O que diz a Band

BRASILIA INDY 300

CASCAVEL – Ainda sobre o polêmico cancelamento da etapa brasileira da Fórmula Indy, chegou há pouco, por e-mail, uma nota de esclarecimento emitida pela Rede Bandeirantes, expondo sua versão dos fatos.

A nota, que reproduzo abaixo e na íntegra, também foi publicada no site da emissora, onde se pode acompanhar, a esse respeito, a matéria apresentada no “Jornal da Band” de ontem.

Nota Oficial

Comunicado da Band

A Band garante a devolução do valor dos ingressos aos milhares de fãs da Indy que iriam assistir a Brasilia Indy 300. Todas as orientações sobre o ressarcimento estão no site da livepass (livepass.com.br). A emissora lamenta os transtornos causados aos aficionados pela categoria, uma das mais importantes do automobilismo mundial, e reitera sua surpresa com o cancelamento unilateral anunciado pela Terracap.

ENTENDA O CASO:
Todos os entendimentos para a realização da prova ocorreram de forma pública e transparente, conforme descrito a seguir:

As negociações
Em novembro de 2013, a direção da Rede Bandeirantes foi procurada por representantes do governo do Distrito Federal e pelo então governador Agnelo Queiroz, interessados em levar a prova para Brasília. A Band, que já não era mais a responsável pela realização da corrida, teve que atuar junto aos promotores do evento nos Estados Unidos. Depois de algumas semanas o negócio ganhou forma. Todas as etapas que levaram à celebração do contrato foram públicas e aconteceram dentro de um ambiente de absoluta transparência.

Compromisso
O termo de compromisso, que deu início formal à relação, foi assinado por Agnelo Queiroz no dia 21 de março de 2014 em um evento público, em São Paulo. A assinatura foi testemunhada por centenas de pessoas. Entre elas estavam o ex-presidente Lula e várias autoridades do Governo do Distrito Federal, que não se cansaram de enaltecer os termos do acordo. O fato foi amplamente divulgado pelos veículos do Grupo Bandeirantes, sites especializados e imprensa em geral.

Início dos trabalhos
Em maio de 2014, por ocasião da realização da Indy 500, o então governador Agnelo Queiroz, acompanhado por vários secretários, foi aos Estados Unidos em visita oficial e se reuniu com o governador de Indiana, o prefeito de Indianápolis e o presidente da Indy Car, confirmando seu compromisso internacionalmente.

Em setembro do ano passado, após seis meses de tratativas, como consequência do termo de compromisso, a Band assinou com a Terracap o contrato que teve a súmula publicada no Diário Oficial. Durante as negociações, todas as exigências do Governo do Distrito Federal e da própria Terracap foram atendidas pela Band.

A partir de então, semanalmente, a emissora realizou reuniões técnicas para acompanhar o andamento dos trabalhos da pista. Todas as reuniões – devidamente registradas em atas – contaram com a participação de representantes do governo do DF, da Terracap e da Novacap, sem que qualquer problema fosse levantado. O autódromo de Brasília pertence à Terracap, que era a única responsável legal pela licitação para a reforma. Portanto, a Band não teve qualquer envolvimento, nem com a frustrada licitação, nem com as obras.

Compromisso reiterado pelo atual governo
Os entendimentos entre a Band e o novo governo começaram muito antes da posse. No fim de novembro, o atual governador, Rodrigo Rollemberg, ainda na condição de governador eleito, almoçou com a direção da Band e assegurou seu apoio à realização da corrida. Na ocasião, Rollemberg disse que conhecia o contrato e suas penalidades e que já tinha tomado a decisão de apoiar o evento. O governador eleito orientou , inclusive, seus assessores a procurarem a equipe de seu antecessor para comunicar o apoio e garantir agilidade nas providências.

Na segunda semana de janeiro, após a posse, o chefe da Casa Civil Hélio Doyle, falando em nome do governador Rodrigo Rollemberg, deu uma entrevista ao Jornal da Band onde “garantia” a posição do governo: “A realização da corrida de Fórmula Indy no dia 8 de março está garantida. O governador Rodrigo Rollemberg já havia se comprometido a dar sequência a esse contrato”, afirmou (veja em http://bit.ly/1DAFbxl). No período da realização da corrida, previam-se que pelo menos 100 milhões de reais deveriam circular em Brasília, fato que era comemorado por Doyle. “Um evento desse porte em qualquer cidade gera retorno e naturalmente movimenta a economia local”, disse. O cronograma seguiu sem problemas.

A procuradora-geral do Distrito Federal, Paola Aires Correa Lima, apresentou em 13 de janeiro último um recurso ao Tribunal de Contas do DF pedindo o prosseguimento das obras. Segundo ela, o custo de realizar a prova é a melhor alternativa para o Distrito Federal. Ainda nesse recurso, a procuradora afirma que há dotação orçamentária e recursos financeiros para o cumprimento do contrato.

Na data de ontem, a Band obteve acesso ao processo administrativo da Terracap correspondente ao contrato. Dele não constam qualquer fundamento legal que determine a suspensão da prova e o cancelamento da reforma da pista. Constam, sim, pareceres e deliberações atestando a legalidade do contrato.

Cancelamento unilateral
Alheio a tudo isso, à regularidade e à transparência do negócio, o Ministério Público resolveu recomendar ao Distrito Federal que se abstivesse de realizar qualquer ação que visasse à realização da corrida.

O Governador Rodrigo Rolemberg, por meio da estatal Terracap, determinou o cancelamento da prova, sem qualquer pré – aviso e sem dar qualquer oportunidade de manifestação da Band, pondo a perder tudo aquilo que seria herdado pelo contribuinte do Distrito Federal. Agora, o autódromo de Brasília está demolido, sua pista está semi – asfaltada e sem qualquer perspectiva futura. Além de gerar empregos e movimentar a economia local, o evento cancelado seria visto em cerca de 120 países. Um terço dos ingressos acabaram logo nas primeiras horas. As cerca de 15 mil pessoas que compraram o seu ingresso para a corrida e os treinos serão agora ressarcidas.

A Band está adotando as providências legais cabíveis, inclusive para ressarcir seus prejuízos. Agradecemos o apoio dos parceiros que, assim como a emissora, investem no esporte e acreditam na capacidade dos brasileiros de realizar grandes eventos.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO BAND

Sem Indy

BRASILIA INDY 300

CASCAVEL – Pouco há a dizer e muito há a saber sobre o cancelamento da etapa brasileira da Fórmula Indy, informado há pouco à imprensa pela assessoria de imprensa do evento, que aconteceria no dia 8 de março em Brasília – o comunicado emitido pelo jornalista Rodolpho Siqueira segue reproduzido na íntegra ao fim do post.

O evento está cancelado e isso é irreversível. A maior interrogação que fica para o automobilismo brasileiro, no que diz respeito a seu futuro, envolve as obras de reforma do Autódromo Internacional Nelson Piquet, tocadas a um ritmo frenético desde o fim do ano passado. O trabalho terá sequência? As categorias nacionais que agendaram etapas em Brasília – se não todas, quase todas – terão de promover mais um remanejamento de seus calendários?

A sequência disso vai ser movimentada. De modo ou outro, uma pena. A foto da obra no autódromo – carregada de presença de espírito, por sinal – foi produzida pelo Alex Farias. Que não ma cedeu para publicação. Pincei-a de seu perfil no Facebook, assumindo o risco de um processo por violação de direitos autorais. Abaixo da foto, o comunicado da Brasília Indy 300 à imprensa.

ALEX FARIAS

Cancelado está, conforme o

Comunicado

Cancelamento da prova Brasília Indy 300

A Band informa que a Terracap, Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal, que contratou a emissora para realizar a etapa brasileira da Fórmula Indy, cancelou unilateralmente a prova marcada para o dia 8 de março. O cancelamento da “Brasília Indy 300”, foi informado à direção da emissora na tarde desta quinta-feira (29). A Band, promotora do evento, informará nos próximos dias como será feita a devolução do valor pago pelos ingressos. A emissora lamenta essa atitude precipitada e vai seguir investindo na promoção do esporte e de grandes eventos.”

Renan rumo à Indy

CASCAVEL – Por e-mail, chega o comunicado de que o imberbe Renan Guerra, já do alto de seus 23 anos – há quem diga que sejam só 16 -, vai participar a partir de segunda-feira de um programa automobilístico nos Estados Unidos.

Renan será um dos pilotos da Juncos Racing nos testes com um carro da Star Mazda, tida como uma das categorias de formação para pilotos que almejam a Indy, no circuito misto de Indianápolis. O programa é o “Road do Indy”, que contempla jovens promessas de vários países e também leva à pista carros das categorias USF 2000 e Indy Lights.

Além dos treinos do programa, Renan cumprirá testes com a Juncos visando participação na temporada de 2013 da Star Mazda, sempre mantendo a meta de chegar à Indy dentro de poucos anos. Seu mentor no automobilismo norte-americano é Helio Castroneves.

Renan Guerra disputa atualmente o Campeonato Brasileiro de Gran Turismo, pilotando um dos Mercedes-Benz SLS AMG da BVA Racing Team em dupla com Vanuê Faria. Eles venceram a última corrida, mês passado em Guaporé, e ocupam o terceiro lugar na tabela de pontos.

Baltimore, essa pista problemática


GUAPORÉ – É, voltamos. Um dia voltaríamos, afinal.

O vídeo aí de cima, indicado pelo nanocausídico Paulo Tohmé, já deve ter sido visto por todo mundo. Treino da Indy em Baltimore, ontem, quase uma plataforma de lançamento de Dallaras.

Mas não é de hoje que a pista de Baltimore causa algum tipo de desconforto. (Desconforto é um eufemismo ótimo. Quando os comandantes de aviação resolvem se meter em meio a tempestades com teco-tecos e abalam as estruturas, os comissários de voo fazem menção a “ligeiro desconforto”. É como eles tratam aquele puta cagaço que a gente passa.) Ano passado, por exemplo, a American Le Mans Series enfrentou um perrengue diferente por lá. Falei do assunto aqui no blog naquele dia.

13 anos do "perde, sim!"

GUARULHOS – Aí que está todo mundo no Twitter comentando a mesma coisa, então vai um registrinho insignificante aqui: faz 13 anos, hoje, que o Tony Kanaan ganhou a primeira corrida dele na Indy, em Michigan. Eis a última volta daquelas 500 Milhas:


Para o público brasileiro, foi a corrida do clássico “não perde mais… Perde!, perde, sim!” com que o Téo José se viu às voltas na narração para o SBT, com o Max Papis, líder até então, ficando sem combustível nos últimos metros. Dá para conferir aqui aquela inesquecível narração do Téo.

A epopeia de Rubens

Aí que o Rubens Barrichello convocou uma entrevista coletiva para o fim da manhã de quinta-feira, em São Paulo. Não vou conseguir acompanhar, mesmo com as facilidades da nossa época, vou estar a caminho de Foz do Iguaçu pra de lá começar a minha jornada de corridas da nova temporada.

Todos sabem, é o que concluo, o que será anunciado na coletiva: seu acordo com a KV Racing Technology para disputar a temporada da Fórmula Indy, que começa daqui a quase quatro semanas na Flórida. Desde que foi surpreendido com a perda da vaga na Fórmula 1, há 43 dias, Rubens tratou de respirar fundo e aproveitar o que lhe surgisse à frente. A oportunidade de testes em Sebring e Sonoma com o novo carro da Indy foi costurada por seu amigo-de-fé-irmão-camarada Tony Kanaan, a história já foi contada, recontada e requentada um zilhão de vezes. Não sei se há mais testes agendados.

Rubens vai anunciar que corre o campeonato todo pela KV, é o que se sabe. Dá pra confiar? Apesar da certeza absoluta que qualquer cone de pista tem a respeito, tenho lá as minhas ressalvas. Beirando os 40, com a vida ganha, a família e a fama pra curtir, em que pese sua inegável paixão pelo automobilismo, não descarto que nosso ilustre corintiano tenha reservado uma surpresa para abrir – ou acabar com – o apetite de todos momentos antes do almoço de quinta. Caraminholas da minha cabeça, que fico alimentando por minha conta e risco com base em detalhes que só devem chamar a minha atenção e de mais ninguém.

Costumo ser sempre contra a corrente em vigor e, diante disso, arrisco meu pitaco pra não dividir o prêmio do bolão com mais ninguém: na coletiva de daqui a 50 horas, Rubens vai descrever a experiência que teve em seus testes com o carro do Tony, definindo-a como um dos momentos mais divertidos de sua carreira, frisar o clima bonachão da categoria, a receptividade de Jimmy Vasser e seus asseclas, falar das boas impressões que teve do carro, e que o mundo da Indy é bem diferente do da Fórmula 1, sem recitar méritos ou deméritos.

Mais, vai revelar que tinha, sim, um contrato em mãos pronto para ser assinado, reiterar que está à disposição da equipe para alguma eventualidade do futuro – tendência total à SP Indy 300, no fim de abril –, deixar no ar a possibilidade de correr as 500 Milhas de Indianápolis pela primeira vez e confirmar que não, não vai participar do campeonato. Foi bom enquanto durou, e tudo mais, mas fica pra próxima.

Às vezes acerto alguns palpites. Esse é um, sujeito aos teoremas do copo meio vazio e meio cheio. Anotem-no, pois.

Rubens, Tony, a Indy

O Rubens Barrichello postou a foto no Twitter (e depois “despostou”…), o Tony Kanaan também, metade do mundo que acompanha automobilismo retuitou e todos os blogueiros e saiteiros (!) reproduziram. Então, para variar um pouco, vou com a corrente em vigor.

A foto aí é de ontem, ou de anteontem, não importa, na sede da KV Racing Technology, equipe de Fórmula Indy onde já corre seu amigo-de-fé-irmão-camarada Tony Kanaan. Ele está no cockpit fazendo o molde para o banco do carro, já que vai testar um Indy na Flórida no começo da próxima semana. Aí todo mundo que não tem nada mais útil pra fazer da vida já está debatendo sobre o que esse teste representa ou deixa de representar, e de concreto mesmo sabe-se que é um teste e nada mais que um teste.

Claro que a coisa toda foi costurada pelo Tony, talvez como retribuição pela oportunidade que teve, seis anos atrás em Jerez de La Frontera, de testar um Fórmula 1 da Honda, que era a equipe de Rubens, foi o treino da foto aí de baixo, ação pela qual nutre especial gratidão ao parceiro. Tenho a impressão de que mais um conhecido meu participou da viabilização da experiência inédita do agora ex-piloto de F-1 na Indy, isso também não vem ao caso.

A propósito, escrevi algumas linhas sobre Rubens dias atrás, estão no computador lá de casa, e a notícia que vazou ontem, de seu teste na KV, torna-as um pouco mais inúteis do que seriam por natureza. Talvez eu as poste aqui quando lá chegar, à noite.

ATUALIZANDO EM 26 DE JANEIRO, ÀS 14h12:
Informa a Andrea “Deaindy” (alguém sabe o sobrenome dela?), também via Twitter, que a foto do Rubens é de duas semanas atrás. Em se tratando de Indy, se ela falou, eu não contesto.