Na íntegra: Sprint Race 2016, 3/8

CASCAVEL – Como tirei o início de noite para compartilhar vídeos de corridas, segue aqui o VT das duas provas que marcaram, no autódromo de Curitiba, a terceira etapa da Sprint Race Brasil.

O material foi produzido pela equipe “Velocidade Máxima”, do Beto Borghesi, e exibido pela PlayTV. A narração é minha. Com duração de quase uma hora, o especial abriu espaço para os pilotos falarem tudo sobre a Sprint Race, em depoimentos coletados pela Silvana Grezzana.

A quarta etapa aconteceu no último fim de semana, também em Curitiba, no sentido inverso do circuito. A próxima, no mês de agosto, vai marcar em Interlagos a primeira apresentação da categoria em que seus pilotos formarão duplas com convidados.

Na íntegra: Porsche GT3 Cup 2016, 4/9

CASCAVEL – Antes que fique tarde, como tem ficado ao longo do ano, trago aqui também as corridas que marcaram no último sábado igualmente no Velo Città, em Mogi Guaçu, a quarta etapa do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil. Todas foram transmitidas ao vivo pelo canal do campeonato no YouTube, com geração de imagens da rapaziada da Master/CATVE, minha narração e comentário do torrônico Marcelo Gomes.

A primeira corrida abriu a rodada dupla da categoria Cup.

Em seguida houve a corrida única da categoria Challenge, como segue.

E para fim de conversa, claro, a corrida final da Cup.

Aqui no blog também estão na íntegra a primeira etapa, realizada em marçono autódromo de Curitiba, a segunda, que marcou a estreia da competição na argentina Termas de Río Hondo, e a terceira, que levou o campeonato de volta a Curitiba. Nossa quinta etapa, no dia 6 de agosto, nos levará a Interlagos. Será a primeira das três corridas de Endurance do calendário.

Na íntegra: Porsche GT3 Cup 2016, 3/9

imagem_release_662062CASCAVEL – Na balada de uma terça-feira bastante agitada, vão aqui, também, as corridas que compuseram a terceira etapa do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil. Isso aconteceu na manhã de 21 de maio no Autódromo Internacional de Curitiba, naquela que pode ter sido a última apresentação da categoria no circuito. Narrei as três provas tendo como comentarista em duas delas o piloto Rodrigo Mello.

Como é praxe, a primeira corrida da programação abriu a rodada dupla da categoria Cup. Miguel Paludo acabou fazendo as pazes com a vitória depois de uma etapa de dissabores na Argentina.

A corrida única da categoria Challenge foi a segunda da programação. E deixou a dona Linda Paludo, mãe do Miguel e do Daniel, ainda mais contente – foi legal ver a reação dela ao fim da corrida. Antes da largada, a categoria prestou uma homenagem ao Jauneval “Peteco” de Oms, responsável pela reestruturação pela qual o autódromo passou duas décadas atrás, ação movida pela iminente descontinuação do complexo esportivo.

O encerramento da programação com a segunda prova da Cup foi o exemplo claro do que dizia o antigo narrador, de que a corrida só acaba quando termina. Né, Pedro Queirolo?

Giombelli no grid

ANGELO GIOMBELLI

Ângelo Giombelli e Nelson Piquet aproveitaram a passagem do Porsche GT3 Cup por Cascavel em 2015 para relembrar histórias de seus bons tempos de pista: um vai tentar a primeira vitória na prova; o outro poderá aparecer na festa para celebrar os 40 anos de seu triunfo com um Super Vê

CASCAVEL – Ainda faltam quase cinco meses para a 30ª edição da Cascavel de Ouro, mas o burburinho de bastidores já começou. E um nome já confirmado no grid da corrida de 23 de outubro é o de Ângelo Giombelli. Que ainda não sabe com quem vai formar dupla ou trio, mas que acaba de bater o martelo com o Caio Carvalho para tentar a vitória na prova pilotando um dos carros da Sensei Sushi Bar-Sorbara Motorsport.

Toda a pompa em nome do Ângelo ocorre a partir dos três títulos brasileiros que ele conquistou na Stock Car de 1991 a 1993 em dupla com Ingo Hoffmann. Mas foi no automobilismo do Paraná que ele consolidou carreira a partir da década de 80. Na Cascavel de Ouro, sobretudo – inclusive, foi primeiro colocado em duas edições, embora não tenha nenhuma das cobrinhas na estante de casa.

Naquela época o regulamento da Cascavel de Ouro admitia qualquer tipo de carro e estabelecia percursos distintos para os carros de cada categoria, no sistema chamado de handicap, que quer dizer exatamente isso, a tentativa de compensar as deficiências de rendimento que uma categoria tinha em relação à outra. Sempre correndo com Opala, Ângelo foi primeiro colocado em 1986 e em 1987, mas sem ter aberto a vantagem de que precisaria para, no handicap, superar o Hot-Fusca de Dilso Sperafico e o Hot-Dodge de Aloysio Ludwig Neto, respectivos vencedores da prova naqueles anos.

Agora não tem handicap. Categoria única, pautada no regulamento técnico do Paranaense de Marcas & Pilotos 1.6. Se chegar na frente, leva e pronto.

Na íntegra: Copa Paraná-Sul 2016, 3/8

CASCAVEL – As coisas têm acontecido rápidas demais e às vezes não consigo acompanhar o bonde. Caso, por exemplo, da postagem, aqui no blog, do VT das corridas da terceira etapa da Copa Paraná-Sul de Motovelocidade, o campeonato que o Orlei Silva formatou e que está ganhando boa projeção.

Essas corridas aconteceram no dia 15 de maio no Autódromo Internacional Zilmar Beux, em Cascavel. A edição aí abaixo, assinada pelo Beto Borghesi e narrada por mim, foi exibida pelo “Velocidade Máxima”, programa que o Beto distribui a uma porção de emissoras de televisão do Paraná – amigos meus já viram em Santa Catarina, também.

Essa terceira etapa, inclusive, teve uma novidade: o lançamento da categoria-escola, para motos de 1.000 e de 600 cilindradas. A primeira corrida, também válida pela classificação da Copa Paraná-Sul, será exibida nesta semana na TV – logo em seguida estará aqui no blog também.

A exibição das provas pelo “Velocidade Máxima” acontece desde o início da temporada. O VT da primeira etapa está nesse link aqui; o da segunda pode ser visto aqui. E as corridas da quarta etapa, para efeito de agenda, vão acontecer já neste domingo, 12 de junho, no autódromo de Cascavel.

Da Turismo 1600 pro Marcas & Pilotos

CLIOCASCAVEL – O recorte dado à foto eliminou a marca d’água com a assinatura da fotógrafa. Como crédito é coisa com que não brinco, friso logo que é da lavra da Sandra Zama.

Enfim, esse é o Renault Clio com que o Marco “Tico” Romanini disputou as últimas temporadas do Metropolitano de Marcas & Pilotos de Cascavel. E também as duas últimas edições da Cascavel de Ouro. E depois da abertura do campeonato de 2016, antes mesmo de ter confirmada sua estreia na nacional Copa Petrobras de Marcas, decidiu encostar o carrinho lá na sede da Stumpf Preparações para algo que o futuro reserve aos dois, piloto e carro.

Passei por lá, pela Stumpf, vi lá o Cliozinho do Tico, amuado em seu cantinho. Deu dó. Esse carro precisa voltar a se divertir, pensei. E, na falta de coisa melhor pra dar a ele, conversei com um e outro e decidi, com os devidos avais dos envolvidos, que esse vai ser meu próximo parceiro de pista. É com o Cliozinho que vou para a pista já neste fim de semana, na minha primeira participação no Metropolitano de Marcas & Pilotos. Quem me acompanha por aqui sabe que encarei algumas maluquices na pista do ano passado para cá, na categoria dos carburados, a Turismo 1600. Liderei minha última corrida até quebrar a homocinética, algo que jamais esperava. Antes disso, cavei um segundo lugar no complemento da primeira etapa – nos dois carros, revezando com o Felipe Carvalho o Gol que ele havia acabado de trazer de Curitiba. Antes, tinha vindo um segundo lugar na Classic Cup em Curitiba, e também um nono lugar na estreia, soma de um abandono numa bateria e de um sétimo lugar na outra.

Sei pouco do assunto, em termos práticos, e o ideal seria continuar aprendendo na Turismo 1600. Por outro lado, tenho outra pretensão maluca, que é a de participar em outubro da Cascavel de Ouro, e fazer algumas corridinhas no Marcas antes disso seguramente vai ser bem útil para já ir pegando a mão da coisa no que diz respeito a conduzir um injetado. Nada de grandes pretensões quanto à estreia de domingo, além de momentos agradáveis com os amigos de sempre e os novos. A classe B, na qual me incluo, deverá ter sete ou oito participantes. Se sobrar um trofeuzinho na base da sorte já será pretexto para uma boa comemoração lá no Bar do Zé na terça-feira da semana que vem.