Pintando o sete

received_1378794362199235

Acrílica sobre tela de 50 x 90 cm, genial como todas as do mestre Muccillo. Vai ficar chique na sala do apartamento.

CURITIBA – “Pintando o 66” seria um título mais fiel à situação, mas matenho o da série. Tinha até esquecido da existência do blog, na verdade, mas diante da novidade senti-me tentado a recorrer a ele para compartilhar com vocês o belíssimo resultado do trabalho do Roberto Muccillo Torino.

Eis que o gauchinho eternizou meu carrinho de corridas – o Gol número 66, que sendo honesto com os fatos é da Paraguay Racing, e não meu – com um fantástico trabalho em acrílica sobre tela. Há anos sou fãzaço da obra do Muccillo. Hoje à tarde, logo depois de desembarcar em Curitiba, vi que saiu a tela do 66 e exclamei um palavrão de irrefutável admiração. O taxista me olhou assustado. Quando parou no farol vermelho mostrei a ele a foto no visor do celular. Ele concordou comigo, ficou mesmo do caralho!

Dias atrás fiz uma brincadeira na internet, falei que como participante de corridas de carros estava prestes a me igualar a grandes nomes, acho que citei Pedro Muffato, Rubinho Barrichello, Miguel Paludo, Nelson Piquet, seguramente mais alguns que agora me fogem à memória. São pilotos que, a exemplo de vários amigos desse mundinho das corridas, já tiveram seus carros e motos e caminhões de competição vertidos à linguagem perfeita do Muccillo. Agora sou um deles. Sensacional.

Aos que acham que estou exagerando, e aos que conhecem o portfólio do Muccillo e sabe que não há exagero algum, recomendo uma visita ao site dele, artesmuccillo.com. É de olhar por horas e mais horas.

Anúncios

Pintando o sete

Jpeg

VIAMÃO – Para gente que gosta de traços e cores e de corridas de carros, como eu, a lancheria do autódromo de Tarumã é visita obrigatória. Não só pelo pastel que eles servem lá, que é ótimo e vem com bastante carne no recheio, mas também pela exposição das obras de arte do Roberto Mucillo Torino – falei disso quando estive aqui em julho do ano passado.

A ideia original do post era sugerir o site indicado no cartão de visitas do Roberto, www.artesmucillo.com. Tentei acessar a página agora e não deu, não sei dizer se está fora do ar ou se a zica é com a conversa do meu notebook com a conexão de internet do autódromo. O e-mail dele para encomendas, artesmucillo@gmail.com, continua valendo.

Pelo sim, pelo não, reproduzo aqui, em fotos tiradas mal e porcamente, as peças que estão expostas na já citada lancheria, que é como chamam as lanchonetes por aqui.

Jpeg

Jpeg

Jpeg

Jpeg

Jpeg

Márcio Campos em HQ

CASCAVEL – Mais uma sacada do Sicredi em suas ações com a Sicredi Racing, equipe que conquistou três títulos no Mercedes-Benz Grand Challenge e que neste ano disputa o Campeonato Brasileiro de Turismo, categoria de acesso à Stock Car, sempre tendo como piloto o gaúcho Márcio Campos.

Pois que agora transformaram o Márcio em personagem de história em quadrinhos. O primeiro enredo, aí abaixo, eu pincei do perfil da Sicredi Racing no Facebook.

SICREDI 1           SICREDI 2

SICREDI 3           SICREDI 4

Pilotos virarem personagens de HQs não é algo necessariamente novo, o que não diminui os méritos da Sicredi Racing. Ayrton Senna e Djalma Fogaça, pelo que me ocorre de primeira lembrança, também foram levados aos quadrinhos como Senninha e Caipirinha Voador.

Pintando o sete

CASCAVEL – Criei essa seção aqui para compartilhar com minha parca audiência coisas que me chamam atenção e que tenham a ver com traços e cores. Sempre acabo comentando que tenho lá alguma aptidão para a coisa. “Tinha” pode ser um tempo verbal mais fiel, até. Enfim.

Imagem

Chegando em casa, há pouco, a Juli me mostrou algo que chegou pelo correio. Cartões de Natal. Quantos de vocês ainda mandam cartões de Natal? E quantos jamais enviaram um? Meia dúzia de cartões de Natal, acompanhados de envelopes próprios para envio. Quem nos mandou foi a Associação dos Pintores com a Boca e os Pés Ltda., que como o nome sugere é composta por pintores com limitações físicas nos braços ou mãos e que usam a boca e os pés para produzir obras de arte.

Esse tipo de trabalho me chama mais atenção do que malucos que se lançam a dar a volta ao mundo a pé. Menos por qualquer tipo de compaixão, mais pela minha reverência à habilidade que pessoas com essas limitações conseguem desenvolver. E as imagens e gravuras que essa galera produz em uma tela são reproduzidas nos cartões de Natal.

Imagem

É uma proposta de acordo comercial, claro. Estão vendendo os cartões, o lote todo aqui custa R$ 29,95 e junto deles veio um boleto não registrado junto a bancos para pagamento. “Pretendemos ser úteis e não depender de caridade”, diz o impresso que reproduz  uma carta escrita com a boca por Marcelo Cunha, um dos artistas da instituição, que tem sede em São Paulo e existe desde 1956. E se eu não quisesse ficar com os cartões? Em nenhum momento pedem devolução. Acaba sendo um exercício de confiança, suponho que a associação tenha apoio para produção e envio desse material.

O impresso que acompanha os cartões esclarece que a Pintores com a Boca e os Pés não é uma associação beneficente, “mas uma sociedade de membros importantes” que incentiva pessoas limitadas à produção artística. O fôlder traz fotos de vários pintores em plena ação e indica também o endereço do site da APBP. Vale a pena visitar e conhecer o trabalho. Quem sabe numa próxima viagem a São Paulo eu consiga reservar um tempo para visitar essa galera. Está na lista de metas.

Vou ficar com os cartões, claro. E enviá-los a quem mereça. E recomendo que vocês, que já devem ter clicado no llink aí para dar uma bisbilhotada no site da associação, que encomendem cartões e os enviem ou entreguem às pessoas que lhe são importantes. Apesar de estar em desuso, o envio de cartões de fim de ano é uma atitude simpática, carinhosa, que em geral causa sensações agradáveis a quem os recebe.

E, convenhamos, não há nada mais coxinha que enviar votos dessa época de festas por e-mail ou pelas redes sociais da internet.

Imagem

Pintando o sete

Imagem

VIAMÃO – Um dos grandes baratos da lanchonete – ops!, da lancheria – do autódromo de Tarumã é a decoração. Os quadros do Beto Torino, que têm feito sucesso no automobilismo brasileiro, estão ali, na parede, conferindo ao lugar um clima de velocidade.

O Audi R8 LMS Ultra que os irmãos Fábio e Wagner Ebrahim pilotam no Sudamericano de GT e o Mercedes-Benz C250 Turbo de Márcio Campos no Grand Challenge, dois dos carros que compõem a programação daqui no fim de semana, estão nos extremos. Entre eles, o Chevrolet Cruze com que Leandro Romera, também presente ao evento como chefe de equipe do Grand Challenge.

Plagiando o locutor sem qualquer pudor, afirmo: é a arte em estado puro.

Imagem