Cascavel na Copa Petrobras

,Tico 2

Marco “Tico” Romanini, que já competiu na Copa Petrobras de Marcas em 2013, com o pai Marco Antonio, que assume a coordenação esportiva da Paraguay Racing no campeonato

CASCAVEL – Fazia tempo que Cascavel não tinha uma equipe em uma categoria de ponta do automobilismo. Claro que não esqueci da Muffatão Racing, que está na Fórmula Truck há mais de uma década com o incansável Pedro Muffato, mas aqui me refiro a competições de automóveis. E, nesse caso, as últimas grandes expressões da cidade foram a equipe do Gilberto “Giba” Magalhães, que atendia Ingo Hoffmann e Ângelo Giombelli na Stock Car no início dos anos 90, e depois a própria Muffatão, à época sob coordenação do Oscar “Lagarto” Sorbara, defendida por Pedro na fase mais áurea da Fórmula 3 Sul-Americana.

Enfim, Cascavel está de volta ao mapa das grandes equipes nacionais. Isso por conta da entrada da Paraguay Racing na Copa Petrobras de Marcas. Com suporte técnico da Stumpf Preparações, uma das principais referências nacionais em termos de campeonatos regionais, a Paraguay Racing será uma das equipes da Toyota no grid da competição, que entra em sua sexta temporada – os outros dois Corolla do grid estarão a cargo do Eduardo Bassani e da Bassani-Toyota.

Serão três os pilotos da Paraguay Racing. Num dos Corolla, inscrito sob o número 74, estará Odair dos Santos, brasileiro radicado no Paraguai. No outro, com o número 88, Thiago Klein e Marco “Tico” Romanini formarão dupla nas oito etapas da competição, a primeira delas com suas corridas confirmadas para 9 e 10 de abril na pista gaúcha do Velopark.

PARAGUAY RACING 2

Odair dos Santos e Thiago Klein vão representar a Toyota na Copa Petrobras de Marcas de 2015 nos carros da Paraguay Racing, com suporte técnico da cascavelense Stumpf Preparações.

Romanini foi o primeiro piloto da equipe a ter contato com a Copa Petrobras de Marcas. Esteve no grid da penúltima etapa de 2013, em Cascavel, com um dos Ford Focus da Amir Nasr Racing. Marcou dois décimos lugares, em um dos casos largando dos boxes, depois de todo o pelotão. Santos disputou a etapa de Goiânia do ano passado pela RSports, com um Chevrolet Cruze, formando dupla com Alberto Cattucci. Foi décimo, igualmente, em sua bateria. Para Klein, campeão metropolitano em Cascavel na última temporada, a categoria que acompanha a Stock Car representa uma completa novidade.

A formação do grid da Copa Petrobras de Marcas para 2016 sugere um campeonato bem apertado. A Honda, que tem seus quatro carros sob a batuta de Juliano Moro com os dois ramos da equipe JLM, vai contar com Daniel Kaefer, também de Cascavel, Carlos SG Souza, de Londrina, e Vicente Orige, de Florianópolis. Atual campeão, o brasiliense Vitor Meira ainda não tem sua participação totalmente confirmada. Estará no Civic número 3, no fim das contas.

A Renault já definiu os quatro pilotos de seus Fluence. Os dois da C2 Team terão os paranaenses Gabriel Casagrande, de Pato Branco, e William Starostik, de Curitiba. Fábio Greco chega à categoria coordenando a Greco-Renault, inscrevendo como pilotos Fábio Carbone, de São Paulo, e Guilherme Salas, de Jundiaí. Pelos lados da Toyota, só a Paraguay Racing tem seus pilotos definidos. O anúncio dos nomes da Bassani era esperado para hoje, acabou não acontecendo. No começo da semana, talvez.

A Chevrolet tem definidos os pilotos de dois de seus Cruze, os da Onze Motorsport, que mantém o chefe de equipe Flávio “Nonô” Figueiredo, de São Paulo, no comando de um e traz Márcio Basso, de Ribeirão Preto, para pilotar o outro. A RSports também não anunciou seus pilotos. Eu diria, hoje, que um dos carros vá ser pilotado pelo chefe de equipe Leandro Romera, que até já ganhou corrida na categoria. A Ford, por fim, mantém César Bonilha, de Londrina, e Marcelo Tripa, de Goiânia, nos Focus da Friato Racing Team. O anúncio da equipe que assumirá os outros dois Focus deve sair logo após a Páscoa e um dos pilotos, ao que tudo indica, é carioca.

Corrida 1 da Copa Petrobras de Marcas em Curitiba - Duda Bairros/Vicar

Chevrolet Cruze, Ford Focus, Honda Civic, Renault Fluence e Toyota Corolla, com quatro unidades, cada, são os carros que formam o grid da Copa Petrobras de Marcas.

Kaefer de Honda Civic

DK PODIOCASCAVEL – Foi uma definição de dezembro, anunciada via redes sociais no último fim de semana. Daniel Kaefer, em sua terceira temporada na Copa Petrobras de Marcas, vai experimentar a terceira marca de sua carreira na competição. Aos 25 anos, o cascavelense será piloto de um dos Honda Civic da JLM Racing.

Daniel só presenciou títulos da JLM desde que desembarcou na Copa Petrobras. Em 2014, enquanto estreava com o Chevrolet Cruze da J. Star Racing, acompanhou o terceiro título consecutivo de Ricardo Maurício. No ano passado, quando liderou corridas pela primeira vez e amealhou quatro pódios a bordo de um dos Toyota Corolla da RZ Motorsport, viu o título e Vitor Meira, que será seu companheiro de equipe na temporada que vai começar nos dias 5 e 6 de março em Curitiba e terá oito rodadas duplas.

O carro já tem layout definido e mantém o número 17 que Daniel utilizou em maior parte de sua carreira nas pistas. Ele foi categórico em afirmar dois dias atrás, em meio a animada confraternização da galera do automobilismo de Cascavel: 2016 vai ser o ano da primeira vitória na categoria. “Pelo menos a primeira, depois penso nas outras”, falou.

 

Basso estreia na Copa Petrobras

CASCAVEL – O novo ano ainda não chegou, mas sua movimentação automobilística já transcorre a pleno. Na Copa Petrobras de Marcas, por exemplo, já há equipes definindo ou redefinindo times de pilotos para a temporada que vai começar em Curiiba nos dias 5 e 6 de março.

É o caso da Onze Motorsport, que estreou em 2015 e conquistou quatro vitórias. Quem vai estrear na categoria com um dos GM Cruze do time paulista é Márcio Basso.

FB_IMG_1451234493266Representante da cidade de Ribeirão Preto, no interior paulista, Basso terá em 2016 sua segunda temporada completa no automobilismo, conciliando a temporada de estreia na Copa Petrobras de Marcas com mais um ano no Porsche GT3 Cup Brasil. Algumas corridas de longa duração nos Estados Unidos também estão nos planos.

Nonô tem acompanhado Márcio em todos os passos de sua carreira. Nas provas de longa duração, inclusive, os dois competem como dupla. A parceria será mantida no próximo ano. “Minha meta para 2016 vai ser baixar meio segundo”, estipula Márcio, sobre seus tempos de volta. “Em 2015, por exemplo, terminei o campeonato do Porsche GT3 Cup a um segundo dos pilotos mais rápidos da categoria”, lembra.

Há mais equipes da Copa Petrobras de Marcas com suas duplas de pilotos definidas. Vai ser parte do nosso assunto nas próximas semanas, inclusive, esse vaivém de pilotos nas categorias nacionais de automobilismo.

(ATUALIZANDO EM 28 DEZEMBRO, ÀS 15h16):

Chegou a notícia do acordo de Márcio Basso com a Onze Motorsport e deduzi, por conta própria, que ele ocuparia a vaga de Guilherme Salas. Deduzi besteira, claro. Esse é um panorama que não está definido e a probabilidade maior é de Basso e Salas serem companheiros de equipe, com Nonô Figueiredo atendo-se à direção técnica da equipe. São definições aguardadas para janeiro. De modo ou outro, eliminei do texto original a parte que cravava a permanência de Nonô como piloto titular do time. Uma aposta mais coerente seria Basso num carro, Salas no outro e Figueiredo acompanhando os dois dos boxes, pelo rádio.

Paraguaio voador

PARAGUAY RACING

CASCAVEL – Praticamente todas as categorias de automobilismo que eu conheço já tiveram seu “japonês voador”. As de motociclismo, também. Takuma Sato, Allam Khodair, Rafa Suzuki, Eduardo Saçaki e tantos outros. Imagino que essa onda do “japonês voador” no esporte seja algo derivado do título de “holandês voador” que o Luciano do Valle deu ao Arie Luyendik nos anos 80, ou 90, tempos pioneiros do alcance da Fórmula Indy no Brasil.

Bem, nessa carona já apareceram pilotos de várias nacionalidades voadores para efeitos de mídia. E o Odair dos Santos, que tem só cinco meses de vida no automobilismo, já está na fila para se tornar o paraguaio voador. Quando tomou gosto pela coisa, fundou a Paraguay Racing, com suporte técnico da nossa Stumpf Preparações (digo “nossa” porque é cá de Cascavel). Arrebanhou o Thiago Klein, que apesar de ainda jovem é um piloto já bom boa quilometragem, e os dois passaram a disputar os campeonatos de Marcas & Pilotos de Cascavel e do Centro-Oeste brasileiro. Odair, enquanto isso, inscreveu-se também no atrativo Mitsubishi Lancer Cup – como mostra, lá ao fim do post, a bela foto produzida pelo Ricardo Leizer.

Pois que, neste fim de semana, o Odair vai ter mais uma experiência em sua ainda curta carreira nas pistas. Fará sua estreia na Copa Petrobras de Marcas, disputando a etapa de Goiânia em dupla com o Alberto Cattucci. Por ora, a Paraguay Racing não entra em campo: Odair e Alberto vão revezar, nas corridas de sábado e domingo, o Chevrolet Cruze da KFF Pro Racing, que tem suporte técnico da equipe do Leandro Romera.

A parceria está selada, em princípio, apenas para a etapa de Goiânia. Imagino que vá ser estendida. Pelo pouco que conheço meu eleitorado, vou além nas minhas suposições: que ninguém se surpreenda se a Paraguay Racing aportar de vez na Copa Petrobras em 2016.

O Odair – que é gaúcho de nascimento e está estabelecido há vários anos do outro lado da Ponte – parece mesmo disposto a se tornar o paraguaio voador.

MITSUBISHI LANCER CUP

Há três anos

Camilo 01

CASCAVEL – O Facebook, na falta de coisa melhor a fazer, passou nos últimos tempos a resgatar momentos de eras passadas pela data. Meu perfil lá não faz isso, suponho que tenha de habilitar algo que ainda não procurei, sou sempre o último a surfar nessas ondas virtuais.

Fato é que essa ferramenta de resgatar postagens de anos passados me fez ver, hoje, uma foto que o Duda Bairros, fotógrafo da Vicar, postou em 5 de agosto de 2012. Foi o Carsten Horst quem fotografou o gaúcho fotografando, de um helicóptero em voo, a etapa de Jacarepaguá da Copa Petrobras de Marcas. Era o segundo ano da categoria, que eu acompanhava bem pouco. Foi minha estreia na Copa Petrobras e no time da Vicar.

Naquele ano as etapas da Copa Petrobras eram transmitidas ao vivo pela Rede TV!. Celso Miranda, narrador de então, estava fora de combate por uma causa nobre: estava em Londres na cola dos Jogos Olímpicos. A Vanda Camacho era a diretora do evento e, imagino que sob indicação do Jorjão Guirado, me telefonou cinco dias antes da etapa consultando minha disponibilidade para substituir o Celso em Jacarepaguá.

Oportunidade das mais interessantes, eu diria que irrecusável, mas pedi à Vanda algumas horas de prazo para dar uma resposta. Nossa agência jornalística, em 2012, era responsável pela assessoria de imprensa da Fórmula Truck e a etapa do Marcas o Rio coincidiria com a prova da Truck em Cascavel. Tirar o time de campo na Truck exatamente na etapa da minha cidade traria algumas implicações complicadas, e o primeiro passo seria convencer o Clóvis Grelak, meu sócio, de que não poderia estar por aqui.

Passei o dia rondando a sala do Clóvis. Naquela terça estendemos o expediente até o início da noite. Convidei-o, por volta das sete, a um café no shopping ao lado – um ritual que cumpríamos esporadicamente. Com o café já desativado, demos a volta no quarteirão à caça de um boteco. Paramos no restaurante Tom’s e, em vez do café combinado, tomamos uma cerveja. Entrei no assunto de uma vez, já prevendo uma reação de repulsa à ideia, e caí do cavalo: Clóvis mandou que eu fosse tratar da vida no Rio que a agência daria conta do recado por aqui sem mim. Como deu, e não seria diferente.

Retornei a ligação da Vanda de imediato. Já tínhamos definida a questão de números e eu iria, enfim, integrar o staff da Vicar, ainda que por uma única corrida. O chefão Carlos Col seria, foi, o comentarista convidado da transmissão. Lembro que na quarta-feira comentei a questão com o Thiago Camilo, que corria na Copa Petrobras – as corridas não dividiam programação com a Stock Car – e estava na disputa pelo título. “Preciso me dar bem no Rio”, ele me falou. Respondi, com ar quase mediúnico, que ele não ia se dar bem na primeira corrida, mas que venceria a segunda.

Chegou o domingo, 5 de agosto. Enquanto a Truck literalmente pegava fogo em Cascavel (os caminhões de Adalberto Jardim e João Maistro tiveram princípios de incêndio na corrida), eu fazia no Rio minha primeira transmissão da Copa Petrobras de Marcas. Denis Navarro, com o Toyota Corolla do time do Eduardo Bassani, ganhou a primeira corrida. Thiago Camilo, que abandonou a primeira, largou em 15º na segunda com o Chevrolet Astra da equipe do Carlos Alves e venceu, com pista molhada. “Que boca você tem, meu!”, ele me disse, depois da corrida. “Lembrei da sua previsão assim que recebi a bandeirada”. Fiz aquela cara de quem finge saber o que estava falando e disse que ele me devia uma pizza a mais pelo palpite certeiro – já havia perdido uma ou duas em apostas de futebol. Ele sorriu, me deu um tapa no ombro e concordou.

Thiago saiu da categoria, eu entrei em definitivo um ano depois. Ele jamais me convidou para pizza alguma. Mas tem crédito na casa e mais três anos de prazo para isso.

Camilo 02

O grid da Copa Petrobras

23 MARCAS LARGADA

CASCAVEL – Menos de duas semanas faltando para a primeira rodada dupla da Copa Petrobras de Marcas, que abre sua quinta temporada em Goiânia nos dias 21 e 22 de março. Dos 20 carros que vão formar o grid da categoria, 14 já têm a definição de seus pilotos.

MARCAS FULL TIME

A Renault, que estreia em 2015 na categoria com seu modelo Fluence, foi a primeira marca a ter seus quatro pilotos definidos. A Full Time Racing estende ao Brasileiro de Marcas a parceria que mantém na Stock Car com Rubens Barrichello. Seu companheiro de equipe será Du Rocha, que continua no time coordenado por Maurício Ferreira – a foto aí acima mostra o Du, o Maurício e o Rubinho no dia em que tudo foi definido. A outra equipe da Renault é a C2 Team, que contará com Gabriel Casagrande e Beto Cavaleiro na pilotagem de seus carros. Exceção feita ao Gabriel, paranaense de Pato Branco

Os quatro Honda Civic do grid estarão a cargo da bicampeã JLM Racing, chefiada pelo Juliano Moro – para efeito de campeonatos, já que existe a disputa entre equipes, o gaúcho vai acomodar seus pilotos em dois grupos diferentes, isso vai ser definido nos próximos dias. Três das quatro vagas já estão definidas. O atual vice-campeão Vicente Orige, de Florianópolis, continua no time, que acolhe outro catarinense, Felipe Tozzo, de Chapecó. Vitor Meira, de Brasília, será anunciado hoje como substituto do tricampeão Ricardo Maurício. Vitor tem uma ligação forte com os japoneses da Honda, com quem trabalhou por nove anos na Fórmula Indy – época do festejadíssimo pódio na primeira edição da São Paulo Indy 300, em 2010, mostrado logo abaixo. Ainda há uma quarta vaga para definição, o que deve ocorrer provavelmente nesta semana (já ocorreu, também tem essa info na atualização lá ao fim do post).

O australiano Will Power vence a São Paulo Indy 300

Também falta a definição de um nome na lista dos que vão defender a Toyota. Um dos Corolla da Bassani Racing será pilotado por Alceu Feldmann, catarinense de Rio do Sul que há anos vive em Curitiba – inscreve-se desde sempre como piloto paranaense, inclusive. O Eduardo Bassani tem na manga uns dois ou três nomes para fechar sua dupla. Na RZ Motorsport, Ricardo Zonta definiu seu time ainda em 2014, com os paranaenses Daniel Kaefer e Thiago Marques, um de Cascavel e outro de Curitiba – os dois da foto que segue, que já competiram em dupla no ano passado pela J. Star Racing.

DK TM

A J. Star, equipe de Murillo Macedo que vai focar o Brasileiro de Turismo e o Mercedes-Benz Challenge em 2015, foi substituída pela Ebrahim Motors, que assume dois dos Chevrolet Cruze do grid em parceria com a AGB Preparações. É muito provável que Fábio Ebrahim, que liderou a iniciativa, vá pilotar um dos dois – ele fez participações esporádicas na última temporada com o Focus da Amir Nasr Racing e com o Lancer GT de sua própria equipe. O segundo carro, isso é praticamente certo, vai proporcionar uma estreia na categoria – faltam detalhes burocráticos para que se possa falar em nomes (essa história terminou de um jeito diferente; veja atualização no fim do post). A outra equipe da Chevrolet, confesso que não sei seu nome, será comandada por Flávio “Nonô” Figueiredo (foto), que encerrou sua trajetória na Stock Car, vai pilotar um dos dois carros e, segundo me contou na sexta-feira durante a primeira etapa do Porsche GT3 Cup, onde atua como piloto consultor, deve terminar nesta semana de montar o quebra-cabeças da equipe para definir quem é o segundo piloto (já definiu; também está em atualização ao fim do post).

MARCAS NONO FIGUEIREDO

Pela Ford, os dois Focus da Júpiter Racing Team/Cesinha Competições serão pilotados por César Bonilha e Ronaldo Kastropil, que estreia na Copa Petrobras depois de algumas temporadas de atuação na Fórmula Truck. A equipe do Bonilha, coordenada nas ações técnicas de pista pelo Tarso Marques Lima, está divulgando hoje a definição de sua dupla. A Amir Nasr Racing, outra equipe que representa a marca, vai anunciar seus dois pilotos nos próximos dias – os acordos estão em fase final de negociação.

MARCAS JUPITER(ATUALIZANDO EM 16 DE MARÇO, ÀS 13h16)

Ao contrário do que especulei, Fábio Ebrahim não será o piloto de um dos carros da Ebrahim Motors/AGB Preparações. Um dos Chevrolet Cruze da equipe será pilotado por William Freire, o cidadão da foto aí abaixo, que foi um dos destaques dos áureos tempos do Itaipava GT Brasil – no último ano da categoria, como Sudamericano de GT em 2013, foi campeão da categoria GT4. William hoje atua também como instrutor na escola de pilotagem do Beto Manzini. O outro carro do time, inscrito sob o número 97, terá o gaúcho Roger Sandoval como piloto durante toda a temporada. Em quatro das oito etapas, essa primeira em Goiânia inclusive, Sandoval competirá em dupla com o conterrâneo Luiz Sérgio Sena Júnior. Como está confirmado na temporada completa do Mercedes-Benz Challenge, Seninha não poderá participar de todas as corridas da Copa Petrobras. A Ebrahim Motors/AGB Preparações, para fechar seu pacote visando o campeonato de 2015, celebrou parceria com a KFF Pro Racing, equipe de pilotos liderada por Maurício Lund – que também vai disputar o Mercedes-Benz Challenge.

MARCAS WILLIAM FREIRE

(ATUALIZANDO DE NOVO EM 13 DE MARÇO, ÀS 13H35)

Outro que teve participação confirmada no Brasileiro de Marcas de 2015 é Guilherme Salas. Paulista de Jundiaí, o atual campeão brasileiro de Turismo será o companheiro de equipe de Nonô Figueiredo na Onze Motorsports. O carro de Salas não terá o número 17 que usou em 2014 na categoria de acesso à Stock Car, já que esse é de Daniel Kaefer – logo, vai com o 12. Ainda não sei seu novo número. Figueiredo mantém-se fiel ao 11 que usou em maior parte de sua carreira.

logo ONZE MOTORSPORTS(E ATUALIZANDO DE NOVO EM 16 DE MARÇO, ÀS 15h17)

Última atualização do dia, até porque não consigo nem ver o vidro da minha mesa, tantos são os papéis com seus problemas à espera de solução. A esquadra da Honda no Brasileiro de Marcas também já está definida. Na JLM Racing estarão Vitor Meira e Vicente Orige, já anunciados no texto original. A JLM Sports terá Felipe Tozzo e, fechando o time, o gaúcho Gustavo Martins.

Assim, resta sabermos quem serão os pilotos de três dos 20 carros do grid. O Eduardo Bassani prometeu para amanhã cedo o anúncio de seu outro piloto. Na Amir Nasr Racing, mistério total, mas há medalhões na parada. Felipe Nasr não é um deles.

(ATUALIZANDO, 17 DE MARÇO, MEIO-DIA EM PONTO!)

Definido, também, o outro piloto da Toyota-Bassani. É o Rodrigo Baptista. Quarto representante da família nas pistas de automobilismo, o paulista de 18 anos fará sua estreia na categoria pilotando o Corolla número 9. Para fecharmos o grid, agora, faltam apenas os dois pilotos da Amir Nasr Racing. Com um pouco de sorte, trago esses dois nomes ainda hoje.

Os horários de Goiânia

23 MARCAS LARGADA

CASCAVEL – Quando a Vicar anunciou ainda em 2014 que concentraria todas as suas categorias em um evento único houve quem chamasse o Maurício Slaviero de maluco. “Não cabe tudo isso na programação”, ouvi.

Bem, no que diz respeito a cronograma, ao menos, podemos afirmar que cabe, sim. Saiu agora há pouco a programação para as etapas de abertura de temporada de Stock Car, Mercedes-Benz Challenge, Brasileiro de Turismo e Brasileiro de Marcas, nos dias 21 e 22 do mês que vem em Goiânia.

A Stock Car vai ter programação diferente da que esperamos para as etapas seguinte, porque em vez de rodada dupla teremos a segunda edição da corrida de duplas dos pilotos.

Aos horários*, sem delongas – entre parênteses, a indicação em minutos da duração de cada atividade:

Quinta-feira, 19 de março

14h – Stock Car: shakedown (10)

14h20 – Stock Car: treino livre para o primeiro grupo, só para convidados (60)

15h40 – Stock Car: treino livre para o segundo grupo, só para convidados (60)

Sexta-feira, 20 de março

8h10 – Brasileiro de Marcas: shakedown (10)

8h30 – Brasileiro de Marcas: treino livre para o primeiro grupo (35)

9h10 – Brasileiro de Marcas: treino livre para o segundo grupo (35)

10h00 – Brasileiro de Turismo: treino livre (45)

11h10 – Brasileiro de Marcas: treino livre para o primeiro grupo (35)

11h50 – Brasileiro de Marcas: treino livre para o primeiro grupo de (35)

12h40 – Brasileiro de Turismo: treino livre (45)

13h50 – Brasileiro de Marcas: treino classificatório (10)

14h20 – Stock Car: treino livre para o primeiro grupo, só para convidados (50)

15h15 – Stock Car: treino livre para o segundo grupo, só para convidados (50)

16h30 – Stock Car: treino livre para o primeiro grupo, titulares ou convidados (40)

17h15 – Stock Car: treino livre para o segundo grupo, titulares ou convidados (40)

Sábado, 21 de março

8h00 – Stock Car: treino livre para o primeiro grupo, titulares ou convidados (40)

8h50 – Stock Car: treino livre para o segundo grupo, titulares ou convidados (40)

9h45 – Mercedes-Benz Challenge: treino livre, as duas categorias (60)

11h00 – Brasileiro de Turismo: treino livre (20)

12h00 – Stock Car: treino classificatório (60)

13h10 – Brasileiro de Turismo: treino classificatório (20)

13h40 – Mercedes-Benz Challenge: treino livre, as duas categorias (60)

15h15 – Brasileiro de Marcas: largada da primeira etapa (25, mais uma volta)

16h25 – Brasileiro de Turismo: largada da primeira etapa (30, mais uma volta)

17h10 – Mercedes-Benz Challenge: treino classificatório CLA 45 AMG Cup (20)

17h40 – Mercedes-Benz Challenge: treino classificatório C250 Cup (20)

Domingo, 22 de março

8h40 – Brasileiro de Turismo: largada da segunda etapa (30, mais uma volta)

10h30 – Stock Car: largada da primeira etapa (50, mais uma volta)

12h35 – Mercedes-Benz Challenge: largada da primeira etapa (45, mais uma volta)

14h15 – Brasileiro de Marcas: largada da segunda etapa (25, mais uma volta)

235710_441936_15195230078_a41490765e_h* (ATUALIZANDO EM 13 DE MARÇO, ÀS 16h12)

A programação para o sábado, dia 21, acaba de passar por breves ajustes. Já fiz as alterações decorrentes no post original. Continua sendo o que está aqui, portanto.