimir as placas que vão acima dos boxes com os nomes de todo mundo.

Aí abaixo, pois, a lista dos pilotos que já bateram o cartão para a Stock Car em 2015:

Full Time Sports: Rubens Barrichello e Allam Khodair

Red Bull Racing: Cacá Bueno e Daniel Serra

Eurofarma-RC: Ricardo Maurício e Max Wilson

Ipiranga-RCM: Thiago Camilo e Galid Osman

Schin Racing Team: Rafa Matos e Felipe Lapenna

Shell Racing: Valdeno Brito e Ricardo Zonta

Voxx Racing: Felipe Fraga e Marcos Gomes

C2 Team: Gabriel Casagrande e Sérgio Jimenez

Mobil Super Racing: Átila Abreu e Lucas Foresti

Vogel Motorsport: Diego Nunes e Denis Navarro

Boettger Competições: Alceu Feldmann e Vitor Genz

Hot Car: Raphael Abbate e Fábio Fogaça

Prati Mico’s Racing: Júlio Campos e Antonio Pizzonia

Cavaleiro Racing Sports: César Ramos* e Popó Bueno**

Bassani Racing: Vitor Meira*** e Bia Figueiredo***

RZ Motorsport: Luciano Burti e Rafael Suzuki****

(ATUALIZANDO EM 21 DE JANEIRO, ÀS 14h46)

* Incluí agora na lista, alguns dias depois da postagem, o nome do gaúcho César Ramos, cujo acordo com a Cavaleiro Racing Sports foi anunciado em press release distribuído pela Glauce Schutz; logo, restam cinco vagas na lista dos 34 pilotos que vão disputar a temporada de 2015.

(ATUALIZANDO DE NOVO EM 27 DE JANEIRO, ÀS 15h44)

** Mais uma atualização no âmbito da Cavaleiro Racing Sports. Popó Bueno será o companheiro de César Ramos. Beto Cavaleiro, que pilotaria o carro, vai focar a coordenação da equipe. No que diz respeito à Stock Car, portanto, Beto não terá de vestir macacão.

(E ATUALIZANDO MAIS UMA VEZ EM 29 DE JANEIRO, ÀS 17h54)

*** A Bassani Racing, uma das equipes que citei como indefinidas, já tem sua dupla de pilotos definida com os ex-Indy Bia Figueiredo e Vitor Meira, conforme o parceiro Bruno Vicaria anunciou há pouco, com exclusividade, no site Red Bull Motorsports.

(E TOME ATUALIZAÇÃO! AGORA A 3 DE FEVEREIRO, ÀS 16h01)

**** Seria de bom tom eu preparar um post novo, em vez de ficar atualizando esse aqui. Mas veio de novo do Bruno Vicaria, no Red Bull Motorsports, a confirmação de mais um nome, o de Rafael Suzuki, para formar com Luciano Burti a dupla da RZ Motorsport. Chegamos a 32 dos 34 nomes, portanto. ‘Tá quase.

O Brasileiro de Marcas de 2015

23 MARCAS LARGADA

SÃO PAULO – A Copa Petrobras de Marcas terminou há menos de uma semana, com título de Ricardo Maurício, mas o trabalho não para. Talvez o foco tenha saído das bancadas das oficinas e colocado nas mesas dos escritórios dos chefes de equipes, todos empenhados em formar duas duplas para a temporada que vai começar em Goiânia no dia 22 de março.

A primeira equipe que definiu seus pilotos para 2015 foi a RZ Motorsport, que continua representado a Toyota. Serão dois paranaenses pilotando os Corolla confiados a Ricardo Zonta: Thiago Marques e Daniel Kaefer, os pimpões da foto aí abaixo, que em 2014 formaram a dupla da J. Star Racing. A outra equipe da Toyota é a Bassani Racing, de Eduardo Bassani. Alceu Feldmann, também paranaense – embora nascido na catarinense Rio do Sul –, deve ser um dos pilotos.

DK TM

A J. Star, equipe de Murillo Macedo, sai de cena no Brasileiro de Marcas para focar o Brasileiro de Turismo e o Mercedes-Benz Challenge. Há quem garanta que os Chevrolet Cruze do time serão assumidos por uma nova equipe, que teria, ou terá, Flávio “Nonô” Figueiredo como diretor e um dos pilotos. A outra equipe que defende a Chevrolet é a C2 Team, comandada pelo paranaense Gabriel Casagrande. Felipe Gama, que disputou a última temporada pela Bassani, pode ser o companheiro de equipe de Casagrande, essa seria minha aposta hoje. Como também pode completar o quarteto da Toyota – o “pode” é muito relativo; Gama pode qualquer coisa, inclusive tirar um ano sabático para conhecer Seichelles ou o planeta Júpiter.

Nas equipes da Honda, só uma vaga definida. O catarinense Vicente Orige, vice-campeão neste ano, continua na JLM Racing, chefiada pelo Juliano Moro. Maurício Ferreira, ao que tudo indica, ainda não tem nenhum nome definido para a Full Time – considerando que conversas de churrascadas nem sempre são divulgáveis. A participação da Ford, ao que tudo indica, seguirá com os mesmos nomes: César Bonilha e Carlos Souza com os Focus da Júpiter Racing Team e Vitor Meira titular da Amir Nasr Racing. Samir Nasr, irmão do Amir e mandachuva do time, ainda tem para negociar a vaga que acabou sendo rotativa em 2014.

Pela Mitsubishi, Fábio Ebrahim, que acabou de assumir uma equipe, seguirá entre os pilotos da Ebrahim Motors. Ainda não dá para saber que equipe responderá pelos outros dois Lancer GT do grid.

O novo formato de evento anunciado pela Vicar para 2015, com a junção de suas categorias, teve impacto direto na lista de participantes. Sete das oito etapas do Brasileiro de Marcas dividirão programação com a Stock Car, o que, se não inviabiliza, pelo menos dificulta bastante a presença dos pilotos da Stock. Por esse panorama é quase certo que Ricardo Maurício, Allam Khodair, Denis Navarro e Galid Osman vão deixar o Brasileiro de Marcas para focar as disputas da Stock. Casagrande vai disputar os dois campeonatos – haja preparo físico! – e imagino que Feldmann vá pelo mesmo caminho.

O que já é certo: a Copa Petrobras de Marcas mantém as transmissões de todas as etapas pela Rede Bandeirantes. As etapas mantêm as rodadas duplas, com uma corrida no sábado e outra no domingo, e as duas sendo exibidas na íntegra no domingo seguinte à realização do evento. E eu continuo na narração do campeonato.

Enquanto isso, minha maior curiosidade no Brasileiro de Marcas gira em torno da sexta marca que vai compor o grid. Palpites?

As datas do GT

GT LARGADA

CASCAVEL – Acabo de receber, por e-mail, o que tem tudo para ser o calendário de corridas definitivo da sétima temporada do Campeonato Brasileiro de Gran Turismo. Bem diferente daquela primeira versão, divulgada ainda em dezembro. Veio do terceiro andar da SRO Latin America, empresa que promove a categoria no Brasil. O calendário já vai, claro, para a minha planilha particular, a dos eventos automobilísticos que me requerem viagens e trabalhos.

Chamam atenção, de cara, data e local da primeira corrida. 5 de maio, Anhembi. Mesma agenda da etapa brasileira da Indy. A categoria já foi preliminar da São Paulo Indy 300 em 2011, para quem não lembra. Solução simpática, devo cumprimentos a quem teve a ideia de devolver o Brasileiro de GT à programação da Indy.

Serão oito etapas, sempre com rodadas duplas. Aponto aqui só os domingos, todo mundo sabe que cada evento vai de sexta a domingo e que as corridas acontecem aos sábados e domingos. 23 de junho, Curitiba; 28 de julho, Tarumã; 18 de agosto, Interlagos; 8 de setembro, de novo Curitiba; 6 de outubro, mais uma em Tarumã; 3 de novembro, Santa Cruz do Sul; 8 de dezembro, fim de papo em Interlagos.

Legal ver o GT voltar a Tarumã, que foi onde tudo começou, em 2007. Gosto de ir ao Rio Grande do Sul para as corridas em Tarumã. Estaria lá hoje, não fosse outro compromisso que apareceu e me tirou de combate, profissionalmente falando, na etapa de abertura da Fórmula Truck.

Bem, o calendário está aí. Agora, é mãos à obra.

Habemus GT!

Imagem

CASCAVEL – Bem, podem parar com o falatório. O Campeonato Brasileiro de Gran Turismo vai, sim, integrar o calendário do automobilismo em 2013. Os diretores da SRO Latin America acabaram de bater o martelo na questão, depois de reunião que também teve em pauta o diz-que-diz especulando o fim da categoria.

Acabo de falar com a Dalila Vendrame, que é a diretora da SRO-LA. É a CEO da empresa, para usar um termo da moda. Que não descarta a possibilidade de adiar o início do campeonato, até então anunciado para 14 de abril em Interlagos. Stephane Ratel, mandachuva mundial da SRO, recomendou que não houvesse coincidência de datas entre os eventos do Brasileiro de GT e os do FIA GT Series, que neste ano substitui o Mundial FIA GT – é o campeonato da foto lá abaixo.

Mais alguém percebeu uma brechinha para o Brasil receber a etapa internacional marcada para novembro e ainda sem praça definida?

De modo ou outro, o pessoal da SRO-LA terá agenda cheia nesse restinho de 2013, como se diz. Sobretudo na próxima semana, quando receberão pilotos e representantes de todas as equipes envolvidas. Os participantes do próprio campeonato de GT estarão reunidos com os organizadores na manhã de segunda-feira. Na quarta, será a vez dos inscritos e interessados no Mercedes-Benz Grand Challenge, que segue, pelo terceiro ano consecutivo, cumprindo a programação preliminar de todas as etapas.

Teremos campeonato, enfim, é a notícia que interessa. Vejo até um risco pessoal de não estar lá dentro, na narração das corridas, como estive nos últimos anos. Mas a festa toda vai estar armada. E com tudo mundo trabalhando junto, o que é necessidade primordial em qualquer reinício. Vai ser, ninguém duvida, uma nova fase no Campeonato Brasileiro de GT.Imagem

As datas do Moto 1000 GP

ImageCASCAVEL – Em comunicado enviado aos pilotos e reproduzido em seu site, o Moto 1000 GP anunciou o calendário de corridas para 2013. Serão oito etapas, em oito eventos distintos e sem rodadas duplas.

Há uma pendência declarada no que diz respeito à primeira etapa, confirmada para 21 de abril, em princípio em Interlagos. A categoria gerida por Gilson Scudeler ainda não obteve confirmação oficial de reserva do autódromo paulista, providência que aguarda para até o início da próxima semana. Já se admite, em caso de negativa, a transferência do evento para outra praça, mantendo-se a data.

A se manter o calendário que os pilotos receberam em suas caixas de entrada no fim da tarde de ontem, serão três etapas em São Paulo, onde estão maioria dos pilotos e das equipes. As outras cinco estão previstas para as pistas de Curitiba (PR), Brasília (DF), Cascavel (PR), Santa Cruz do Sul (RS) e Goiânia (GO).

Voltando à questão do dia 21, pode ser que Scud e sua trupe – da qual faço parte, aliás – tenham mesmo de procurar outra pista para a abertura do campeonato. Uma situação que depende dos rumos ainda não anunciados do Brasileiro de Gran Turismo. O calendário divulgado em dezembro informa que a temporada do GT e de suas categorias de suporte vai começar no dia 14 de abril, data em que, já se sabe, Interlagos receberá uma programação extensa no evento internacional do Ferrari Challenge, o que, especula-se, levaria ao adiamento do GT em uma semana. Reza a física do esporte motor que dois eventos distintos não podem ocupar o mesmo espaço em Interlagos num mesmo fim de semana.

De forma ou outra, reproduzo aqui a distribuição das oito etapas do Moto 1000 GP no calendário:

21 de abril – Interlagos (SP)**
26 de maio – Curitiba (PR)
23 de junho – Interlagos (SP)
28 de julho – Brasília (DF)
25 de agosto – Cascavel (PR)
22 de setembro – Interlagos (SP)
20 de outubro – Santa Cruz do Sul (RS)
17 de novembro – Goiânia (GO)