Distribuição geográfica

IMG-20171130-WA0014

A “distribuição geográfica” do grid é um dos detalhes que chamam atenção na Sprint Race Brasil em sua sexta temporada. A foto, produzida momentos antes da etapa noturna de outubro em Londrina, é do Rodrigo Guimarães.

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS – São mais de três horas de conexão no Afonso Pena na peregrinação até São Paulo, algo já corriqueiro para quem precisa se deslocar de Cascavel para qualquer canto do mundo. Por ora ainda há alguns voos partindo de Cascavel, uns para cá e outros para Viracopos, donde conseguimos seguir viagem para quaisquer outros lugares. É bom aproveitarmos. Não dá para saber até quando haverá voos tendo o aeródromo cascavelense na ponta de saída ou na de chegada.

Enfim, são mais de três horas no Afonso Pena, e o começo do dia comporta mais que meu desafio ao colesterol na Jatinho Lanches, onde o lanche é muito bom e a vitamina de maçã deixa bastante a desejar. Aproveito para organizar as anotações das corridas do fim de semana. Amanhã e sábado estarei em Interlagos com o Porsche Império GT3 Cup Challenge Brasil, em decisão do título da Endurance Series e também do Overall Championship. O campeonato usa muito os nomes em inglês, mas quem acompanha a categoria não tem a menor dificuldade com isso.

No domingo volto cedinho para cá e tomo um táxi (ou Uber, que é mais barato e fora de Cascavel funciona…) até o autódromo ali em Pinhais. Curitiba tem suas pistas de aviação e de corridas de carros nas cidades vizinhas, o que funciona bem. Lá, ou aqui, já nem sei mais, vão rolar as duas corridas finais da Sprint Race Brasil, campeonato também batizado em inglês, como seus minitorneios Winter Cup e Final Cup, que valem aos campeões uns bônus bem atrativos em dinheiro. Bem, eram as anotações da Sprint Race que eu estava organizando agora quando um detalhe me chamou atenção: a distribuição geográfica que o grid apresenta, com seis estados tendo seus pilotos envolvidos diretamente na disputa pelos títulos.

Os cinco primeiros colocados da classe Pro, por exemplo, são de Goiás, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. João Rosate, Juninho Berlanda, Raphael Campos, Gabriel Lusquiños e Erik Mayrink, respectivamente. Todos eles estão na disputa pelo título – Luiz Gustavo Túrmina e Vinicius Margiota, sexto e sétimo, também têm chances de título e são do Paraná e de São Paulo. Na categoria GP são quatro estados representados na disputa pelo título. A dupla líder tem o paranaense Kau Machado e o catarinense Jorge Martelli, ambos cientes de que o paulista Gerson Campos e o sul-mato-grossense Cláudio Buschmann estão vivinhos da silva na caça ao título.

As tabelas de pontuação podem ser conferidas no site da Sprint Race. Aliás, a categoria vai apresentar amanhã à noite a pilotos e convidados suas novidades e seus planos para 2018.

imagem_release_1142451

As corridas do Endurance Series cativaram pilotos e torcedores além da expectativa nesses dois primeiros anos de provas longas no campeonato. A foto dos 300 km de Goiânia é do Luca Bassani.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s