Turismo 1600 na PlayTV

Foto: Rodrigo Aguiar Ruiz

Velo Città, Londrina e Interlagos serão os palcos da reta final do Campeonato Brasileiro de Turismo 1600. Exibição de todas as corridas pela PlayTV é uma realidade muito próxima.

CASCAVEL – O Campeonato Brasileiro de Turismo 1600 dará início domingo agora, dia 24, à segunda metade de sua primeira temporada. Para maioria dos pilotos vai ser uma oportunidade inédita de acelerar no Velo Città, belíssimo autódromo que há cinco anos escreve da pacata Mogi Guaçu parte boa da história do automobilismo brasileiro.

Os VTs das duas corridas serão exibidos no domingo mesmo, via internet, em canais e horários que vamos divulgar à exaustão nos grupos de mensagens e em todas as redes sociais. A novidade desta etapa, que muito provavelmente será estendida às duas seguintes, fica por conta da exibição das corridas na televisão pela PlayTV, em datas e horários que vamos igualmente informar na sequência aos que acompanham o campeonato.

Nem sei se era para revelar, mas como vai para a televisão e para a internet não há motivo para maiores discrições. A inserção do Brasileiro de Turismo 1600 na grade de programação da PlayTV foi viabilizada pelo Grupo Financial. A logo dourada da empresa, que começa a ser vista com bastante frequência aqui e ali nesse mundinho das corridas, estará estampada nas testeiras de todos os carros de grid – devem ser quase 30 em Mogi, na programação dos 500 Quilômetros de São Paulo.

Anúncios

Seis canecos na pista!

BLOG 1

O nostálgico grid da Old Stock Race numa das primeiras etapas do Campeonato Paulista de 2017, em foto produzida pela Bárbara Bonfim: categoria terá etapa oficial fora de Interlagos pela primeira vez.

CASCAVEL – Não chega a ser segredo, bastante gente vazou o assunto nas redes sociais na semana passada, mas a confirmação do Paulo Soláriz, um dos promotores da Old Stock Race, só veio no fim da tarde de sábado: a categoria trará seus belíssimos carros a Cascavel no início de novembro para as corridas que vão compor a programação preliminar da edição cinquentenária da Cascavel de Ouro.

Não vai ser uma prova de exibição, como foram as apresentações que a Old Stock Race teve em 2016 nas pistas de Goiânia e Curitiba. Serão as corridas da oitava e penúltima etapa do Campeonato Paulista da categoria. Campeonato Paulista no Paraná? Sim, isso mesmo. As regras do automobilismo permitem. Para usar exemplo recente, uma das etapas do Paulista de Marcas & Pilotos de 2013 aconteceu em Curitiba. O motivo, aliás, foi o mesmo de agora: o fechamento do autódromo de Interlagos para a eterna obra de reforma que antecede a Fórmula 1. Cabem meus desconfiados parênteses: bastante gente deve embolsar uma grana considerável com esse festival de obras que não terminam nunca, porque o que já se gastou nessas adequações seria suficiente para a construção de bem mais que um autódromo belo e moderno. Parênteses fechados.

Bem, a SP Turis mandou fechar Interlagos mais cedo que o previsto para as obras que não terminam nunca e as categorias do Campeonato Paulista de Automobilismo viram-se sem pai nem mãe, tendo as corridas previstas para 2 e 3 de setembro suspensas pela Fasp, a Federação de Automobilismo de São Paulo.

BLOG 3

Outra foto da Bárbara, mostrando os estacionamentos de Interlagos em dia de Old Stock Race. Isso também vai acontecer em Cascavel, e os proprietários dos modelos Opala e Caravan vão para a pista com seus imponentes carros.

Cheguei a sugerir a alguns amigos do automobilismo paulista que viabilizassem a reposição da etapa cá em Cascavel, onde as condições financeiras para isso são bem mais atrativas – entendo que o custo menor, sobretudo nas taxas de uso da pista, poderia compensar a despesa extra com deslocamento e hospedagem. A ideia não atraiu tanta gente quanto poderia, mas interessou aos organizadores da Old Stock Race, com quem conversei bastante durante as últimas semanas até que o acordo fosse costurado, com a devida anuência da Fasp. A maior de todas as edições da Cascavel de Ouro estará acompanhada não só pelos pilotos e carros da categoria como também pelos aficionados pelos modelos Opala e Caravan, que costumam acompanhar em peso os eventos da categoria, que acabam dando algumas voltas pela pista de corrida com seus belos carros de rua, coisa que seguramente vamos viabilizar também no evento de 5 de novembro pelas bandas de cá.

No último fim de semana, durante a primeira etapa do Porsche Império GT3 Cup Endurance Series, recebi informalmente (logo, não vou escrever que “agora é oficial”; aliás, eu jamais usaria essa expressão em circunstância alguma) duas informações sobre a Old Stock Race que são novidade completa para mim. Uma, pela minha total falta de observação: todos os carros do grid têm o modelo de 1979 do Opala. Outra, imagino que seja novidade para bastante gente: a Old (já estamos quase íntimos, posso chamar só de “Old”) caminha a passos largos para ter já em 2018 uma série de acesso baseada no Opala 250c.

Enquanto 2018 não chega, Cascavel espera a Old de braços abertos. Dois ou três dos cascavelenses, aliás, com atenção especial. São os pilotos que vislumbram a possibilidade de integrar o grid da categoria diante da torcida local.

BLOG 2

Outra perspectiva do grid apresentado acima, em foto produzida pelo Humberto da Silva que mostra 22 carros alinhados para a volta de apresentação: preliminar da Cascavel de Ouro deve reunir 18 carros.

Na íntegra: Sprint Race 2017, 5/8

CASCAVEL – Teremos daqui a uma semana mais uma novidade no calendário da boa Sprint Race Brasil. A sexta e antepenúltima etapa da temporada terá suas corridas no domingo, dia 24, e será a primeira da história da categoria no sempre atrativo traçado do Velo Città, em Mogi Guaçu, que viverá um fim de semana de inúmeras competições automobilísticas acompanhando a edição dos 60 anos dos 500 Quilômetros de São Paulo – a prova longa, no sábado, valerá pela sexta etapa nacional do Dopamina Endurance.

Mas hoje viemos aqui falar da Sprint Race, que abriu a segunda metade do campeonato debaixo d’água em Curitiba. As corridas da quinta etapa, tal qual apresentadas pela PlayTV com a edição do Beto Borghesi, seguem reproduzidas aqui no blog.

O cubo mágico

TURISMO 1600 CASCAVEL

A primeira temporada do Campeonato Brasileiro de Turismo 1600 teve sua largada no dia 28 de maio no Autódromo Internacional de Cascavel, com domínio de Júnior Caús. A foto é da Cíntia Azevedo.

CASCAVEL – O Ângelo Correa, que ao fim e ao cabo é quem está suando sangue para levar a efeito a primeira temporada do Campeonato Brasileiro de Turismo 1600, já levou bordoada de todos os lados, como dizem, por conta da indefinição de datas e locais para as três etapas que ainda restam para o fim da competição. É necessário admitir: até de mim, que procuro ser parceiro dele, ele ouviu coisas despidas da gentileza esperada.

Pilotos e equipes que já disputaram as etapas de Cascavel, Curitiba e Goiânia vêm cobrando essa definição há semanas, e com razão. Tenho acompanhado de perto, apesar da distância geográfica, o drama que o Ângelo tem vivido para formatar a coisa. E posso testemunhar que a realização do campeonato assemelha-se bastante ao que fazemos com cubos mágicos: quando fecha a cor de um lado, bagunça a de outro que já estava montada. Se você não sabe o que é cubo mágico, paciência. Promover e organizar eventos, sobretudo no automobilismo, é tarefa das mais difíceis. Sei bem do que estou falando, principalmente desde que passei para o lado de trás do balcão da Cascavel de Ouro, alguns meses atrás.

O Brasileiro de Turismo 1600 começou de um ímpeto, mais de 20 anos depois do Campeonato Brasileiro de Marcas & Pilotos sumir do mapa. Em essência, é a mesma categoria, que leva à pista modelos de fabricação nacional com motorização de 1.600 cilindradas. Gol, Celta, Palio, Ka, Fiesta, 207, C3, Corsa, Clio. Os carrinhos que temos em nossas garagens, enfim. Uma fórmula que deu às equipes dos campeonatos regionais o acesso ao âmbito nacional do nosso automobilismo a um custo substancialmente menor que o dos campeonatos brasileiros em voga.

(Aqui, faço uma justa reparação, a posteriori. Em 2007 a Interlagos Eventos Esportivos, empresa do Toninho de Souza, promoveu um Campeonato Brasileiro de Marcas. Modelos nacionais com motores 1.6 e, como ponto diferencial, pneus slick. As etapas aconteciam em conjunto com o Brasileiro de Endurance, que também tinha promoção da empresa. A primeira, salvo engano, acompanhou a etapa brasileira do WTCC, que abriu a temporada mundial. Lembro de ter trabalhado como locutor de arena nas etapas de Curitiba, Londrina, Cascavel, Campo Grande e Vitória, trabalho que rendeu uns trocados muitíssimo bem-vindos e que torna imperdoável ter esquecido daquela iniciativa no post original. Também houve etapas em Santa Cruz do Sul, Curitiba de novo e Interlagos. Que o Toninho e o Pedro Rodrigo não me levem a mal. Talvez nem tenham lido…)

TURISMO 1600 CURITIBA

Rodrigo Ruiz foi quem fotografou a largada da segunda etapa no dia 24 de junho em Curitiba, onde César Bonilha, atual vice-líder do Brasileiro de Turismo 1600, foi o vencedor das duas corridas.

Fechar o calendário do Brasileiro de Turismo 1600 foi um parto de porco-espinho, como bem definiria um parceiro meu de longa data. Mas fechou, para nosso alívio. A segunda metade da temporada terá corridas em Mogi Guaçu, Londrina e São Paulo, sempre duas por etapa.

A quarta etapa está confirmada para dia 24 de setembro no belíssimo Velo Città, em Mogi Guaçu. Vai compor a programação dos 500 Quilômetros de São Paulo, prova que chega a 60 anos de história e que, neste ano, também vai valer para a disputa pelo título nacional do Dopamina Endurance. A quinta, no dia 25 de novembro, também vai acompanhar um evento bastante tradicional do automobilismo brasileiro: as duas corridas vão dar o tom à programação preliminar das 500 Milhas de Londrina. No encerramento da temporada, dia 17 de dezembro em Interlagos, a categoria acompanhará não só a etapa final do Campeonato Paulista de Automobilismo como, também, a etapa final da nova e ascendente Copa Truck.

Nos próximos dias, ao que tudo indica, surgirão novidades também quanto à transmissão das corridas do Brasileiro de Turismo 1600 pela televisão. Ao fim das contas, pelo pouco que conheço do Ângelo, as bordoadas que ele tomou do automobilismo terão valido a pena.

TURISMO 1600 GOIANIA

A primeira metade do campeonato terminou no dia 29 de julho em Goiânia, onde o líder Daniel Kaefer conquistou uma vitória e um segundo lugar, na vitória do piloto local Edson do Valle. Foto do Randes Nunes.

Na íntegra: Sprint Race 2017, 4/8

CASCAVEL – A primeira metade da sexta temporada da Sprint Race Brasil terminou no último fim de semana de julho, em Interlagos, com a Guest Race. Foi a segunda edição da etapa, em que os pilotos regulares da categoria têm a parceria de grandes nomes das principais séries do país correndo como convidados em uma bateria extra e somando pontos para o campeonato de seus anfitriões.

Alexandre Navarro e a galera da AN09 produziram aquela quarta etapa de 2017, que narrei para exibição no BandSports e na PlayTV.

O próximo encontro da Sprint Race Brasil, no dia 24 de setembro, acontecerá em Mogi Guaçu. Será a primeira vez da categoria no interessantíssimo Velo Città.

Na íntegra: Porsche Império GT3 Cup, 4/9

CASCAVEL – O último fim de semana foi de corridas bem interessantes no Porsche Império GT3 Cup Challenge Brasil, com a quinta etapa em Termas de Río Hondo. Foi a penúltima do campeonato de corridas de curta duração. As duas próximas, no Velo Città e em Goiânia, serão válidas pelo Endurance Series, outro formato de disputa. O formato do evento, aliás, vai ser pauta por aqui nas próximas semanas. Se bem conheço meu eleitorado porschístico, podem e devem estar pintando novidades para 2018.

Enfim, enquanto a GT3 Cup finaliza a metódica viagem de volta da Argentina, é tempo de revermos o que rolou na etapa anterior, a quarta, disputada três semanas antes em Buenos Aires. As etapas argentinas tiveram, excepcionalmente, quatro corridas cada, duas em cada categoria. Transmitimos todas elas ao vivo na internet, com minha narração e comentário do Marcelo Gomes.

Todas estão no mesmo link, que tem mais de oito horas de duração – o contato no YouTube é ininterrupto e o intervalo entre as corridas é determinado por um grafismo apresentado na tela. Para que vocês se localizem mais facilmente, indico aqui os pontos do vídeo que têm o início de cada prova. Na classe Challenge, a transmissão das corridas começa aos 10min55s e a 3h18min58s. Na Cup, o início das corridas aparece a 1h56min17s e a 7h09min36s.

Os nomes da Cascavel de Ouro

OURO VANDRE

Já exibida por aqui, a foto que o Vandré Dubiela produziu momentos antes da largada de 2015, ano em que a Cascavel de Ouro assumiu seu real tamanho no cenário nacional, é uma das minhas preferidas.

CASCAVEL – Uma das coisas que mais têm me perguntado nos últimos dias é quem são os pilotos que vão disputar a Cascavel de Ouro. A corrida tomou tamanha dimensão a ponto de, impressão minha, as pessoas duvidarem um pouco do estardalhaço que o evento de 5 de novembro vai alcançar. Vai ser, como vocês sabem, a 31ª edição, marcando os 50 anos de história da corrida longa mais tradicional do automobilismo brasileiro na atualidade. Sem bairrismos, as 12 Horas de Tarumã, evento de irrefutável grandeza nesse nosso esporte, tiveram sua história iniciada já em 1971, quatro anos depois da primeira edição da Cascavel de Ouro no poeirão aqui do centro da cidade.

Vai ser um domingo para lembrarmos pelo resto de nossas vidas, nós que estamos envolvidos com a edição dos 50 anos da Cascavel de Ouro. Que vai premiar os vencedores com R$ 100 mil em dinheiro, coisa inédita em eventos do gênero no Brasil. Que vai ter transmissão ao vivo do BandSports. Que vai premiar os dez primeiros colocados com troféus bonitos como penso que nunca se viu pelas bandas de cá – eles, os troféus, serão apresentados aos pilotos e à imprensa em setembro. Que vai ter, pela primeira vez, uma corrida de repescagem para que saibamos quais serão os 50 carros classificados à disputa pelo prêmio inédito durante as três horas de prova. Que vai ser do caralho.

COPA ECPA

Foto do Adilson Zavarize em etapa recente da Copa ECPA, com carros de quatro marcas no mesmo ritmo. Esse é o grande barato da categoria Marcas & Pilotos 1.6, que forma o grid da Cascavel de Ouro.

Bem, o que mais tenho feito nos últimos dias é conversar com pilotos e chefes de equipe da categoria Marcas & Pilotos 1.6, a que forma o grid da Cascavel de Ouro. A primeira preocupação de maioria deles, compreensível, era consultar o regulamento desportivo, que está disponível no site da Federação Paranaense de Automobilismo. O regulamento técnico, acho que todos os interessados já sabem disso, é o mesmo que rege o Campeonato Paranaense da categoria.

O Caio Carvalho e o Edson Massaro, que neste ano arregaçaram as mangas e assumiram a promoção da Cascavel de Ouro, apostam entre 65 e 70 carros inscritos. Daqui a uma semana teremos uma noção mais precisa das chances disso acontecer. Isso porque há um desconto de R$ 1.000 sobre a taxa de inscrição para as participações que forem confirmadas até 31 de agosto. Essa taxa é de R$ 4.500 por carro – logo, todos querem definir a vida o quanto antes para depositar apenas R$ 3.500 e enviar o comprovante de depósito ou transferência juntamente com a ficha de inscrição preenchida para o e-mail da organização do evento, cascaveldeouro2017@gmail.com.

COPA CENTRO-OESTE

A movimentada Copa Centro-Oeste, organizada em Goiânia pelo bonachão Joel Júnior, também terá um bom número de pilotos inscritos na edição cinquentenária da Cascavel de Ouro.

Pois bem, o propósito desse post era, ainda é, tratar dos nomes que vão compor o grid no Autódromo Internacional Zilmar Beux no dia 5 de novembro. Ao fim do post indico a lista dos que vão participar da corrida com certeza, vários deles inclusive já devidamente inscritos. Uma lista que vai aumentar bastante até 3 de novembro, data de início dos treinos livres da programação da prova. Uma dica interessante, sobretudo para pilotos e equipes de outras praças: a quinta-feira anterior à corrida, 2 de novembro, será inteira reservada a treinos livres em que teremos serviço de cronometragem à disposição das equipes. Uma maneira agradável, é assim que eu vejo, de aproveitar o feriado de Finados.

A lista que vou indicar abaixo ainda está desfalcada de vários nomes que também vão correr a Cascavel de Ouro. Começo relacionando apenas quem já está com o esquema definido ou perto disso. Mas podem colocar nessa conta, também, os nomes que seguem. De Cascavel, além dos campeões brasileiros Luis Fernando Pielak e Leandro Zandoná – esse inclusive já venceu a Cascavel de Ouro -, estarão na pista Paulo Pizzoni, Beto Vanzin, Marcos Cortina e Diego Barroso. Londrina vai comparecer pelo menos com Cesinha Bonilha, Enrico Bucci e André Jacob, casualmente todos pela mesma equipe, ainda estão definindo as parcerias para as duplas e os trios. Curitiba não pode ficar fora dessa especulação, então ponho aqui o nome do Duda Bana. Do automobilismo goiano, podemos incluir Rogério Castro, Giuseppe Vecci, Pablo Alves, Gustavo Veronez – Larissa Cruzeiro já avisou que ela e o pai Rogério Cruzeiro estarão fora do grid, posição que imagino ser revertida até novembro.

O automobilismo mineiro deve comparecer com os irmãos Leandro e Wanderson Freitas, Wilton Pena, talvez o Gustavo Mascarenhas (esse é mero palpite). Pena, imagino, vai formar dupla com Zigomar Júnior, que é nome das corridas paulistas, como Eduardo Doriguel, Juka Gandelim, Alexandre Souza, Luis Piccolo, Eber Gomes, Alexandre Peppe, os irmãos Gustavo e Vicente Passarelli, Caê Coelho, Cláudio Ramenzoni e Witold Ramasauskas, outros que deverão dar as caras pelas bandas de cá de macacão e capacete no início de novembro. Isso sem contar os cariocas Alexandre Seda, Francisco Júnior, Marcelo Costa e Paul Lanfredi e o capixaba Jefferson Hubner, que também acredito ver na churrascada da véspera da corrida no autódromo. Acho que não deveria ter mencionado a churrascada, mas ao que sei os costelões já estão até encomendados, então não tem problema. Sem contar a rapaziada do Nordeste. O Marcelo Bambino me garantiu que vem mesmo que seja a pé para participar da corrida. Carlos Machado e Alexandre Malta são outros amigos de lá que acredito ver na pista por aqui. E não esqueçamos da galera do Distrito Federal, como André Massuh, Fernando Dalabona e Thiago Azalini.

Bem, como já falei, os nomes dos dois parágrafos acima não integram a lista inicial de participantes que reproduzo aí abaixo. E, desses já citados, o #DataLuc estabelece que no máximo cinco vão deixar de vir. Esse post vai receber atualizações e mudanças sempre que a conveniência da situação assim sugerir.

NORDESTAO 2

O automobilismo do Nordeste, que conheci de perto numa tentativa de participar em julho do Campeonato Pernambucano, também terá seus representantes na corrida de 5 de novembro em Cascavel.

Finalizando: tem mais nomes já definidos que, por um motivo ou outro, ainda não devem ser citados. Não me meto nas razões de cada um e respeito a privacidade solicitada. Enfim, vejam aí quem são os pilotos que vão compor a festa da Cascavel de Ouro, que como lembrou ontem um amigo gaúcho é o maior evento automobilístico do país na categoria Marcas & Pilotos – diante da observação, aliás, fico grato pela parte que me toca.

0 – Rafael Suzuki/Renato Constantino/Luciano Lobão (SP/DF/DF), VW Gol/Paraguay Racing

2 – Júnior Caús/Ingmar Biberg (PR/PR), GM Celta/Caús Motorsport

3 – Felipe Carvalho/Guilherme Salas (SP), GM Celta/Sensei-Sorbara Motorsport

6 – Fernando Júnior/Clemente Moroni (RS/RS), GM Celta/CenterBus-Sambaíba

7 – Ariel Barranco/Rafael Barranco (PR/PR), VW Gol/RB Motorsport

8 – Guto Matiazzi/Marcos Regadas/Antonio Canedo (PR/MA/SP), VW Gol/Paraguay Racing

9 – Miguel Laste/Ricardo Sperafico/Rodrigo Sperafico (PR/PR/PR), Ford Ka/Sérgio Ferrari Racing Team

10 – Célio Vinicius/Gabriel Correa (GO/GO), Ford Ka/Classe A-Ferrari Motorsport

11 – Fabiano Cardoso/Tuka Antoniazzi (RS/RS), GM Celta/Fast Racing

12 – Vilmar Malagi/Conrado Pontes (PR/RJ), Ford Fiesta/Ferrari Motorsport

13 – Galid Osman/André Bragantini (SP/SP), GM Celta/Sensei-Sorbara Motorsport

14 – Marcelo Beux/João Paulo Gelain (PR/PAR), VW Gol/Speed Car

17 – Daniel Kaefer/Carlos “SG” Souza (PR/PR), Ford Ka/Sérgio Ferrari Racing Team

18 – Cleves Formentão/Gabriel Formentão (PR/PR), VW Gol/Speed Car

19 – Guilherme Sirtoli/Leônidas Fagundes (PR/PR), Ford Ka/Sérgio Ferrari Racing Team

22 – Israel Favarin/Edgar Favarin (PR/PR), VW Gol/Paraguay Racing

23 – Beto Monteiro/David Muffato (PE/PR), GM Celta/Sensei-Sorbara Motorsport

27 – Natan Sperafico/parceiro indefinido (PR), Ford Ka/Sérgio Ferrari Racing Team

28 – Marcel Sedano/Valmor Emílio Weis (SC/PR), VW Gol/Stumpf Preparações

29 – Raphael Teixeira/Hélio Brandão (GO/GO), GM Corsa/Brandão Motorsport

32 – Fernando Fortes/Raijan Mascarello (SP/MT), GM Celta/Tuta Racing-Autotech

33 – Caíto Carvalho/Paulo Bento (PR/PR), GM Celta/Sensei-Sorbara Motorsport

37 – Marcelo Campagnolo/Gastão Weigert (PR/PR), GM Corsa/Sivel Competições

39 – Roney Ribeiro/Felipe Braz (PR/PR), VW Gol/Stumpf Preparações

41 – João Lemos/Analino “Choka” Sirtuli (POR/RS), GM Celta/Choka Car Racing

43 – Juliano Bastos/Anderson Portes (PR/PR), Ford Ka/Sérgio Ferrari Racing Team

44 – Luiz Carlos Ribeiro/Pierre Ventura/Peter Ferter (RS/RS/RS), Ford Ka/Ourocar

46 – Edson Massaro/parceiro indefinido (PR), VW Gol/Speed Car

60 – Betão Fonseca/Adriano Rabelo (SP/CE), GM Celta/CenterBus-Sambaíba

64 – Lorenzo Massaro/Paulo Salustiano (PR/SP), VW Gol/Speed Car

66 – Luís Filgueiras/Rodrigo Moreno (MG/SP), VW Gol/AGB Preparações

69 – Andrei Carta/Ruslan Carta Filho (PR/PR), VW Gol/Stumpf Preparações

71 – Wyllian Cezarotto/Eber Gomes/Pablo Vaz (PR/SP/GO), Ford Fiesta/Cezarotto Motorsport

72 – Gustavo dal Pizzol/Davi dal Pizzol (SC/SC), VW Gol/Pein Competições

73 – Leandro Totti/Maicom Tumiate (PR/PR), VW Gol/AGB Preparações

74 – Thiago Klein/Odair dos Santos (PR/PAR), VW Gol/Paraguay Racing

77 – Raphael Reis/Serafim Júnior (GO/RJ), GM Celta/equipe indefinida

86 – Gustavo Frigotto/Nicolas Salmini (PR/PR), Ford Fiesta/Paraguay Racing

87 – Michel Giusti/Jorge Martelli (SC/SC), VW Gol/MP Competições

88 – Leandro Zandona/Paulo Pizzoni (PR/PR), Ford Ka/Ferrari Motorsport

99 – César Bonilha/Juca Lisboa (PR/PR), VW Gol/Cesinha Competições

107 – Edson Bueno/Diogo Pachenki (PR/PR), VW Gol/Stumpf Preparações

117 – Gustavo Myasava/Pedro Saderi (PR/PR), GM Celta/MRF Motorsport

118 – João Naumes/Alisson Nurnberg (PR/PR), VW Gol/MP Competições

128 – Wilians Peres/Guto Baldo (PR/PR), VW Gol/Abreu Motors

133 – Gustavo Magnabosco/Eduardo Berlanda (SC/SC), VW Gol/Pein Competições

146 – Rogério dos Santos/Dorivaldo Gondra (PE/PE), GM Corsa/Fast Racing-Jeg Team Racing

174 – Alexandre Seda/Francisco Paiva Júnior (RJ/RJ), GM Celta/Grupo TMC-Landerson Competições

169 – Gilliard Chmiel/Gelmar Chmiel Júnior (PR/PR), VW Gol/Chmiel Competições

177 – Lúcio Seidel/parceiro indefinido (PR), Ford New Fiesta/Seidel Preparações

213 – Nuno Pagliato/Marcelo Gomes (SP/SP), Ford New Fiesta/Ferrari Motorsport

246 – Edson do Valle/Wellington Justino (GO)/GO), Ford Ka/Ferrari Motorsport-Classe A

332 – Mário Garibaldi Filho/Rafael Colombari (PR/PR), VW Gol/RedFoot Racing Team

333 – Fábio Tokunaga/PH Costa (PR/PR), VW Gol/RedFoot Racing Team

555 – Leandro Reis/Renato Braga/Leandro Romera (GO/GO/SP), GM Celta/Pimba Competições

CASCAVEL

Os carros do Metropolitano de Cascavel, claro, estarão todos, ou quase todos, na lista de inscritos. E aproveito para mostrar o carro com que participei da última corrida pelas bandas de cá, o rápido Fiesta da Cezarotto Motorsport. A vaga de parceiro do Wyllian Cezarotto ainda está disponível, diga-se.