O que vale é curtir

CASCAVEL – Porque tem gente que sabe aproveitar a vida sem gastá-la com brigas, reclamações, discórdias e tudo que não presta e que sobra em profusão no cotidiano. Vejam esse vídeo aqui, que, burro que sou, não consegui incorporar ao blog.

RUAN VELOSO

O vídeo que vi na internet identifica o rapaz como Ruan Veloso e o apresenta como vendedor de balas. Que seja. Aprendamos com o Ruan Veloso, que é talentosíssimo.

Palco liberado

ImagemSÃO PAULO – Começou na última quarta-feira a primeira edição do Festival Sertanejo da Pan, no Pantanero Bar, lá em Cascavel. O nome, contemplando um notório trocadilho, é fruto da parceria da casa com a Jovem Pan.

A Juli e eu estamos envolvidos, embora na noite da primeira eliminatória eu já estivesse aqui em São Paulo. Participamos da elaboração do regulamento, que prevê somatória de pontos até que se definam os 12 finalistas. Uma iniciativa aplaudida pelos músicos de Cascavel, amadores ou não, que veem mais uma oportunidade de mostrar serviço. Até mesmo por conta do prêmio oferecido – além de quantias em dinheiro de R$ 1.000, R$ 600 e R$ 400 para os três primeiros, o artista campeão ou a dupla campeã será contratado pela casa para um show com cachê. É o que todo músico procura, uma boa casa noturna que contrate seu trabalho.

Ao fim do Festival Sertanejo da Pan, terão sido cinco noites, sempre às quartas-feiras. O estardalhaço da primeira etapa foi tão grande que, antes mesmo da competição seguir, o Pantanero já abriu inscrições para a segunda edição, que vai começar em agosto.

Portanto, cantores de Cascavel e região, mexam-se. Os interessados em disputar a premiação e em mostrar seu trabalho devem fazer contato com a Cláudia Moreira, pelo fone (45) 3038-8282 ou pelo e-mail claudia@pantanerobar.com.

Arte de repente

ImagemCARUARU – As coisas típicas do nordestino sempre saltam aos olhos e aos ouvidos quando estamos em Caruaru. Nesta semana, quem chamou atenção foi Régis do Repente, artista de Porto de Galinhas que há 25 anos conquista plateias com seus geniais versos de improviso, todos cadenciados ao ritmo nordestino dos Jovens do Forró, que o acompanham.

Régis e os Jovens do Forró deram uma palinha no hotel onde está parte do estafe da Fórmula Truck aqui em Caruaru, quinta-feira. Todo mundo que estava presente entrou no repertório, Paulo Salustiano foi uma das principais vítimas da noite, a patroa Neusa Navarro também não escapou e deu a Régis assunto para mais incontáveis golpes no repente quando revelou-se torcedora corintiana.

Os músicos estão aqui no autódromo. Vão se apresentar daqui a pouco, no camarote da Fórmula Truck, aos convidados do Truck Test Volta Rápida, novidade desta temporada em que Danilo Dirani foi efetivado como piloto. Os três estarão de volta amanhã, a convite do André e de toda a equipe da Gafor Logística.

Abril, toma direito!

CASCAVEL – E eis que Luc & Juli, nós, eu e a patroa, vamos voltar à ativa. Vai ser dia 28, na Chácara Campanha, em mais uma cervejada promovida pela turma de Direito da FAG, Faculdade Assis Gurgacz.

Já levamos nosso repertório à turma reunida pelo Bruno, pela Aline e por todo o time que organiza essas festas de olho na arrecadação pros fundos da festa de formatura que vai selar o fim de suas jornadas acadêmicas. Foi no ano passado, na “Cai & Pira”, uma festa junina tão boa que será um pecado se não acontecer de novo.

“Abril, toma Direito”, é o nome da festa do próximo dia 28. Comentei dias atrás que sou um fã de títulos e nomes bem bolados, esse é um deles. A ideia do desenho que simboliza a festa, esse que está à esquerda do banner, é sensacional, também.

E nem precisa mandar duas vezes, claro. As informações sobre a festa estão no Facebook, clicando aqui você acha o mapa da mina. Além do nosso repertório, também vai rolar o show da rapaziada do grupo Akele Pagode.

Adrenarock

Mais uma vez, a equipe ATW/BVA vai proporcionar rock de boa qualidade nos boxes do Itaipava GT Brasil. A banda SuperSonix, que já se apresentou em Interlagos durante a etapa de três meses e meio atrás, voltará à ação durante o intervalo de visitação aos boxes do autódromo paulista, no domingo.

Com Leandro Delta nos vocais, Leandro Mazzi na guitarra, João Castro na bateria e Thiago Garibaldo no baixo, a SuperSonix traz ao autódromo um som que convencionou chamar de “adrenarock”. “Nós demos esse nome porque nossa música é feita para estimular a adrenalina, nós colocamos os sons de motores e outros relativos às músicas que fazemos”, explica Delta.

A banda tem apoio da ATW/BVA. Já compôs e gravou músicas especiais para a equipe (que pode ser conferida nesse clipe aqui) e para o piloto Cristiano Federico, que lidera a categoria Itaipava GT4 na dupla com Caio Lara. Os dois revezam a pilotagem de um Aston Martin Vantage e precisam de dois décimos lugares nas corridas do fim de semana. O oitavo lugar em uma delas também já lhes vale o título.

Sertanejão na veia

Ontem, como toda terça, foi “Noite do Artista” lá no Pantanero Bar. O time de cantores amadores estava bem reforçado, festa animada. Até que lá pelas tantas, a Juli identificou lá no meio do povo um cidadão que de amador já não tem nada.

Era o Fernando, da dupla Pedro Henrique & Fernando. Essa dupla, aos que ainda não conhecem, estourou nas rádios e no som de portamalas com “Afoga o ganso”, a música do vídeo de hoje, que mereceu até um clipe. Os caras fazem um show divertido, que lhes rendeu o apelido de “Mamonas do sertanejo”. Eu ainda não fui ao show, a Juli foi com a turma e deu nota dez.

Não é a primeira vez que o Fernando dá as caras lá no Pantanero, tem notável simpatia pela casa e pela galera de lá. Como apareceu na “Noite do Artista”, é claro que foi convocado para uma modas, também. Fizemos lá uma seleção, ele eu, além de afogar o ganso musical e alguns outros clássicos também apresentou “Tô mais bonito”, que eu jurava ser de João Carreiro & Capataz – também a gravaram, eu não estava tão errado.

E não custa avisar aos artistas incautos de Cascavel e região que, a partir de agora, a “Noite do Artista” deixa de reunir os bons de goela às terças. Vai ser sempre aos domingos, começando por volta das sete e meia ou oito da noite. Começando já neste domingo.

Palinha no "Circulando"

Tentei aplicar a janelinha do vídeo usando o código de incorporação disponível lá no site da TV Tarobá, mas por algum motivo não deu certo.

Enfim, para quem quiser dar uma olhada, está aqui a matéria que o Rodrigão fez noite dessas lá no Pantanero Bar, sobre a presença da Cacau na “Noite dos Famosos”. Foi ao ar sábado último, no “Tarobá Circulando”, programa sobre festas e afins apresentado por Padaria e Rodrigão.

Aliás, alguém sabe o nome completo do Rodrigão? Às vezes tenho a impressão de que o RG dele diz exatamente isso, “Rodrigão”.

Vão-se os dedos…

Essa vida de cantorias noturnas revela umas histórias interessantes. Como qualquer tipo de outras vidas, creio.

Ontem conheci um sujeito, Jonathan Farias é o nome dele, que me contou uma história interessante. Emocionante, para os menos durões. É músico amador, como são todos os que participam às terças-feiras da “Noite do Artista” lá no Pantanero Bar. E gosta, como dizemos, de bater uma violinha, como todos os que dão as caras lá nessas noites pré-determinadas.

Jonathan, 17 anos completos meses atrás, trabalhava numa indústria de embalagens plásticas, algo assim, deveria ter prestado mais atenção a essa parte. Era operador de uma máquina que, em momento de lastimável descuido, decepou-lhe as pontas de três dedos da mão esquerda, e causou um dano ao indicador, que sobrou inteiro.

É óbvio que o acidente, além de tirar Jonathan do emprego, privou-o do que diz ser seu passatempo preferido, tocar violão. Mas só até a página dois, momento do enredo em que viu-se, pela primeira vez depois de perder os dedos na máquina, em meio à habitual roda de música com os amigos.

Alguém da roda teve de manusear o violão para Jonathan cantar suas músicas de sempre. Caiu-lhe a ficha. “Quando aconteceu o acidente eu não senti dor, mas fiquei triste quando percebi que não ia mais poder tocar. Fiquei triste, mesmo”, contou, como que revivendo os momentos de reflexão de meses atrás.

Foi quando decidiu tirar as cordas de seu violão e recolocá-las em ordem inversa, como fazem os canhotos. Eu ia ficando embasbacado com a naturalidade de cada passo da narração, que Jonathan fez ali, à mesa do bar, enquanto providenciávamos a devida afinação de seu violão para a apresentação que faria instantes depois, no palco do bar.

“Cara, eu pus na cabeça que não ia parar de tocar por causa disso. Acho que Deus queria saber se era isso mesmo que eu queria para mim, acho que consegui dizer para Ele que sim”, foi o que ele me descreveu, textualmente, embora eu não tenha anotado, tenho o péssimo costume de não anotar nada, mas a frase foi exatamente essa. Uma verdadeira profissão de fé, no boteco, com espontaneidade.

Foram dois meses entre a inversão das cordas e o dia em que Jonathan Farias, agora parceiro semanal das Noites do Artista, voltasse a tocar seu violão, agora ocupando o outro lado do colo. Uma marca que meu instituto imaginário DataLuc aponta como recorde intergaláctico.

Vão-se os dedos, ficam os anéis, é o que diz o ditado. Que foi criado para o Jonathan.

Cacau com uísque

De uns tempos para cá, o Pantanero Bar tem feito um bom barulho, de quando em quando, com a “Noite dos Famosos”. Que vai ter mais uma edição semana que vem, na quinta-feira. A convidada da noite será Cláudia Colucci, a ex-BBB Cacau. Que já esteve por lá alguns meses atrás, foi um auê e tanto, saía gente pelo ladrão.

Essa arte aí ao lado é de um banner de uns dois metros de altura, que está instalado na entrada do bar. Com a logo no lado esquerdo, da dupla que vai fazer o show musical, ninguém consegue se ater à foto da moça. Que é muito bonita, o Nei Tessari já avalizou seus atributos.

Por falar em Cacau, eu e mais algumas centenas de eleitores do Ronei Rech estamos ávidos à espera do já tradicional e-mail em que ele antecipa, todos os meses, sessões de fotos dessas moças bonitas. Envio prometido para hoje.