Ressurreição brasiliense

Al3EtNnqhtGBUi0mHnqNVfFuDugoiLkaTZuQIqct_OmiSÃO PAULO – A foto é da última terça-feira. Renato Constantino, piloto da cidade, acelerando no Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília, o GM Celta que pilota na Copa Centro-Oeste de Marcas & Pilotos. E por que cargas d’água o Renato estaria testando seu Celtinha se o campeonato já terminou?

Não foi um mero treino. Nem um teste do carro. Renato testou, sim, o novo asfalto do autódromo, a pedido da Novacap, agência de obras do Governo do Distrito Federal que entre fim de 2014 e começo de 2015 iniciou a reconstrução do autódromo. A obra foi interrompida por questões orçamentárias no âmbito do GDF, o que inviabilizou a volta da Fórmula Indy ao Brasil – a inédita corrida em Brasília abriria o campeonato no dia 8 de março. Ao que tudo indica, está prestes a ser retomada.

O traçado, falo do circuito misto, foi recapeado em maior parte de seus 5.475 metros de extensão. O piloto sai da curva Dois, sobe o Drive-In, faz a Três, desce o Mergulho, contorna a Bruxa e desce até a metade da reta oposta, tudo isso sobre o novo piso – bem, talvez meu cálculo dos 60% não seja tão preciso. Há quem diga que o trecho da pista reconstruído é bem maior que esse. Não estive em Brasília para conferir por mim mesmo. No que diz respeito à pista, faltam pintura de faixas e construção das zebras. E, a partir disso, a renovação de estruturas como boxes e torres.

Desde a obra iniciada pelo consórcio Novacap para o que seria em março a Brasília Indy 300 a pista está bem mais larga. Tem áreas de escape gigantescas, como haviam solicitado os promotores da Indy. Ouvi que a Dois está bastante diferente, quase convertida em duas curvas.

Os promotores de corridas no Brasil, que por certo acompanham com atenção maior que a minha o andamento do imbróglio envolvendo a reforma do autódromo, trataram de incluir Brasília em seus calendários de etapas para 2016. Tanto a Neusa Navarro, da Fórmula Truck, quanto o Maurício Slaviero, da Stock Car, providenciaram anotações diante do nome da cidade, indicando a prévia possibilidade de alteração. Vão acabar eliminando logo esses asteriscos.

Anúncios

Um pensamento sobre “Ressurreição brasiliense

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s