Cascavel de Ouro em 3/11

screenshot_20190125-172011

A Cascavel de Ouro terá sua próxima edição no dia 3 de novembro. A premiação aos pilotos ainda não foi anunciada.

FLORIANÓPOLIS – O Automóvel Clube de Cascavel divulgou hoje o calendário de eventos para 2019 no Autódromo Internacional Zilmar Beux, anunciando 3 de novembro como data da 33ª edição da Cascavel de Ouro.

Também foram confirmadas as datas das quatro etapas do Campeonato Metropolitano de Marcas & Pilotos: 14 de abril, 9 de junho, 4 de agosto e 6 de outubro.

Anúncios

As datas da Turismo Nacional

Screenshot_20181214-184044

CASCAVEL – É fim de semana de Turismo Nacional em Curvelo, etapa final da temporada. É de se supor que a reunião dos pilotos para as corridas deste sábado vá servir para o Ângelo Corrêa anunciar aos pilotos o calendário das seis etapas do campeonato de 2019, que será o terceiro da categoria em sua gestão atual.

Dou alguns chutes. O primeiro, quanto às datas, considerando que as corridas vão continuar acontecendo aos sábados: 30 de março, 11 de maio, 15 de junho, 28 de julho, 7 de setembro e 12 de outubro.

O segundo chute: a primeira etapa vai acontecer em Londrina e a última vai ser em Cascavel. A intenção é de repetir a fórmula que deu certo em 2018, de ter a etapa de Cascavel três semanas antes da Cascavel de Ouro – de realização estimada, também segundo meus chutes, para o dia 3 de novembro.

A diferença, a meu ver bastante acertada, é que neste caso o campeonato terminaria antes da Cascavel de Ouro.

As datas da Cup

imagem_release_1545163

Interlagos receberá os testes da pré-temporada do Porsche Cup Império nos dias 21 e 22 de fevereiro, menos de um mês antes da abertura da 15ª temporada da categoria

CASCAVEL – E coube ao Porsche Cup Império puxar a fila das categorias nacionais no anúncio das datas e dos locais que receberão as etapas de 2019. Interlagos receberá os três primeiros eventos do ano – um deles, nos dais 21 e 22 de fevereiro, será de sessões de testes de pré-temporada.

As duas primeiras etapas, dias 16 de março e 27 de abril em Interlagos, serão do campeonato “sprint”, o das corridas curtas, que terá sequência em 1º de junho no Velo Città. O campeonato de provas longas vai começar mais cedo que o de 2018: Interlagos ou Velo Città são as opções de sede para a primeira etapa do Endurance Series, no dia 29 de junho.

Aí teremos mais duas etapas da “sprint”. A de 3 de agosto vai marcar a volta da argentina Termas de Río Hondo ao calendário da categoria, que em 21 de setembro voltará a Interlagos ou ao Velo Città – a que não tiver recebido o Endurance de junho.

Tal qual ocorreu neste ano, as duas últimas etapas do Endurance Series acontecerão em Goiânia, no dia 26 de outubro, e em Interlagos, no dia 30 de novembro. Entre as duas, no dia 17 de novembro, a etapa final do campeonato “sprint” vai marcar pelo 15º ano consecutivo a presença do Porsche Cup Império na programação do GP do Brasil de Fórmula 1.

Troféu Du Cardim

IMG-20181110-WA0063

SÃO PAULO – Interlagos, de onde escrevo agora, era o lugar preferido do Du Cardim. Quaisquer que fossem os motores acionados por aqui, por perto estava o Du, porque se não conseguisse uma credencial para os boxes não havia problema algum, ele comprava ingresso e acompanhava da arquibancada ali do Café.
O ambiente preferido pro Du em Interlagos eram os boxes reservados à Classic Cup a cada etapa do Paulista de Automobilismo. Transitava com desenvoltura por todos os parafusos e todas as carenagens da categoria. A predileção pela categoria dos antigos, que eu atribuía ao fato dele também ser antigo, levou o Du a falar bastante comigo depois que lancei a #GoldClassic, que vai acompanhar a festa da Cascavel de Ouro. Ele estava bem contente com o andamento das coisas para o evento de Cascavel, me manifestou alguns comparativos tão irreverentes quanto elogiosos tendo por base os vários eventos a que esteve presente em Interlagos, Velo Città, Piracicaba e Londrina, acho que tem mais algumas pistas nessa lista, talvez Curitiba e Goiânia.
Du nunca foi a Cascavel. Tinha me garantido que embarcaria no caminhão de alguma equipe no meio da próxima semana para estar na #GoldClassic. “Não perco essa bagaça por nada”, foi o que decretou.
Bem, talvez não perca, mesmo, mas a credencial que eu prometi a ele vai ficar guardada. Du morreu ontem, vítima de algo que ainda não sei bem o que foi – uma queda no jardim de casa, uma internação seguida de transferência, uma cirurgia, o fim. “Beijo, fui”, deve ter repetido, pela última vez. Era um dos vários bordões que marcavam seu papo.
Ele não vai estar lá. Não para dizer que a melhor coisa que fiz no automobilismo foi não correr a #GoldClassic, decisão que tomei dias atrás e de que talvez ele nem tenha tomado conhecimento, mas sei que diria isso. Mas vamos celebrar o Du no evento, sim. Dando, inclusive, seu nome aos troféus dos vencedores de cada uma das sete categorias.
Fim de papo, Du.

Na íntegra: Endurance Brasil 2018, 3/7

SÃO PAULO – No fim, acabei narrando as etapas de três campeonatos de alcance nacional realizadas no dia 21 de julho. Se na Turismo Nacional e na Sprint Race trabalhei com VTs já veiculados, o Endurance Brasil teve transmissão ao vivo. Narrei as Três Horas de Tarumã tendo o Bruno Monteiro como comentarista e a Juliana Marques na reportagem, num trabalho coordenado pelo Rodrigo Saravalli que teve geração de imagens da Via Satélite.

Como o domingo é de trazer ao blog os vídeos das corridas, segue também a íntegra da veloz corrida em Viamão.

As Quatro Horas de Curitiba, que acabaram durando um pouco menos que isso, abriram a temporada de 2018 do Endurance Brasil. A Chevrolet Absoluta 500, segunda etapa, aconteceu em Interlagos. Outra coincidência entre as três categorias citadas no post é que todas terão sequência no dia 1º de setembro em São Paulo. Se Turismo Nacional e Sprint Race negociaram espaço na programação de mais uma etapa do Campeonato Paulista de Automobilismo em Interlagos, o Endurance Brasil vai movimentar o Velo Città, na cidade de Mogi Guaçu. Uma corrida que vai acontecer pela manhã, novidade que poucos sabem.

 

 

Na íntegra: Sprint Race 2018, 1/8

CASCAVEL – Sem muitas delongas, porque a semana é curta e está bem atribulada, segue aqui o VT com as corridas da primeira etapa da Sprint Race Brasil na temporada de 2018, disputadas no dia 31 de março. Eram corridas previstas para o anel externo do Autódromo Internacional de Curitiba, mas o tempo instável forçou a organização do campeonato a transferir a disputa para o traçado misto. A chuva – que não veio durante as provas – empoça muita água exatamente no trecho de junção dos dois traçados, por isso a mudança.

Esse VT foi exibido ontem pela PlayTV e pelo BandSports. A próxima etapa, dia 6 de maio, vai marcar a estreia da Sprint Race no circuito uruguaio de Rivera.

O Fusca Cup

Screenshot_20171216-185819

CASCAVEL – Ainda vou falar especificamente da minha participação na corrida, um hábito que perdi e que quero resgatar. É para coisas assim que tenho esse espaço, afinal. Mas é da categoria que quero falar hoje. Fusca Cup, o nome do negócio. E pensa numa proposta bacana.

A corrida de sábado foi a primeira da história do Fusca Cup (uso no masculino, como faço há nove temporadas na narração do Porsche GT3 Cup ou nas cinco das sete temporadas em que fui o narrador do Mercedes-Benz Challenge na televisão). Haverá um campeonato próprio no ano que vem. O imortal besourinho volta à pista com motor 1.6, em especificações com refrigeração a água ou a ar, um conjunto suficiente para voltas na casa de 2min08s em Interlagos.

Quem me falou bastante a respeito do Fusca Cup durante o fim de semana foi o Stanley Wessler, piloto e preparador responsável por uma boa quantidade de fusquinhas de corrida. Foi quem tratou do meu carrinho na corrida do fim de semana, para a qual fui convidado pelo parceiro Paulo Plutarcho, do Boteco Praia. Soube que o já numeroso acervo de Fuscas do Stanley está incorporando mais cinco unidades e que todos os carrinhos estarão tinindo na abertura da próxima temporada, no último sábado de janeiro.

IMG-20171216-WA0050

A corrida experimental do último fim de semana integrou o grid conjunto da Classic Cup e da Turismo N. Fomos uma subdivisão com classificação em separado. Marquinhos Teodorio ganhou, eu fiquei em segundo e o Stanley foi o terceiro. A ideia para 2018 é de grid próprio, desvinculado da Classic Cup. Suposição minha, nada que a garantia de pelo menos uns 15 participantes não resolva. Só o tanto de gente que veio falar comigo de sexta-feira para cá, depois de ver as fotos que postei na internet, já daria esse quorum.
Em termos de automobilismo, uma brincadeira superdivertida e bastante acessível. O custo total por etapa vai girar em torno dos R$ 5 mil, já incluídos aluguel do carro, pneus, combustível, inscrição e mão-de-obra.
Já há calendário de corridas definido, inclusive, os interessados em integrar o grid do Fusca Cup podem tomar nota das datas das nove etapas: 28 de janeiro, 25 de fevereiro, 8 de abril, 20 de maio, 17 de junho, 15 de julho, 5 de agosto, 2 de setembro é 23 de dezembro.
Que seja bem nascido e tenha longa vida o Fusca Cup. Daqui a alguns anos, quando alguém escrever um livro contando a história da categoria, meu nome vai estar lá. Se tudo correr bem, ainda vou estar no grid quando isso acontecer.
IMG-20171216-WA0054