F-3 x F-4. Sobra alguém?

FORMULA 3

A Fórmula 3 Brasil chegou ao fim de 2017 com meia dúzia de carros no grid, literalmente. É o patamar que pilotos e equipes esperam alcançar para que a temporada comece no Velopark. Será que dá?

CASCAVEL – Fiz uma postagem hoje na internet sobre o indicativo de cancelamento das corridas que abririam (ou abrirão) neste fim de semana no Velopark a temporada da Super Fórmula Brasil, novo formato da Fórmula 3. Algumas dezenas de comentários pingaram na postagem, uma ou outra fazendo menção à necessidade de providências por parte da Confederação Brasileira de Automobilismo – eu mesmo havia escrito que a situação é preocupante e que exige atenção especial do presidente Waldner “Dadai” Bernardo e de seu séquito.

Os comentários ali registrados vieram de gente bastante qualificada no meio das corridas, inclusive, mas que aparentemente não vão lançar à mesa uma solução milagrosa capaz de manter viva a Fórmula 3, ou a Super Fórmula Brasil. E, conforme eles mesmos observaram, os participantes da postagem, não é função da CBA promover campeonatos, muito embora seja ela o primeiro alvo das cobranças quanto algum gato sobe no telhado – e, em que pesem as trocas de e-mails e telefonemas que acontecem neste exato momento na tentativa de se manter o evento de sábado e domingo no Velopark, o gato da F-3 subiu telhado.

É o fim? Torcemos obviamente para que não, embora o processo de sobrevivência dependa de uma lista enorme de fatores, alguns deles óbvios, como entendimentos entre as equipes participantes e os promotores, ou das equipes participantes com elas próprias e também com os pilotos que aguardam, cada um com um pé atrás, o desfecho que essa novela vai ter.

Falei rapidamente com o Dadai ao fim da tarde, em meio à sua agenda doida que deve ser coisa normal para um presidente de CBA. A entidade deu, sim, especial atenção à F-3 brasileira em sua gestão. Não só isentando totalmente as taxas de realização do campeonato, mas também com o trabalho de corpo a corpo com promotores de eventos para que as etapas das duas últimas temporadas acontecessem. No último ano, por exemplo, a categoria integrou etapas do Porsche Cup, do Endurance Brasil e da própria Stock Car, com quem ainda pode dividir programação nos próximos dias em Nova Santa Rita.

Houve mais, eu preciso lembrar. O gaúcho Pedro Goulart disputou a última temporada da classe de acesso Academy totalmente custeado pela CBA, como prêmio pelo título brasileiro de kart que conquistou em 2016. Mesmo prêmio que seria (ou será) pago ao paulista Lucas Okada em 2018 pelo título de kart do ano passado. Um investimento planejado para mais que o dobro na temporada que estaria prestes a começar, aliás: o nipo-mineiro (criei essa definição agora) Ígor Fraga, por ser o atual campeão da Academy, passou o réveillon comemorando a temporada custeada pela CBA na classe principal em 2018. Um prêmio que deverá ser reconfigurado – repaginado, para usar um termo que usam bastante – se a Super Fórmula Brasil não vingar. Sem questionar o mérito dos pilotos que fazem por merecê-lo, esse prêmio me parece uma ação desproporcional diante do que a CBA oferece como fomento a pilotos e campeonatos. Impressão minha, apenas, que agora compartilho com vocês.

FORMULA 4

Os carros da antiga Fórmula Futuro, iniciativa de Felipe Massa no início da década, serviram até ano passado à Fórmula 4 sul-americana, campeonato que teve gerenciamento dos dirigentes uruguaios.

E, em meio às dúvidas quanto à sobrevida da F-3 sob seu novo nome, surge também a iminente retomada da Fórmula 4 no Brasil. Ora, é viável que se tente fomentar um novo campeonato se o atual vai tão mal das pernas? Considero, nessa minha questão, o fato da F-4 ser praticamente a mesma coisa que a F-Futuro que Felipe Massa empurrou com o peito por três anos no Brasil, de 2010 a 2012, até descontinuar o campeonato e transferir o espólio da categoria a dirigentes uruguaios, que fizeram o que lhes esteve ao alcance até o ano passado – e ficou nisso. São desafios distintos, e Dadai assume sem problemas que a CBA está envolvida, sim, nessas tratativas. Não deveria ser diferente, afinal. Tratativas que passam, também dentre uma lista imensa de fatores, pelos projetos de viabilização da verba para subsídio e pela definição de um promotor. Imaginei que isso, a escolha de um promotor, já tivesse acontecido, a julgar pelo que comentaram pessoas íntimas do automobilismo na postagem que citei lá no primeiro parágrafo, sugerindo que um anúncio a respeito está saindo do forno.

Não, nem perto disso, segundo o Dadai, e aí me ponho a pensar que o assunto Fórmula 4 pode na verdade estar desmembrado em dois. Um, o que meus colegas de internet sugeriram em seus comentários, talvez contemplando os carros que eram da F-Futuro do Massa e que serviram ao gerenciamento uruguaio da F-4, e outro, esse que a CBA tenta colaborar para que saia do papel, com carros fornecidos pela Tatuus ou pela Mygale, que são fábricas homologadas pela FIA, e que seria um campeonato com custos similares aos do kart, talvez até menores.

É um balaio-de-gato em que se faz conveniente a teoria do copo meio cheio ou meio vazio. No que tange à possibilidade do Brasil ter uma Fórmula 4 exercendo de fato o papel de categoria-escola para os garotos recém saídos do kart e que sonham com a Fórmula 1, o copo está meio cheio – são garotos que, nos últimos anos, têm direcionado suas carreiras a séries de turismo como a Sprint Race, a Stock Light ou o Brasileiro de Marcas. Diante da situação de penúria da ex-Fórmula 3, está meio vazio.

Qual seria a fórmula do sucesso?

FORMULA 3a

A Fórmula 3 enfrentou momentos bastante críticos no Brasil na última década. A torcida é para que a crise da vez não seja a última. Ainda acredito que poderemos ver os carros na pista no Velopark.

Anúncios

Cascavelense na pista

12213897_10207773400915240_858808728_o (1)

CASCAVEL – O André Pedralli está que não cabe na camiseta baby-look de tão faceiro. Aos 20 anos e oferecendo um currículo que não é de se jogar fora, ele consegue, enfim, a oportunidade de disputar uma corrida no autódromo de sua cidade, aqui o de Cascavel. Vai disputar amanhã e domingo a penúltima rodada dupla da Fórmula 4 Sudamericana.

“Nem sei o que dizer. Meu desejo, como de todo piloto, é de estar dentro de um carro de corrida em qualquer pista, mas sendo a de Cascavel, na minha cidade, no autódromo onde nunca corri, isso dá mais força ainda”, exultou o André, que ganha a vida como DJ e instrutor de kart. O carro da F-4 não lhe é novidade – já competiu com esses monopostos na época da Fórmula Futuro do Felipe Massa, em 2011. Em 2012, disputou seis corridas na Fórmula 3 e alcançou o pódio em todas elas.

André fez carreira no kart desde 2004, quando tinha 9 anos. Foi Campeão brasileiro, bicampeão sul-brasileiro, tetracampeão paranaense, campeão paulista de Shifter, pole do Brasileiro de Shifter Kart em 2012 e amealhou outros feitos mais. Agora, faz enfim sua primeira participação em casa em corridas de carros, empreitada para a qual conseguiu apoio de GuiBon Foods, J. Padovani e Posto Casagrande.

Com isso, serão cinco os pilotos cascavelenses em ação no fim de semana, lista que terá o André na F-4 e Diogo Pachenki, Jaidson Zini, David Muffato e Pedro Muffato na Fórmula Truck.

F4 Sudam: agora vai?

Imagem

CASCAVEL – Caberá a Mercedes, capital do departamento uruguaio de Soriano, cidade situada a 300 km da capital Montevidéu, a sede do primeiro evento da história do Sul-Americano de Fórmula 4. Ressuscitando os carros que Felipe Massa pôs na pista de 2010 a 2012 com a brasileira Fórmula Futuro. A categoria-escola não vingou por aqui e, é a torcida geral, pode vingar pelas mãos de uruguaios e argentinos – Gerardo “Tato” Salaverría, que já competiu na Fórmula 3, na Super TC e na TC2000, é o mandachuva do campeonato.

Campeonato que mantém o sistema de equipe única, tal qual era na F-Futuro, e que começa um tanto minguado, com apenas oito pilotos na pista. Três deles são brasileiros – todos paulistas, na verdade. Bruno Batista (carro número 25), de 16 anos, Felipe Ortiz (35) e Enzo Bortoleto (85), ambos com 15 anos. Os testes coletivos realizados em El Pinar, no Uruguai, tiveram Enzo (na foto lá do alto) e Felipe (o da foto ao fim do post), nesta ordem, como os mais rápidos entre todos os participantes. Renato Júnior, do Rio de Janeiro, também participou desses testes, até agora não tenho notícia de sua participação na rodada dupla em Mercedes.

O Uruguai também confirma três pilotos no evento do fim de semana em Mercedes – Francisco Cammarota Ortiz (9), Frederick Balbi (34), Federico Esslin (55). Pela Argentina, vão competir Mauro Marino (10) e Alessandro Salerno (99).

Os monopostos da Fórmula 4 são empurrados pelos motores Power Train 1.8 de 16 válvulas da Fiat, que desenvolvem 150 cavalos de potência. O câmbio sequencial Sadev de cinco marchas, o volante utilizado na GP3, que indicam dados do motor, de força G longitudinal e transversal, velocidade, posição do volante (essa não deveria ser óbvia?) e de acelerador e pressão dos freios Alcon completam o conjunto, que em primeiro momento apresenta-se como bem propício para a molecada que está saindo do kart. “O melhor de tudo é que podemos participar de um campeonato novo sem ter que mudar de país e abandonar a escola”, falou Batista, segundo relatou o Ricardo Montesano em material distribuído ontem à imprensa.

O Sul-Americano de Fórmula 4, que argentinos e uruguaios tratam como “F4 Sudam”, denominação corretíssima para as bandas de lá, é composto por dez rodadas duplas. Uma temporada custa algo em torno de R$ 80 mil dólares, pouco mais que 180 mil reais em dinheiros de hoje.

As duas primeiras rodadas duplas serão disputadas no Uruguai – essa de sábado e domingo agora em Mercedes e a de 3 e 4 de maio no autódromo de El Pinar. Depois serão quatro rodadas em pistas argentinas – Chaco, nos dias 21 e 22 de junho, Termas de Río Hondo, dias 2 e 3 de agosto, San Luis, em 23 e 24 de agosto, mais uma ainda não definida nos dias 13 e 14 de setembro, em programação conjunta com a Top Race, e por fim La Pampa, nos dias 27 e 28 de setembro. A primeira aparição no Brasil acontecerá em Curitiba, no dia 19 de outubro – o confronto de calendários deixa óbvio que será na mesma programação do evento que congrega Copa Petrobras de Marcas, Mercedes-Benz Challenge e Fórmula 3 Brasil. E penúltima etapa, dias 8 e 9 de novembro, será no Uruguai, com sede indefinida entre o recém reformado autódromo de Rivera e a pista de rua de Piriapolis. A etapa final, dias 13 e 14 de dezembro, levará a categoria de volta à Argentina, para mais um evento com sede ainda não definida e novamente em programação conjunta com a da Top Race.

A primeira rodada dupla terá a primeira corrida no sábado, com largada às 17h40 de Brasília, e a segunda no domingo, a partir das 11h20. Cada corrida terá duração de 22 voltas ou 30 minutos, o que for atingido primeiro, e mais uma volta. A programação de treinos terá duas sessões livres de 30 minutos, uma na sexta a partir das 14h50 e outra no sábado às 9h20. A tomada de tempos classificatória vai começar às 11h20, sempre considerando horários daqui.

Imagem