Na íntegra: Porsche GT3 Brasil 2014, 9/9

242312_464293_fff_5543

CASCAVEL – Terminou no último sábado a décima temporada do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil. Foi, das categorias de nível nacional, a última a correr em Interlagos antes da prometida megarreforma – que, particularmente, ainda duvido que vá acontecer, embora o fechamento do autódromo para isso pareça líquido e certo. Digo entre as nacionais, embora o campeonato tenha até o selo de Série Internacional FIA, porque o último fim de semana antes do Natal será de movimentação com a etapa final do sempre simpático Paulista de Automobilismo, com suas zilhões de categorias.

Mas é do Porsche Cup que trata o post. A categoria Cup teve, nas duas corridas de sábado, a definição de seu quarto bicampeão, Constantino Júnior, mesmo sem ter vencido nenhuma das provas da etapa final – Ricardo Rosset e Daniel Schneider foram os ganhadores. As duas corridas, que transmitimos ao vivo pelo Terra e que foram exibidas no domingo pela Band, seguem abaixo, com narração minha e comentário de Luiz Alberto Pandini.

Na categoria Challenge, o título foi conquistado pelo Fábio Alves, que também não ganhou nenhuma das corridas. Os vídeos das duas corridas da etapa decisiva em Interlagos estão aqui, mostrando as vitórias de Fernando Fortes e Otávio Mesquita.

Foi uma grande estreia, a do Fortes. Pelo sorriso com que deixou o autódromo depois da festa de premiação, arrisco que vá continuar no grid em 2015.

E é isso. Em março estaremos de volta, para a 11ª temporada, com uma pompa especial para a comemoração dos 10 anos de história da categoria – a conta de anos versus temporadas nunca bate, é uma das inexatas exatidões da matemática, ainda há quem se atrapalhe com isso.

Anúncios

2015, as datas e os eventos

AICCASCAVEL – A foto é do acervo do intrépido Orlei Silva, fotógrafo da Fórmula Truck há duas décadas, mostra o Autódromo Internacional de Curitiba e obviamente foi produzida durante uma das etapas da Truck pelas bandas de Curitiba, ou de Pinhais, como queiram. Em outros tempos, essa foto serviria para eu estudar um pouco mais as tangências exigidas pelas curvas dos 3.695 metros do traçado. Mas já desisti da ideia de disputar corridas, ideia que no meu caso, em particular, beira a estupidez, e quando eu tinha desprendimento para isso a medida que se tinha do traçado era de 3.707 metros, não sei por que mudou. Enfim, não vou estudar nada e a foto do Orlei serve apenas e tão somente para bem ilustrar um pitaco meu sobre coisas do automobilismo.

Mas é fato que a direção do AIC, como é tratado o complexo, já divulgou o calendário de atividades e eventos que terão o circuito como palco na temporada de 2015. Lista sempre passível de uma adaptação aqui e outra ali, como são todas as listas do gênero. Mas está nesse link aqui, do site do AIC. Aliás, há outros autódromos brasileiros com páginas próprias na internet? Desconheço-as, as páginas, caso existam. Sei de um ou outro que mantém páginas no Facebook, casos de Londrina e Caruaru, por exemplo.

A publicação no site suscita alguns pensamentos das gentes que orbitam o automobilismo de competição de alguma forma. Eu, em particular, ponho-me a pensar se há providência parecida acerca do Autódromo Zilmar Beux, cá de Cascavel. Que eventos vamos sediar? Mas a curiosidade maior de todas essas gentes, claro, tem endereço certo: o entorno das avenidas Jangadeiro, Teotônio Vilela e Interlagos, em São Paulo. Qual será o calendário de eventos em Interlagos para 2015? Qual vai ser o período de atividade do autódromo? Por quanto tempo ficará fechado para a prometida megarreforma da qual insisto em duvidar? A quem solicitar a lista dos eventos que vão acontecer por lá no ano que vem? E a enorme galera do Campeonato Paulista de Automobilismo, que vai fazer da vida? Correr em Piracicaba e em Mogi Guaçu, e talvez ainda em uma pista de rua que venha a ser providenciada por uma cidade de pequeno porte do interior para receber um evento que, em tais termos, seria grandioso?

Alguém sabe? Palpites são bem-vindos, sempre. Os certeiros, sobretudo.

Na íntegra: Sprint Race 2014

241754_462503_creditos_luciano_santos_sigcom_1

CASCAVEL – Terminou mais uma temporada, a terceira, da Sprint Race Brasil. Flávio Lisboa e Adriano Amaral, cada qual em sua categoria, foram os campeões de 2014.

O Thiago Marques tem se esforçado bastante para conferir à sua categoria evoluções e atrativos que caibam no orçamento enxuto que propõe aos pilotos, e esse tem sido o carro-chefe da equipe, segundo eles próprios – a chance de pilotar um carro que agrada todo mundo gastando pouco para os padrões do automobilismo brasileiro.

As etapas do campeonato de 2014 foram transmitidas em VT pelo Bandsports. Sete das oito, na verdade – a terceira, em Interlagos, acabou não sendo televisionada por um conjunto de fatores que passou inclusive pela cobertura da Copa do Mundo pelo canal de todos os esportes. Perfeitamente compreensível. Na reta final da temporada, as corridas também passaram a ser transmitidas pela PlayTV.

Consegui pingar aqui no blog, ao longo do ano, todas as corridas depois de sua exibição na televisão. Para facilitar a vida de quem eventualmente queira ou precise ver essa ou aquela etapa futuramente, trago nesse post aqui todas as etapas de 2014 que a televisão exibiu. Só clicar na etapa aí abaixo e se deleitar.

Em 2015 tem mais e melhor, é o que garantem o Thiago e os pilotos que acabaram, inadvertidamente, unidos em torno da consolidação da Sprint Race. Longa vida à simpática categoria, pois.

Primeira etapa, 27 de abril, Interlagos

Segunda etapa, 18 de maio, Santa Cruz do Sul

Quarta etapa, 20 de julho, Cascavel

Quinta etapa, 24 de agosto, Curitiba

Sexta etapa, 20 de setembro, Londrina

Sétima etapa, 9 de novembro, Curitiba (anel externo)

Oitava etapa, 7 de dezembro, Curitiba

Na íntegra: Sprint Race 2014, 8/8

CASCAVEL – A temporada de automobilismo já terminou, e claro que a Sprint Race Brasil não é exceção. As corridas da última etapa aconteceram em Curitiba, no dia 7, ratificando o título do pirralho Flavio Lisboa na categoria Pro e a virada de jogo de Adriano Amaral na GP.

O Bandsports exibiu ontem à noite o VT com as provas da etapa final. Edição que segue devidamente reproduzida aqui no blog.

Campeões de quatro países

GP 600 07 - CHEGADACASCAVEL – Descansar é para os fracos. Assim, o domingo foi de cabo enrolado, gíria de gentes do mundo das motos, com a etapa final do Moto 1000 GP no autódromo de Cascavel.

As quatro corridas de hoje, de cujos troféus constava a inscrição “GP Petrobras”, proporcionaram uma festa esportiva digna de uma final de Campeonato Brasileiro, e o M1GP, como o tratamos no âmbito interno, é homologado como Brasileiro de Motovelocidade.

As quatro categorias chegaram aqui com os títulos indefinidos. E cada título foi carimbado no passaporte de um país diferente, o que atesta a condição internacional – também chancelada em tom oficial pela Federação Internacional de Motociclismo, frise-se – do campeonato.

O único título de um brasileiro no Campeonato Brasileiro foi o de Meikon Kawakami na série-escola GPR 250. Em seguida foi a vez de um argentino, Nicolas Tortone, na categoria GP Light – foi o primeiro piloto da história do Moto 1000 GP a levar uma moto Yamaha a um título. A equipe argentina da Yamaha comemoraria mais um título brasileiro poucos instantes depois, com o uruguaio Maxi Gerardo na GP 600. O cara é um colosso, parece. Só neste ano já tinha conquistado os títulos do Campeonato Argentino e do Campeonato Uruguaio. A Europa vai ser pequena pra ele – que, lembrei agora, não gosta de ser chamado de Maxi, o nome é Maximiliano. Na cereja do bolo do Moto 1000 GP, título do francês Matthieu Lussiana na GP 1000, embora a torcida da galera lá fora do alambrado torcesse pelo Wesley Gutierrez, que é bicho do Paraná, tinha vencido a corrida de agosto aqui, e tudo mais. Foi vice, o Wesley.

Outro detalhe legal é que os quatro conquistaram seus títulos ganhando as corridas do GP Petrobras.

E era isso. Tenho um apreço especial pelo Moto 1000 GP. Não entendo exatamente por quê, já que sou pouco – ou nada – afeito ao mundo das duas rodas. E não se trata, antes que um bobalhão qualquer lance gracinhas na área de comentários, de fazer média com o patrão. Trabalho no Moto 1000 GP como trabalho em alguma coisa na Sprint Race, no Porsche Cup, no Mercedes Challenge, na Fórmula Truck, no Brasileiro de Turismo, no Brasileiro e no Paulista de Marcas. Fosse o caso de uma puxação de saco desesperada, teria pares deles, os sacos, para sair arrastando por aí.

Tela veloz

INTERLAGOSSÃO PAULO – A foto, belíssima, foi produzida durante os treinos de ontem em Interlagos pelo Luca Bassani. Foi durante a tomada de tempos que definiu o grid da nona e última etapa do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil.

As corridas serão exibidas pela Rede Bandeirantes neste domingo, a partir das 12h30. Narração minha, comentário do Luiz Alberto Pandini, geração de imagens da minha conterrânea Master/CATVE.

Aos que chegarem a esse post em tempo hábil ainda no sábado, toda a programação de treinos e corridas está sendo disponibilizada ao vivo pelo portal Terra.