Jimenez e Fraga de BMW

Imagem

CASCAVEL – Aí está, todo pimpão na foto que o Duda Bairros produziu durante os testes coletivos da Stock Car em fevereiro, o Sérgio Jimenez, piloto da Voxx Racing na Stock Car. O Sérgio será o quarto piloto do BMW Team Brasil na temporada de 2014 do Blancpain Sprint Series, antigo FIA GT Series. Formará dupla com Cacá Bueno em um dos Z4 da equipe de Antonio Hermann. O outro carro da equipe, conforme comentei no mês passado, terá Nelsinho Piquet e Matheus Stumpf como pilotos.

O campeonato terá sete rodadas duplas, assim dispostas no calendário: 21 de abril – Nogaro (França); 18 de maio – Brands Hatch (Grã-Bretanha); 6 de julho – Zandvoort (Holanda); 24 de agosto – Slovakia Ring (Eslováquia); 7 de setembro – Algarve (Portugal); 19 de outubro – Zolder (Bélgica); 2 de novembro – Baku (Azerbaijão).

No que diz respeito a pilotos, o time do Hermann terá um quinto integrante na competição europeia. Felipe Fraga, imberbe que está em alta depois da vitória em sua estreia na Stock Car há dez dias, correrá no lugar de Piquet nas etapas da Inglaterra e da Eslováquia. Quanto à vitória em Interlagos, Fraga comemorou-a meio sem saber para onde correr, conforme mostra, abaixo, a foto do passapórtico José Mário Dias. 

Imagem

Anúncios

Nelsinho na GT Series

Imagem

SÃO PAULO – No paddock em Interlagos, cruzo com Antonio Hermann. Cuja equipe, o BMW Sports Trophy Team Brasil, parte para mais uma temporada no Blancpain FIA GT Series.

Com duas unidades do BMW Z4 na pista – “com um upgradezinho técnico”, segundo o Hermann –, a equipe já tem três de seus pilotos definidos. Cacá Bueno segue na equipe. Matheus Stumpf, que foi bicampeão de GT no Brasil pela equipe de Hermann, também. Arrisco que seja ele o parceiro de Nelsinho Piquet. Aliás, a participação de Piquet em toda a temporada já é certa? Sei só que ele participou dos treinos de pré-temporada na França. “Sim, certa, segredo nenhum quanto a isso”.

E quem corre com quem, afinal? “A formação das duplas vai depender do quarto piloto”, adiantou o Hermann, que negocia com dois pilotos. “Ambos brasileiros, claro, sempre vão ser brasileiros na equipe”.

Antonio Hermann, que de 2007 a 2012 foi um dos capitães do Brasileiro de GT, disse não ter qualquer notícia dos rumos que a categoria tomou ou deixou de tomar pelas bandas de cá. “Houve quem dissesse que o problema era eu, então saí. Deve ter melhorado”.

E disse tchau e entrou em um box, levando determinada publicação automobilística debaixo do braço. Não prestei atenção, mas acho que entrou no box do próprio Nelsinho, que participa da corrida de duplas da Stock Car pela Mobil Super Racing, como parceiro de Átila Abreu.

E a foto lá em cima, ao melhor estilo capa de revista, é do conchávico José Mário Dias.

Os GTs daqui, lá

Imagem

CASCAVEL – Enquanto o rumo das corridas de gran turismo no Brasil vai de obscuro a coisa do passado, os pilotos que compuseram essa história entre 2007 e 2013 vão tratando de arrumar com que ocupar seus fins de semana. Marcelo Hahn é um deles. Optou pelo caminho da América do Norte para continuar acelerando seu Lamborghini LP600.

Hahn vai participar de pelo menos quatro etapas do Pirelli World Challenge. Sua equipe, a Bläu Motorsport, uniu-se à Reiter Engineering, que também terá na pista o checo Tomas Enge e o alemão Albert Von Thurn und Taxis. Enge competirá na categoria profissional. Hahn e Thurn und Taxis, que ostenta título da nobreza alemã, estarão na classe dos amadores.

O brasileiro não é propriamente um amador. Compete desde 2005 e foi campeão sul-americano da GT no ano passado com nove vitórias e outras três aparições no pódio em 14 corridas. Teve Allam Khodair como parceiro em seis rodadas duplas e Marcos Gomes em outra – Allam ficou com o vice-campeonato.

O planejamento inicial de Marcelo Hahn no Pirelli World Challenge é de participar de quatro das 12 etapas que compõem o calendário. A primeira delas no próximo dia 30 em St. Petersburg, na preliminar da etapa de abertura. Depois, estará na pista nas etapas do Barber Motorsports Park, dia 27 de abril, de Road Atlanta, em 21 de junho, e Toronto, dia 20 de julho – nos casos de Barber e Toronto, igualmente em festas preliminares da Indy.

Ao mesmo tempo em que chega a notícia da estreia de Hahn no World Challenge, os gestores das mídias sociais do FARA USA publicam em seu perfil no Facebook a foto abaixo, indicando a chegada de novos carros da GT brasileira para integrarem o Spring Challenge dos dias 12 e 13 de abril em Homestead. O primeiro evento do Formula & Automobile Racing Association no ano, mês passado, teve quase três dezenas de pilotos brasileiros em ação – um deles, Vicente Orige, ganhou as 200 Milhas de Homestead, inclusive.

 Imagem

Aí, do primeiro plano para o fundo, aparecem a Ferrari F430 com que Cláudio Ricci e Rafael Derani conquistaram o título brasileiro de 2009 – e que levou Raijan Mascarello e Felipe Tozzo ao vice-campeonato da classe GT Premium três anos depois -, a Ferrari F430 com que os gêmeos Vinicius e Felipe Roso atuaram na última temporada da GT Premium, a Ferrari F458 com que Derani e Ricci atuaram em 2012 e em algumas corridas do ano passado e o Porsche 911 S com que Marçal Melo e Alex Fabiano foram vice-campeões da GT Premium no ano passado. Ao fundo, coberto, parece ser mais um Porsche, não sei qual é.

Seria ótimo ver todos esses carros sendo desembarcados de volta no Brasil. Mas, por ora, seriam trazidos para quê?

Esquadra brasilis

Imagem

CASCAVEL – Esse é um levantamento que estou para publicar há três semanas e não consegui livrar um tempinho para fazer. Menos mal, veio mastigadinho no release do Rafael Durante. Serão onze os pilotos brasileiros (N.E.: no fim do post há um adendo a essa informação, que está errada) que vão disputar no domingo em Homestead a segunda etapa do FARA, que vem a ser o Formula & Automobile Racing Association. A Homestead 200, nome da corrida, vai acontecer no domingo, com largada às 14h locais, 16h em Brasília, e os 11 brasileiros, que optaram por correr em Miami em vez de formarem um time de futebol para um jogo amistoso com uma seleção de jornalistas e fotóegrafos, vão formar a equipe oficial da Ginetta.

Três deles estrearam em dezembro nas 500 Milhas de Miami: Adolpho Rossi, Alline Cipriani e Elias Azevedo, que no ano passado conquistaram um dos títulos brasileiros de Endurance. Adolpho e Alline, que já atuaram na Sprint Race e no Audi DTCC, vão pilotar um Ginetta G40. Elias, que já passou pelo Porsche GT3 Challenge, pelo Audi DTCC e pela Fórmula 3, vai revezar com o Joãozinho Gonçalves, campeão mundial de kart e ex-piloto do Audi DTCC e do Brasileiro de GT, a pilotagem de um G50 da Ginetta.

Esse modelo é igual aos que serão pilotados pelas duplas Caê Coelho/Luiz Arruda e Sérgio Laganá/Alan Hellmeister. Caê também correu no Brasileiro de GT e disputou o Porsche GT3 Challenge, categoria que em 2013 teve participação de Luiz em algumas etapas. Sérgio é outro que já passou pelo Porsche GT3 Challenge e pelo Brasileiro de GT, onde formou dupla com Alan, ex-piloto de F-3 e de Stock Car.

Rodolfo Toni e Rodrigo Mello, que no ano passado estrearam no Porsche GT3 Cup pela categoria Light, vão competir em Homestead com um Ginetta G50 Cup. Os dez pilotos já citados são paulistas. A lista de brasileiros inscritos traz ainda o catarinense Vicente Orige, campeão brasileiro de rali e piloto da Copa Petrobras de Marcas, vai competir sozinho com um Ginetta G55, esse da foto aí abaixo.

Imagem

Sucesso aos nossos compatriotas, pois, eles que têm aproveitado as vantagens e os atrativos que o automobilismo internacional oferece.

(ATUALIZANDO EM 21 DE FEVEREIRO, ÀS 12h49):

Gafe cometida é gafe assumida. Não serão onze os pilotos brasileiros na corrida. Os onze citados no post são os que vão defender o Team Ginetta USA. Há muito mais pilotos do país inscritos, conforme me alerta gentilmente o Carlos Eduardo Harmel.  “Devermos ter ao menos 30 pilotos brasileiros no grid, que está hoje com 95 inscritos em 8 classes”, diz o Harmel, que indica esse link aqui como subsídio para o levantamento que, enfim, terei de fazer tão logo quanto possível.

Pitacos à GT Pro

Imagem

CASCAVEL – Se a primeira etapa tem suas corridas marcadas só para dias 17 e 18 de maio em Interlagos, o trabalho do novo time da GT Pro Brasil já começou. E terá hoje, quarta-feira, seus primeiros resultados apresentados a pilotos e equipes.

Uma reunião entre pilotos e representantes das equipes com Alex Fabiano, Johnny Weisz e Marçal Melo, que encampam o novo campeonato, vai acontecer à noite nalgum endereço de São Paulo. Eu teria perguntado o endereço se tivesse conseguido viabilizar um bate-volta a São Paulo; como não foi o caso, não me ative ao detalhe.

Mas fato é que tudo que se formatou até agora será exposto aos possíveis participantes, chamados que foram, também, a dar seus pitacos sobre vários dos detalhes que ainda aguardam definição nos campos técnico, logístico e promocional. A essa altura do campeonato, colher pitacos e saber filtrá-los são pontos que vão determinar o sucesso ou o fracasso da empreitada.

Outra reunião com o mesmo propósito foi agendada para amanhã à noite, nalgum endereço de Porto Alegre. Como não tenho qualquer plano de visitar a gauchada nesta semana, também não perguntei onde vai ser. Mas vai envolver, igualmente, pilotos e integrantes das equipes do Sul, e sem bem conheço aquele eleitorado haverá costelas, alcatras e cupins sendo preparadas desde o início da tarde para os convidados da ocasião.

Virão do Sul, aliás, várias das novidades da GT Pro Brasil. Que promete 18 carros no primeiro grid do ano – os encontros de hoje e amanhã já devem revelar as primeiras formações confirmadas no campeonato.

Os carros do Hermann

GT FORD GT

CASCAVEL – O momento de ressurgimento das corridas de gran turismo pelas bandas de cá, com a criação do GT Pro Brasil, não seduziu Antonio Hermann. Responsável, ou um dos responsáveis, pela criação do campeonato, em 2007, o chefe de equipe retirou sua equipe da competição assim que o campeonato de 2012 terminou, tomou o caminho de volta à Europa e é por lá que pretende continuar trabalhando, no que diz respeito a corridas de carros.

O que não quer dizer que eles, os carros de Antonio, não estejam na pista na nova versão da categoria brasileira, que terá a primeira das seis rodadas duplas previstas no calendário em Interlagos, nos dias 17 e 18 de maio. Agora baseada em Portugal, a equipe tem seis unidades à disposição de equipes brasileiras interessadas. São três Ford GT (um deles é esse da foto acima, que levou Valdeno Brito e Matheus Stumpf a dois títulos no Itaipava GT Brasil, em 2009 e 2010), dois BMW M3 – aqueles da categoria GT4 – e um Porsche 911.

Com tantos bons carros à disposição, por que o próprio Antonio não estrutura a equipe para estar no grid?, perguntaria você. Também perguntei-lhe. “Zero. Não há nenhuma possibilidade da minha equipe participar de qualquer competição organizada no Brasil”, respondeu.

O BMW Team Brasil, sob a batuta de Antonio, vai manter dois modelos BMW Z4 em ação na Europa, integrando o grid do Blancpain GT Sprint Series. O campeonato terá sete etapas, a primeira delas no dia 21 de abril em Nogaro, na França. As duplas de pilotos ainda não foram anunciadas – em 2013, o time fechou o ano com as duplas Cacá Bueno/Allam Khodair e Sérgio Jimenez/Ricardo Zonta.

Imagem

Ebrahim Motors: check

Imagem

CASCAVEL – Depois da confirmação da realização da GT Pro Brasil em parceria com a Fórmula Truck, é natural que os bastidores da categoria – que será estruturada a partir do antigo Brasileiro/Sudamericano de GT – sejam bisbilhotados.

Um dos carros que estarão no primeiro grid da GT Pro Brasil, dia 17 de maio em Interlagos, é o Audi R8 LMS ultra (fiquei sabendo só no fim da última temporada que a grafia correta do “ultra” elimina a inicial maiúscula) da Ebrahim Motors. É o carro que venceu a última corrida do Sudamericano, em novembro na Argentina, com Wagner Ebrahim e Felipe Tozzo – na maior parte do ano, Wagner pilotou formando dupla com Fábio Ebrahim, seu irmão.

Os pilotos do carro ainda não foram definidos pela equipe. É algo que exige várias considerações, que passam também pela eventual mudança no formato das corridas – essas definições serão anunciadas nas próximas semanas pela GT Pro Brasil.

É de se supor que o esquema técnico da equipe, talvez apresentando novidades adicionais, seja anunciado ainda no mês de fevereiro.