Há vagas!

CASCAVEL – Pelo envolvimento que tenho com a organização da Cascavel de Ouro, recebo a todo momento sondagem de um ou de outro sobre eventuais vagas disponíveis para participação na corrida. Bati um papo rápido com algumas equipes e listei alguns carros que estão à espera de pilotos para integrar o grid de 18 de novembro no Autódromo Zilmar Beux, cá em Cascavel. Aquilo que todo mundo já sabe: três horas de corrida para dupla ou trios de pilotos, transmissão ao vivo do BandSports, premiação de R$ 150 mil para os pilotos, regulamento só para carros da categoria Marcas 1.6, configurados pelo regulamento do Campeonato Paranaense.

Bem, coloco aqui alguns dos carros que rastreei, e que podem interessar. Os contatos dos preparadores responsáveis estão indicados também. Negociem e regateiem à vontade. Se souber de mais opções, acrescento-as ao post.

OURO CELTA

Carro vice-campeão da Cascavel de Ouro em 2014 e 2015 com o piloto Júnior Caús, que participou daquelas duas corridas formando duplas com os primos – Juliano Bastos num ano, Marlon Bastos no outro. Contato é o próprio Juninho, que atende pelo número (45) 9 9982-4354.

OURO KA

O Ford Ka que cumpriu algumas temporadas no Paulista de Marcas está agora sob o domínio da Cezarotto Motorsport – lembro a canseira que tomei desse carro na final de 2016, o piloto do carro era o Nuno Pagliato. O Wyllian Cezarotto é quem resolve, podem chamá-lo no (45) 9 9940-7386.

OURO FIESTA

Outro carrinho da frota da Cezarotto Motosport disponível à rapaziada que estuda as opções para a Cascavel de Ouro. Fiz uma corrida com esse carrinho em Cascavel. O Wyllian também responde por ele. Se preferirem podem chamar o Welintom Cezarotto, vulgo “Faustinho”, no (45) 9 9831-7189.

OURO GOL

O VW Gol da Sete Motorsport, que já esteve no grid em etapas do Metropolitano de Marcas aqui de Cascavel. Não sei dizer se as modelos fazem parte do pacote, mas o custo-benefício proposto pelo Juninho Sorbara me pareceu bem atrativo. Ele pode falar mais, pelo (45) 9 9947-2877.

OURO CLIO

O Renault Clio da Ferrari Motorsport, carro utilizado pelo Gabriel Corrêa na última etapa da Turismo Nacional, em Interlagos – segundo o próprio Gabriel, um foguete, de tão veloz. Podem tratar diretamente com o Edson Ferrari, preparador e chefe de equipe, pelo (45) 9 9833-0281.

A 32ª Cascavel de Ouro já tem assegurado o recorde absoluto de carros inscritos. Preparo essa postagem contabilizando 68 carros. A lista de participantes confirmados está publicada aqui mesmo no blog e recebe atualização a cada nova adesão. São tantos os carros que teremos até uma corrida extra para duplas e trios que não obtiverem classificação ente os 55 do grid principal. Essa corrida é denominada Copa Masso Alimentos e colocará em jogo inscrições para a Cascavel de Ouro do ano que vem. Essa é a novidade do ano, que já está despertando bastante expectativa.

 

Anúncios

Na íntegra: Porsche Carrera Cup 2018, 5/9

CASCAVEL – A quinta das nove etapas mudou o ritmo da disputa, já que foi a primeira do Endurance Series, mas fato é que o evento de fim de julho em São Paulo abriu a segunda metade da temporada. Estava faltando trazer aqui no blog a íntegra da transmissão ao vivo dos 300 Quilômetros de Interlagos, que narrei ao lado do Tiago Mendonça e da Renata Diniz com as imagens da Master/CATVE.

Por falar em Porsche GT3 Cup, é hora de fazer a mala. O fim de semana é com etapa no Velo Città, em Mogi Guaçu. O sexto evento da temporada, no sábado, vai ter transmissão ao vivo nas plataformas digitais do Porsche Cup Brasil – no canal do YouTube e também na página do Facebook. Ah, quase esqueci de novo, a página do Grande Prêmio no Facebook também terá nossa transmissão.

Na íntegra: Sprint Race 2018, 5/8

CASCAVEL – A segunda metade da temporada de 2018 da Sprint Race Brasil começou no primeiro dia de setembro, com a Race of Champions em Interlagos. Exibido ontem cedo pelo BandSports dentro do programa “Auto+” e também pela Play TV, o VT das três corridas da etapa, produzido pelo Marcos Moschetta e narrado por mim, segue na íntegra aqui no blog.

As quatro primeiras etapas de 2018 podem ser vistas e revistas aqui mesmo, no blog, nos links que indico para as corridas em Curitiba, em Rivera, em Interlagos e em Londrina. A sexta e antepenúltima, marcada para 14 de outubro, vai levar a categoria de volta ao Velo Città, em Mogi Guaçu, com a Guest Race.

A Copa Gol

COPA GOL 1

Uma das largadas da Copa ECPA de Marcas, não sei exatamente quando a foto foi feita. A partir da etapa de 22 de setembro uma das novidades vai ser a Copa Gol. Que tem tudo para ser gigantesca.

CASCAVEL – Gosto muito do ambiente de corridas de Piracicaba, apesar de tê-lo frequentado poucas vezes. Três, para ser mais exato. A primeira foi nas Três Horas de 2017, uma prova de que participei a convite do Guilherme Reischl, e me diverti de novo agora relendo o relato que publiquei aqui no blog sobre o nosso segundo lugar. Ainda no ano passado estive lá participando de uma etapa da Copa ECPA de Automobilismo, de novo pela Phoenix Competições, equipe do Luisinho Piccolo e da Cris Lima. E, no último fim de semana, das 100 Milhas de Piracicaba, desta vez pela Jukamotors, do Juka e do Danilo Gandelim, e sobre essa deixo algumas linhas de registro lá ao fim desse post.

Bem, o fim de semana em Piracicaba foi, claro, de muito contato com vários pilotos e com a galera que faz a coisa acontecer por lá. Um dos assuntos de que me inteirei um pouco mais foi a criação da Copa Gol, torneio de Marcas 1.6 que vai acompanhar a programação das três últimas etapas da Copa ECPA – a sigla, para quem não sabe, denota Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo. A organização formal é do próprio ECPA, via Dani Gianetti e companhia, com a devida supervisão da Fasp. O Juka Gandelim tem feito um bom meio-de-campo com os pilotos que têm o modelo da VW na garagem ou na oficina. O processo de renovação da frota da categoria, fomentado sobretudo pela implantação da Classe 1 na Turismo Nacional, traz como tendência natural a disponibilização de mais exemplares do modelo “bolinha” para os campeonatos regionais de velocidade no asfalto e na terra, uma herança que também deve dar um impulso à iniciativa.

A lista dos pilotos que confirmam participação na Copa Gol chega hoje a 22 carros. Como ninguém pediu sigilo, dou os nomes. Carlos Zílio, Wilson Zambelo, Alexandre Barbosa, Luís Augusto, Diogo Lapena, Edson Paes/Bruno Paes, Cláudio Soares/Clayton Silva, Rodolfo Soares/Rogério Luciano, Rodrigo Tavares, Giovani Almeida, Gustavo Favoretto, Claudemir Grausbert, Luís Coelho, Rafael Amaral, Sandro Freitas/Valdir Silva, João Moraes, Fernando Marc/Carlos Will, Paulo Zamana/André Zamana, Carlos Lázaro, Valter Dadario/Gustavo Dadario, Richard Ghussn/Camilo Ruiz e mais o Eduardo, da Duromed. É de se imaginar, dentro das normalidades de situações assim, que até a primeira etapa alguns desses nomes saiam da lista por motivos próprios, e também que outros sejam incluídos.

A Copa Gol vai ter três etapas nessa primeira edição, todas obviamente no ECPA. A primeira no dia 22 de setembro, as outras duas nos dias 21 de outubro e 8 de dezembro. As inscrições para quem já está garantindo participação têm taxa de R$ 500 por carro – muito, muito barato para os padrões do automobilismo de ora. O carrinho com que participei das 100 Milhas no último sábado pode acabar aparecendo nessa lista, também, vamos ver.

Ah, informação que acrescento depois da postagem original: o próprio Juka Gandelim pode ser o contato para informações sobre regulamento e coisas do gênero – o regulamento técnico, aliás, é o do Paulista de Marcas & Pilotos. Ele atende 24 horas por dia, sete dias por semana, no número (19) 9 9895-8814. Ele só não vai ouvir o telefone tocar se estiver no show do Zezé di Camargo.

100 MILHAS 10

Coloquei mais um trofeuzinho na minha modesta galeria com o terceiro lugar nas 100 Milhas na categoria Marcas A. Fiz a prova inteira sozinho com o Gol número 66 da equipe do Juka Gandelim.

Por falar da minha ida às 100 Milhas, nada de muito revolucionário. Tinha só duas metas para o fim de semana: alcançar um determinado tempo de volta, que não foi cumprida, e concluir a prova inteira sem revezar o carro, o que consegui a duras penas. Depois de 1h45min de corrida, saí do carro extenuado. A galera do ECPA percebeu que não estava tão bem e me conferiu tratamento vip, a ponto de eu ter voltado logo ao movimento todo sob o risco de cair na tentação de fazer um pouco de manha para continuar recebendo mimos e ficar no ar-condicionado do carro de serviço que estava posicionado na reta dos boxes. Eram 78 voltas de corrida, eu havia estipulado com o Juka que faria minhas duas paradas obrigatórias nas voltas 40 e 66 (essas paradas não são permitidas nas 10 últimas voltas). Tive que parar na 21ª volta, por conta da quebra do coxim do câmbio, chegar aos boxes depois do problema foi um milagre. Saí do carro, tirei o capacete e já estava conformado com o abandono, quando o Everton e o Yan, mecânicos da equipe, me mandaram entrar no carro de novo porque o problema estava sanado. Perdemos poucas voltas além do tempo mínimo da parada, voltei à pista, parei de novo na volta 64 e fui ao pódio em terceiro lugar na minha categoria, a Turismo A. Foi tão divertido quanto cansativo.

Casa cheia!

IMG-20180215-WA0035

Uma das relargadas da Cascavel de Ouro do ano passado, que teve 50 carros na pista. A corrida de 18 de novembro de 2018 teve seu grid ampliado para 55.

CASCAVEL – As pessoas ligadas ao automobilismo, vez ou outra, endereçam cumprimentos especiais ao Edson Massaro e a mim, nós dois encabeçando uma equipe de trabalho que desde fevereiro arregaça as mangas para que tenhamos, de novo, a maior e melhor edição da Cascavel de Ouro de todos os tempos. Agradecemos, como é praxe, mas não temos a resposta para a pergunta que costuma acompanhar essas gentis manifestações, e que só hoje já me foi feita duas vezes: qual é o segredo?

Não há segredo. Aliás, se há uma coisa inexistente nesse processo todo é qualquer coisa que se assemelhe a uma fórmula mágica. Apenas propusemos uma disputa sob uma fórmula que ao longo dos anos vem cultivando bons índices de aceitação de pilotos e equipes de todos os cantos do Brasil. Mas o Edson e eu não podemos disfarçar com falsa modéstia a satisfação que já temos com os números do evento de 17 e 18 de novembro no Autódromo Internacional Zilmar Beux. A Cascavel de Ouro, na 32ª edição de seus 51 anos de história, tem hoje 60 carros confirmados. Na #GoldClassic, torneio para carros clássicos e antigos que criamos para dar suporte à programação, são nada menos que 72 carros.

Falo, aqui, dos carros que já estão devidamente confirmados, com taxa de inscrição já depositada na conta do promotor e tudo mais. No caso da Cascavel de Ouro, que tem como atrativo a premiação de R$ 150 mil, todos os carros são configurados pelo regulamento da categoria Marcas 1.6, ou Turismo Nacional, como queiram. Quem chegar na frente leva, sem handicap, sem divisão de categorias. Diferente da #GoldClassic, que tem subdivisão em sete categorias, cada uma com premiação em separado a partir da soma de pontos das duas provas de cada grid. Teremos um grid para as classes Turismo Light e Speed Fusca, com uma corrida de meia hora no sábado e outra no domingo, e um grid para as classes Força Livre, Turismo Super, Gran Turismo Super, Gran Turismo Light e Fusca Cup, igualmente com uma bateria por dia.

Cada grid da #GoldClassic é limitado a 40 vagas por força das regras desportivas, a partir de uma fórmula que considera todos os números envolvidos – dimensões da pista e duração da disputa, principalmente. É uma fórmula regida pela FIA, totalmente alheia ao nosso controle ou conhecimento. Não tenho a menor dúvida quanto a preenchermos todas as 80 vagas. É a mesma fórmula que fixa em 55 carros o limite para a largada da Cascavel de Ouro, com suas três horas de duração e transmissão ao vivo do canal BandSports. Então cinco dos carros inscritos vão ficar fora?, você pode perguntar. Hoje, sim; até o fim de semana do evento serão mais. Fiz uma aposta hoje cedo, afirmei que teremos mais que 70 carros inscritos até a véspera da abertura da programação oficial.

A isso tudo somem-se os 15 carros da Sprint Race Brasil, que vai integrar o evento com as corridas de sua sétima e penúltima etapa. Nada menos que 147 carros de competição em um evento, e aí você pode perguntar outra coisa: tem espaço para tanto carro? Hoje não tem. Mas vamos criar esse espaço. Aliás, esse post seria publicado sob o título “Vai faltar espaço!”, mas resolvi mudar. A turminha do contra poderia entender como crítica.

IMG-20180215-WA0075

Até o momento são 60 os carros inscritos na disputa pelos R$ 150 mil oferecidos na 32ª Cascavel de Ouro. Apostei com um parceiro que até a véspera dos treinos oficiais vamos passar de 70.

Na íntegra: Endurance Brasil 2018, 3/7

SÃO PAULO – No fim, acabei narrando as etapas de três campeonatos de alcance nacional realizadas no dia 21 de julho. Se na Turismo Nacional e na Sprint Race trabalhei com VTs já veiculados, o Endurance Brasil teve transmissão ao vivo. Narrei as Três Horas de Tarumã tendo o Bruno Monteiro como comentarista e a Juliana Marques na reportagem, num trabalho coordenado pelo Rodrigo Saravalli que teve geração de imagens da Via Satélite.

Como o domingo é de trazer ao blog os vídeos das corridas, segue também a íntegra da veloz corrida em Viamão.

As Quatro Horas de Curitiba, que acabaram durando um pouco menos que isso, abriram a temporada de 2018 do Endurance Brasil. A Chevrolet Absoluta 500, segunda etapa, aconteceu em Interlagos. Outra coincidência entre as três categorias citadas no post é que todas terão sequência no dia 1º de setembro em São Paulo. Se Turismo Nacional e Sprint Race negociaram espaço na programação de mais uma etapa do Campeonato Paulista de Automobilismo em Interlagos, o Endurance Brasil vai movimentar o Velo Città, na cidade de Mogi Guaçu. Uma corrida que vai acontecer pela manhã, novidade que poucos sabem.

 

 

Na íntegra: Sprint Race 2018, 4/8

SÃO PAULO – Outro campeonato que concluiu no dia 21 de julho a primeira metade da temporada de 2018 foi o da Sprint Race Brasil, com a etapa que destaca a corrida noturna em Londrina, já uma tradição da categoria.

O VT com os principais momentos da etapa, produzido pela equipe do Beto Borghesi e que narrei na última terça-feira já estando em casa, foi exibido hoje cedo pela PlayTV. E, claro, segue reproduzido aqui para a audiência do blog.

A Sprint Race já visitou quatro autódromos em 2018. Abriu o campeonato em Curitiba, teve sequência com uma etapa inédita na uruguaia Rivera, promoveu a etapa de grid inverso em Interlagos e fechou a primeira fase da temporada em Londrina.