Nomes e cores: Turismo 1600-Cascavel 2016

GRIDCASCAVEL – O dia 30 de janeiro terá quase tudo de um fim de semana de corridas no Autódromo Zilmar Beux, cá em Cascavel. Vão faltar só as corridas, mesmo. O sábado de treinos coletivos anunciado pelo Automóvel Clube de Cascavel para os pilotos e equipes que vão disputar o Campeonato Metropolitano das categorias Marcas & Pilotos e Turismo 1600 deverá reunir todos, ou quase todos, os que vão tomar parte dos grids nas seis etapas de 2016.

Hoje falo só da Turismo 1600. Até hoje, a pouco mais de um mês para os treinos livres da primeira etapa, relaciono 12 carros no grid. Deveremos ser mais – ponho o plural em primeira pessoa porque também vou participar da corrida. Há muita gente podendo, devendo, confirmar participação nos próximos dias. À medida em que isso for ocorrendo, vou acrescentá-los a esse post aqui. A internet comporta essas adequações. É o mesmo post que todos vamos compartilhar nos dias e horas que vão anteceder as duas provas de 28 de fevereiro.

Os pilotos ainda não confirmados distribuem-se em inúmeros grupos. Há os que têm seus carros prontos para a disputa e optam por não correr por falta de orçamento, por agenda cheia ou por mera falta de motivação. Há ainda os que estão ávidos por integrar esse grid e ainda não têm carros à disposição – para esses, um contato aqui mesmo na área de comentários desse post pode ser suficiente; sei de pelo menos meia dúzia de carros que estão à espera de novos pilotos, e a rapaziada que me acompanha por aqui conhece uma outra infinidade dessas oportunidades. Quem quiser correr não vai ficar fora, é fato.

Na terça-feira trarei aqui no blog a apresentação parcial dos 20 carros injetados que vão integrar o grid único das classe A e B no Metropolitano de Marcas. Hoje, 24 de janeiro, ficamos com os 12 já anunciados para o primeiro grid. Na verdade são 11 confirmados, como veremos a seguir. Os demais, repito, serão incorporados assim que derem ok quanto à participação.

Os mais atentos vão notar que todas as fotos de pista aqui publicadas são da lavra da espevitada Sandra Zama.

1 – Fábio GRENTESKI

TURISMO 1600 - 01 FABIO GRENTESKITomou contato com o automobilismo acompanhando as corridas de Ruy Chemin, cascavelense que há anos vive em Foz do Iguaçu, sua cidade. Apesar do envolvimento com competições de arrancada desde 2005, foi só em 2014 que tomou contato com as corridas do lado de dentro da pista, conquistando vitória na estreia. Vai disputar o Metropolitano de 2016 em atuação individual – Guilherme Machado, seu parceiro em algumas das etapas de 2015, não deve competir. Grenteski terá o Ford Escort número 1, que é do modelo Europeu, com preparação a cargo da UP Repair Racing. Um de seus reforços é o capacete, que traz o layout eternizado por Ayrton Senna entre os fãs de corridas.

***

5 – Marcos CORTINA

MARCOS CORTINAEm princípio está fora do grid da primeira etapa. Ainda está montando o VW Gol cuja compra foi viabilizada em uma ação entre amigos depois do acidente que destruiu seu carro anterior na última etapa do campeonato de 2015. Uma opção que considera para pontuar no campeonato inteiro é formar dupla na primeira etapa – para isso, depende basicamente de um convite, que pretende retribuir tão logo seu carro esteja concluído. É o mais experiente dos pilotos da Turismo 1600. Corre desde 2001 e foi vice-campeão em 2014. Antonio Cortina, seu pai e preparador do carro, foi o piloto que deu início à história do Campeonato Metropolitano, mais de 15 anos atrás. Vale a pena passar pelo box da Cortina Competições para ouvir a história, contada sempre com boa dose de entusiasmo.

***

8 – Renato RIBEIRO

TURISMO 1600 - 08 RENATO RIBEIROSim, eu sei que a foto mostra o número 202 e a indicação do blog aponta o número 8. É que volta ao grid depois de dez anos e vai pilotar o mesmo VW Apollo que levou Gelson Veronese ao título do ano passado, quando a categoria ainda tinha a denominação Marcas N. Era Gelson quem utilizava o número 202. Renato vai defender a Sete Motorsport, chefiada por Juninho Sorbara. Foi pela Sete Motorsport que teve uma passagem vitoriosa pelo campeonato em 2006, ainda menor de idade, sob a batuta de Oscar Sorbara. Naquele ano, conquistou pole e vitória no grid geral mesmo pilotando um carro da categoria N, carburado – já havia, em 2006, os carros da A, injetados. Em princípio, vem para cumprir três etapas. Aposto que faz o campeonato todo. Por falar em aposta, caso cumpra a temporada completa, vejo-o como favorito ao título. Há pilotos dessa lista aqui que concordam comigo.

***

10 – Rodrigo LARRALDE

TURISMO 1600 - 10 RODRIGO LARRALDERepresentante da cidade de Capanema, teve nas competições de velocidade na terra sua estreia no automobilismo, em 2013. Foram duas temporadas fazendo a poeira subir, até migrar no ano passado ao Metropolitano de Marcas & Pilotos de Cascavel, cumprindo quatro das seis etapas da categoria N. Mantém o número 10 no VW Gol da Larralde Racing – que talvez ganhe uma corzinha ou alguns detalhes de grafismo para a nova temporada.

***

12 – Cido MORAIS/Renato HEIN

TURISMO 1600 - 84 CIDO MORAISDupla incluída na lista às 14h48 do dia 13, faltando duas semanas para os treinos oficiais da primeira etapa. Campeão em 2014, Cido Morais parte para sua oitava temporada na categoria. O carro será o mesmo do ano passado, o VW Gol da equipe Ribecar. O número 84 dá lugar ao 12. Não sei justificar a mudança, já que seu parceiro Renato Hein Oliveira, que estreou em 2014, usava o 79 no Fiat Uno com que competiu até o ano passado – o carro está disponível para locação ou venda, inclusive. Os dois adotavam o mesmo discurso, de que estariam fora do campeonato neste ano. Decidiram formar dupla já buscando entrosamento para a disputa da Cascavel de Ouro, em outubro, o que nos leva a crer que deverão modificar o carro e migrar para a categoria B, dos injetados, com a temporada em andamento. A equipe é a Ribecar.

***

35 – César CORTINA/Richard VALANDRO

TURISMO 1600 - 35 CESAR CORTINA-RICHARD VALANDROCésar estreou nas pistas no ano passado, também no Metropolitano N. Era um dos três primos da família Cortina que compunham o grid – além dele e de Marcos também havia o Luciano, que já anunciou ausência no grid para 2016. Nos acrílicos e no parabrisa do VW Gol, que agora está a cargo da Stumpf Preparações, troca o número 3 pelo 35, provavelmente sugerido pelo novo parceiro. A experiência de Richard vem dos simuladores de corridas, além dos dois campeonatos de endurance de kart de que participou. Depois de alguns treinos particulares com o carro com que o pai Fernande Valandro disputa a classe A, decidiu pela estreia na Turismo 1600, que segundo ele exige uma pilotagem mais tranquila que a dos injetados.

***

38 – José Ismael BRANCO/Anselmo BRANCO

TURISMO 1600 - 28 JOSE ISMAEL BRANCOJosé Ismael foi piloto de movimentada carreira no motocross. No automobilismo, fez um teste em 2012 e só. “Gordo Ribeiro”, como é tratado em seu ambiente – junção do apelido de infância com o sobrenome que utiliza nas redes sociais – fará sua estreia com o VW Voyage da Cezarotto Motorsport, que terá o número 28, utilizado em 2015 pelo Wyllian Cezarotto, pelo 38. Retoma o contato com as competições por influência do irmão, que atua no automobilismo com uma agência de marketing esportivo. Anselmo já foi piloto de Speed Fusca e de Marcas, sempre competindo no Metropolitano de Londrina, e vai atuar em dupla com José Ismael de parte das etapas do calendário da Turismo 1600.

***

39 – Ângelo PERIOLO/Roney RIBEIRO

TURISMO 1600 - 39 RONEY RIBEIRO-ANGELO PERIOLOOutra inscrição em dupla, desta vez com dois cascavelenses. Ângelo e Roney, tal qual Richard, esperam aplicar no automobilismo de verdade a experiência que acumularam em alguns anos de dedicação às corridas virtuais. Cientes do desafio que vão enfrentar com o vento entrando pela grade da janela esquerda, a dupla busca ritmo de competição e avanço no desenvolvimento do carro, também um VW Gol. O nome da equipe é cheio de firulas: R2A Racing Team. Achei que soa legal.

***

41 – Flamarion ZACCHI

TURISMO 1600 - 41 FLAMARION ZACCHISe dependesse da temporada de 2015, talvez jamais pisasse novamente em um autódromo: quebras nos treinos impediram-no de participar de todas as etapas para a qual se inscreveu. Mas o VW Gol número 41 recebeu um carinho a mais nos últimos meses e o piloto da cidade de Laranjeiras do Sul volta ao grid mostrando disposição para cumprir todas as seis etapas do Metropolitano de Turismo 1600. Quando perguntei ontem ao Flamarion o nome da equipe, a resposta foi de que não havia nome, ao que sugeri Zacchi Racing. Ele riu e concordou. Batizada está, pois, a Zacchi Racing.

***

55 – Clóvis RAMOS

TURISMO 1600 - 55 CLOVIS RAMOSFez sua primeira corrida em 2015, no próprio Metropolitano, na última etapa. Gostou da brincadeira e vê o campeonato que começa no mês que vem como cenário ideal para buscar a evolução que sabe que precisa alcançar. É outro que vê no treino coletivo do fim de semana uma oportunidade de ouro para buscar, no cronômetro, os segundos que sempre ficam à disposição em um início de trajetória como esse. Em termos de layout do carro, é quem mais se aproxima de algo esperado para um carro de corrida – nossos carros estão muito brancos, no geral. Clóvis segue competindo com o VW Gol número 55 da Max Power Racing. Max Nunes, o chefe de equipe, também toca um projeto pessoal na Fórmula Truck.

***

66 – Luc MONTEIRO

TURISMO 1600 - 66 LUC MONTEIROSim, eu mesmo. Em setembro último voltei ao grid com o Ford Escort da Paraguay Racing, depois de quase uma década sem entrar em um carro de corridas. Faço só a primeira etapa, já que nas datas das outras deverei estar até a tampa de trabalho com eventos das categorias de automobilismo a que presto algum tipo de serviço aqui ou ali. O carro vai ser o mesmo. A equipe por trás dele, idem – a Cezarotto Motorsport, com Luizão, Wyllian e os meninos exercitando sua paciência comigo durante um fim de semana de autódromo. Para trazer aqui um termo que costumo usar nas narrações de corridas, faço essa primeira etapa cheio de más intenções. Mas são más intenções muito boas. Quem me conhece um pouquinho sabe.

***

80 – Juliano DA SILVA

JULIANO SILVAParticipação que entra no post como “adendo”, publicado às 14h12 de 10 de fevereiro. Esse sempre quis ser piloto de corridas e só foi pisar pela primeira vez num autódromo quando finalmente conseguiu realizar o sonho. Foi em 2014, quando disputou cinco etapas do Metropolitano de Marcas N – naquele ano conquistou um terceiro e três quartos lugares e abandonou uma corrida por quebra do trambulador na largada. Ano passado fez apenas uma participação, na etapa de encerramento. Juliano e eu dividimos curvas, literalmente. O plano para este ano é de participar de todas as seis etapas. O carro é o VW Gol da Juliano Racing, equipe composta por ele e ele mesmo.

***

88 – Cléber FONSECA

TURISMO 1600 - 88 CLEBER FONSECAÉ talvez o maior batalhador do grid da Turismo 1600. Envolvido com as corridas desde 2009, tem marcado sua presença no meio pela insistência com que luta, a seu modo, pela consolidação da categoria. Como piloto, conquistou os títulos de 2012 e 2013 e teve passagens por várias das equipes do Metropolitano. Lagarto Motorsport, Faoro Racing e Ribecar estão entre elas. Ainda não tem equipe definida para o campeonato que começa em fevereiro e a única certeza é a manutenção do carro, o VW Gol número 88. A possibilidade de competir formando dupla com Jefferson Fonseca Júnior, seu irmão, não está descartada.

***

357 – Júnior FRANCEZ/Eduardo ZAMBIAZI

TURISMO 1600 - 357 JUNIOR FRANCEZ-EDUARDO ZAMBIASIOs dois são policiais militares, situação que comportaria uma série de trocadilhos com nomes de filmes e motivos afins. Mas minha cabeça não está nada propícia a gracinhas e não quero problemas com os homens da lei – logo, sem trocadilhos infames. Francez estreou no automobilismo participando da penúltima etapa do Metropolitano do ano passado, que também valeu pelo Paranaense de Turismo 1600 – lembro que foi ao pódio de sua classe. A experiência o levou a convidar o colega de farda para formar uma dupla na Cascavel de Ouro, pela equipe Ribecar. A dupla abandonou depois de dois terços da corrida, com quebra mecânica. Ao invés da decepção pelo problema, o sentimento dos dois era de realização: eram pilotos de corrida, enfim. Em pelo menos seis fins de semana de 2016, Júnior e Eduardo vão trocar as fardas e coturnos pelos macacões e sapatilhas. E a viatura da PM pelo VW Gol número 357 da Cezarotto Motorsport.

Anúncios

Um pensamento sobre “Nomes e cores: Turismo 1600-Cascavel 2016

  1. Pingback: Nomes e cores: Marcas & Pilotos-Cascavel 2016 – BLuc

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s