Gold Classic Interlagos

GOLD CLASSIC

Primeira edição da Gold Classic (nome sugerido pelo Edson Massaro e que agradou de primeira) aconteceu em Cascavel. A segunda será em Interlagos. Já tem uma marcada para longe daqui em janeiro de 2021…

CASCAVEL – Já contei algumas vezes, aqui mesmo no blog, como nasceu a “Gold Classic”. A ideia inicial era conseguir formar um grid com pelo menos 20 carros para dar um tempero a mais ao caldo da programação da Cascavel de Ouro no ano passado. A lista chegou a 92, caiu a 76 e, depois de muita coisa ter “dado errado”, brincadeira interna que repito sempre aos participantes, largamos com 44. Tivemos transmissão ao vivo da CATVE nas duas corridas, conteúdo compartilhado também no portal de internet da emissora, foi tudo sensacional, os pilotos adoraram. A ponto de, a vários meses da segunda edição – que vai acontecer nos dias 2 e 3 de novembro, novamente como atração preliminar da Cascavel de Ouro -, termos fechado as 50 vagas que compõem o grid máximo formatado pela Federação Paranaense de Automobilismo.

A lista dos 50 carros – todos devidamente inscritos – foi publicada no dia 20 de maio e pode ser conferida nesse link aqui. Depois da publicação houve uma desistência, da dupla César Ferro/Marcelo Rampazzo, e a vaga dos pilotos londrinenses foi preenchida pelo paulista Carlos Eduardo Harmel, que era o primeiro, cronologicamente falando, em uma hipotética lista de espera que foi acordada com os participantes. Há outros cinco carros na tal fila, cujos pilotos por enquanto dão de cara apenas com a plaquinha que infelizmente traz a mensagem “não há vagas”.

MARCELO MIRANDA

Piloto de um Hot-Fusca da Divisão 3, o sul-mato-grossense Marcelo Miranda, já confirmado na segunda edição do torneio em Cascavel, foi o primeiro a efetivar inscrição na “Gold Classic Interlagos”.

Bem, é válido observar que 16 dos 50 carros que vão formar o grid de novembro têm pilotos paulistas. Um deles, amigo de longa data, fez uma cobrança naquele tom brincadeira-com-fundo-de-verdade. “Pô, Luc, vamos todos correr em Cascavel e o único de Cascavel que vem correr em Interlagos na Classic Cup é você”. Um fato. Mas não há pilotos cascavelenses na categoria – não de forma regular. Esse comentário me fez começar a pensar. Já tínhamos o time escalado para a preliminar da Cascavel de Ouro e os campeonatos de carros clássicos e antigos, convenhamos, têm um potencial enorme. Não quero envolvimento com campeonatos, mas a ideia de fazer acontecer algo como a Gold Classic em Interlagos me atraiu bastante. Conheço bem boa parte dos pilotos que embarcam nessas ondas, e correr em São Paulo para muitos deles é algo perto de um sonho. É gente que pratica o automobilismo com o coração e que reverencia Interlagos por tudo que lá fizeram os principais nomes do automobilismo mundial. O tipo de consideração em que sempre acabo ouvindo ou lendo o nome de Senna.

Fazer acontecer uma corrida de automobilismo de gente simples em Interlagos não é fácil. Bem menos fácil que em rincões como Cascavel, Londrina, Guaporé ou Tarumã, por questões financeiras, logísticas, geográficas e de várias outras ordens. Mas fui atrás. Falei com um, com outro, com mais outro, e quem acolheu a ideia quando eu já estava em cima da ponte pronto para pular com uma pedra amarrada ao pescoço (sim, copiei isso do encarte do CD dos Mamonas Assassinas) foi o Claudinho Vieira, do Interlagos Motor Clube. O IMC já tinha bastante coisa com que se preocupar para o evento de 6, 7 e 8 de setembro, visto que além das inúmeras categorias do Campeonato Paulista de Automobilismo o evento comportará a quinta etapa da Turismo Nacional e, talvez, a prova de mais uma categoria de âmbito nacional. Mas nos deu ouvidos e atenção.

MIGUEL BEUX

Depois de 12 anos de uma restauração artesanal do protótipo Avallone com que Pedro Vitor de Lamare competiu nos anos 70, Miguel Beux vai ter enfim a chance de competir com o carro em Interlagos.

O resultado é que o torneio que implantamos com intenções bem modestas cá em Cascavel vai ter, sim, uma edição especial no principal autódromo do país. O regulamento será o mesmo que praticamos cá em Cascavel, com duas corridas de 30 minutos e mais uma volta, subdivisão da disputa nas categorias Super Classic, Força Livre, GT, Turismo Super, Turismo Light, Fusca Cup e Speed Fusca. Tivemos a confirmação do Claudinho uma semana atrás. Em poucos dias de contatos com os pilotos tivemos a confirmação de 35 carros no grid – em que pese o único efetivamente inscrito ser o Hot-Fusca do Marcelo Miranda, de Campo Grande.

O número de carros que podem compor um grid é regido por uma extensa fórmula matemática editada pela FIA, que leva em conta praticamente todos os números implícitos em uma corrida. Em Interlagos, pela instrução que recebi, esse limite é de 60. Não vou sossegar até que tenhamos os 60 carros confirmados para as duas corridas de setembro, que ainda não sei se acontecerão no dia 7 ou no dia 8 – é uma definição que teremos até o fim desta semana.

LEOVALDO PETRY

Sempre parceiro das maluquices que eu invento, o Leovaldo Petry, gaúcho de Ivoti, estará no grid de Interlagos com o Maverick da Project Motorsport. Teremos outros dois ou três exemplares do Maverick no grid.

Não era de hoje que eu buscava uma ligação entre Cascavel e São Paulo nas corridinhas de antigos. É coisa de quinze anos, já que conheci a Classic Cup em 2004 na etapa paulista da Pick-up Racing, categoria onde comecei a trabalhar fora de Cascavel com locução e narração. Tentei trazer uma etapa para cá em 2007, estava praticamente tudo certo, mas para isso dependeria de gente que concluiu – erroneamente – que eu ganharia dinheiro em suas costas. Ah, esquece, esse assunto não vale a pena.

O que vale a pena é ver os amigos de São Paulo e de outros cantos sorrindo de orelha a orelha diante da iminência de um torneio que, apostei com alguns deles, trará a todos nós motivos para bons risos e boas histórias. Pena para mim que não vou poder estar na pista, já que contratei a mim mesmo para narrar as corridas na transmissão ao vivo pela internet. Sim, porque a primeira condição que imponho a mim mesmo para me meter com a realização de um evento de automobilismo é sua transmissão ao vivo.

CAIO LACERDA.jpg

A “Gold Classic Interlagos” terá o boa-praça Caio Lacerda como um dos pilotos da HT Guerra, equipe de lá, de São Paulo, que terá o maior número de carros na segunda edição do torneio em Cascavel.

Anúncios