Um amigo, um título

SANTA CRUZ DO SUL – Sei lá há quanto tempo o Marçal Melo corre de carro. Conheci-o há uns três ou quatro anos, quando migrou do Trofeo Maserati para o Itaipava GT4, e de cara passou de sujeito do ambiente de trabalho à lista de amigos. Um grande sujeito, podem apostar.

Fazer amigos num ambiente cheio de vaidades e melindres como o automobilismo é raro. Há quem diga que não é eticamente aconselhável para quem o tem, no caso o automobilismo, como ferramenta de trabalho. Há quem diga de tudo, inclusive, não se deve dar ouvido a tudo.

Foi por ter no Marçal um bom amigo que fiquei realmente feliz, talvez não tanto quanto ele próprio, quando recebi dele um telefonema no fim de semana passado, sexta-feira. Estava radiante, uma revisão de resultado anunciada já tarde da noite em Interlagos confirmava-o como campeão brasileiro do Audi DTCC. “Sou campeão brasileiro, porra!”, foi o que me anunciou, em polido português.

Embora estivesse em Interlagos, não acompanhei praticamente nada das corridas decisivas da categoria. Aconteceram na sexta-feira, programação preliminar do Mundial de Endurance, a estrutura da categoria estava alojada no kartódromo, bem longe de tudo, eu tinha minha agenda a tocar no Porsche GT3 Brasil. Não é sempre que se pode acompanhar atentamente o que os amigos fazem.

Marçal Melo e seu parceiro João Gonçalves – parceiro, e não apenas companheiro de equipe – são os primeiros campeões brasileiros de automobilismo de 2012, o que é legal. São caras que merecem. Minha reação imediata ao que o telefonema anunciava foi a de escrever algumas linhas congratulando o Marçal pelo título, mas já era tarde da noite, pelo menos sob o ponto de vista de um fim de semana de autódromo, que é algo capaz de arrebentar qualquer um. Comecei a escrever, até, ficou para o dia seguinte, ficou para outro dia. Não é sempre que se consegue dar a devida atenção, ou uma demonstração simplória de merecido reconhecimento, às conquistas dos amigos. Vida louca, vida breve, alertava o Cazuza, coberto de razão.

Que comemorem bastante, o Marçal, a Simone, as meninas. Não é todo dia, afinal, que se conquista um título brasileiro em qualquer que seja o esporte.

O título rendeu ao Marçal uma homenagem do Arerê Novaes, cartunista piracicabano que soltou na rede a bela peça aí abaixo.

Anúncios

A volta do Paulão

ALTA GRACIA – Entre o instante em que fechei as malas para vir à Argentina e o que desperto de uma soneca sadia para dar uma olhada no que pingou na internet, a coisa passou da discrição ao tratamento público.

Paulo Gomes, quatro vezes campeão da Stock Car e hoje um dos cartolas da CBA, vai voltar a pilotar. Ele participa da etapa do Audi DTCC que vai acompanhar as Seis Horas de Interlagos, na semana que vem.

Uma mensagem enviada pelo Paulão ao viscôndico Fábio Vianna via Facebook, que reproduzo fielmente aí abaixo, deixou claro o fim da história a qual vínhamos reservando algum suspense:

Ola amigos, falei com nosso Presidente da CBA sobre o convite que tive para participar com vcs da etapa da DTCC agora dia 15 em Interlagos, sabem qual foi a resposta dele? Vai fundo Paulao, um Diretor da CBA podendo prestigiar uma categoria como esse da AUDI e muito importante pra nossa entidade, demostra nosso total compromisso com nosso esporte!

Que seja bem-vindo de volta, o Paulão. Será que ainda dá conta do recado?

João na tela


CASCAVEL – O João Gonçalves, que é videomaker e instrutor de pilotagem nas horas vagas, postou hoje cedo em seu perfil no Twitter um vídeo com momentos de suas participações nas etapas de Brasília e de Tarumã do Audi DTCC 2012. Foi segundo colocado na capital federal e sexto na pista gaúcha, onde seu parceiro Marçal Melo largou da pole na bateria seguinte, terminou a prova em segundo e garantiu à dupla a liderança do campeonato.

A próxima rodada dupla do Audi DTCC, dia 21 de julho, está agendada para Interlagos.

Um pouquinho da DTCC

PORTO ALEGRE – Um sábado de corridas bem divertidas, para quem correu e para quem viu, esse da terceira etapa do Audi DTCC no autódromo de Tarumã. Teria escrito algumas linhas a respeito ontem à noite, mas desci para o jantar no restaurante do hotel e, quando voltei, apaguei antes mesmo do “Supercine”. Às vezes o sono bate pesado, contra o sono não há argumentos. Acordei agora, antes do sol, e o sono também foi embora, são coisas que nunca entendo direito.

A primeira corrida do dia, vencida pelo Willians Farias, foi uma das mais interessantes a que assisti nos últimos tempos em qualquer categoria nacional. De verdade. Poderia ter aplicado várias vezes uma brincadeira que costumo fazer durante a narração das corridas, de que os carros, se armazenados para transporte do modo como estão na pista, cabem todos dentro de um ônibus. Andou todo mundo muito próximo, mesmo.

O Farias ganhou depois de conseguiu um refresco, bem pequeno, na segunda metade da corrida. Atrás dele, um trenzinho que trouxe Alexis Pilau, Felipe Gama, Elias Júnior, Pedro Queirolo e João Gonçalves, que assim, nessa ordem, fecharam as seis primeiras colocações – eram 14 os carros na pista. Havia um outro trenzinho, do décimo ao 13º, que trazia, depois das 21 voltas, Wagner Amorim, Rennan Reis, Alline Cipriani e Fábio Viana. Gostei da atuação do Rennan, segunda participação no automobilismo, mostrou boa postura na pista. Os resultados do rapaz virão, se ele tiver sobrevivido à festa de casamento, ou de aniversário, não lembro, da qual participaria agora à noite em São Paulo.

Com a inversão das seis primeiras posições a partir de um resultado para a formação do próximo grid dentro de uma rodada dupla, foi o Marçal Melo, parceiro do João Gonçalves, quem largou da pole na corrida final. Queirolo, largando em segundo, tomou-lhe a ponta já na largada e liderou até o fim para comemorar a primeira vitória dele na categoria. Melo, Pilau, Sérgio Alves – parceiro de Elias Jr. e Ricardo Landi apareceram na foto do pódio. Como Alves foi punido depois por um toque em Gama na primeira volta, Landi subiu para quarto no resultado da prova e o Caíto Vianna, que corre em dupla com o Daniel Daroz, herdou a quinta posição.

O Audi DTCC sai de Tarumã com uma classificação de campeonato bem interessante. Marçal e Joãozinho lideram com 81 pontos, só um a mais que o Elias e o Sérgio. Willians e seu parceiro Adolfo Rossi, em terceiro, têm 79 e o Pedro, com a primeira vitória, foi a 75. Uma vitória aqui, a título de referência, vale 20 pontos.

Foi bom ter vindo aqui não só pelas boas corridas que o sábado proporcionou, mas também por ver que o autódromo de Tarumã, onde eu não pisava já havia quase cinco anos, está passando por uma reforma, vai ganhar boa estrutura de boxes a partir da próxima semana, foi o que me disseram os gaúchos que orbitam o automobilismo. É, como era Cascavel, uma excelente pista de corridas, à qual só faltava um autódromo em volta.

As fotos que aparecem aqui são do Geovane Rediss, do site Action Photos, eu as pirateei via Facebook. Lá acima vemos o Willians Farias liderando a primeira corrida. Aí a baixo, à esquerda, Marçal Melo à frente do Alexis Pilau, que passaram a toda a segunda corrida separados por no máximo alguns palmos; à direita, o Pedro Queirolo, que extravasou com a primeira vitória.

A carteira do João

PORTO ALEGRE – O Joãozinho Gonçalves, que é comandante-capitão-tio-brother-camarada, está aqui no Rio Grande amado para disputar, daqui a pouco, as corridas do Audi DTCC no autódromo de Tarumã. É legal voltar a Tarumã, fazia quase cinco anos que eu não pisava no autódromo.

Depois das corridas, João terá de voltar voando (outro trocadilho besta; minha fase não é das melhores) a São Paulo, onde tem um compromisso no domingo. Ocorre que ele e o Marçal Melo, com quem forma dupla no Audi DTCC, também vão formar dupla, semana que vem, na segunda etapa do Brasileiro de Gran Turismo, em Curitiba. Para poder correr com o Ginetta G50, o João terá de se submeter a um exame de pilotagem no domingo, em Interlagos. Exigência da CBA, ele explicou.

Nada demais, a Confederação Brasileira de Automobilismo não pode e nem deve, de fato, liberar qualquer um para pilotar carros de corridas. Esse negócio machuca, às vezes mata, todos sabem. Mas confesso que a exigência me causa estranheza por alguns motivos, a saber. Primeiro, João participou do mesmo campeonato, o de Gran Turismo, em 2011, à época tratado como Itaipava GT Brasil, pela mesma categoria, a GT4, e com um modelo exatamente igual, um Ginetta G50. Conquistou duas pole-positions, em Interlagos e em Jacarepaguá. Seu parceiro era o Caê Coelho. A dupla esteve no pódio quatro vezes e terminou o campeonato em nono lugar.

Seria, à minha leiga compreensão, uma credencial mais que suficiente para poder correr em Curitiba sem despender o dia de amanhã ao tal teste. Mas tem mais. João, há pouco mais de dois anos, integra o time de instrutores da escola de pilotagem do Beto Manzini. Sim, senhores, o moço é professor de pilotagem, o que torna o vestibular de amanhã algo um tanto contrassensual. Para não extrapolar a cota de trocadilhos toscos da semana, poupo-os da história de ensinar o padre a rezar missas.

Isso tudo sem contar o vasto e vitorioso currículo que esse moço chamado João Henrique Gonçalves construiu nas pistas de kart. Que está devidamente esmiuçado no vídeo aí abaixo, que ele próprio, bastante caprichoso, produziu.

Mais um teaser


PORTO ALEGRE – Já ando tendo que tomar cuidado para não transformar isso aqui num blog da Moderfast, já que falei muito dos moderfásticos nesta semana, mas a ocasião avaliza.

Cheguei há pouco a Porto Alegre, para a locução das corridas de amanhã do Audi DTCC, terceira etapa. E, mesmo sem ter desvendado o mistério da humanidade que cerca a existência de um teaser, reproduzo aqui mais um teaser da Moderfast, produzido em Interlagos e ambientado na categoria da Audi. Dias atrás publiquei outro, esse aqui, produzido no ambiente do kart.

Será que posso aportuguesar e passar a escrever “tíser”?

Tarumã no calendário

CASCAVEL – Não chega a ser lá a maior novidade da temporada, mas a organização do Audi DTCC transferiu para o Autódromo Internacional de Tarumã as provas da terceira etapa da temporada, no dia 19 de maio.

A etapa de Interlagos teve vitórias de Elias Júnior e Marçal Melo. Na de Brasília, ganharam Elias Júnior – líder do campeonato – e Felipe Gama.

Estarei em Tarumã, narrando as duas corridas para a Rede TV!. Não narro nada em Tarumã desde, acho, a locução de arena na segunda etapa da Pick-up Racing de 2004, que o João Campos ganhou 0s196 à frente do Marcel Wolfart. Estive lá pela última vez em 2007, numa etapa da Stock Car marcada pela falta de energia elétrica da sexta-feira.

Vai ser bom voltar a Viamão. Uma visitinha ao Barranco não está descartada, se a agenda permitir.