#DataLuc na GT3

Imagem

CASCAVEL – A GT3, categoria principal do Campeonato Sudamericano de Gran Turismo, tem uma situação bastante curiosa envolvendo a decisão do título de 2013. Isso porque o principal adversário apontado pela tabela de classificação ao líder Marcelo Hahn é, também, seu maior aliado.

É muito simples. Vencedor de oito das 12 corridas já disputadas, Hahn lidera o campeonato com 224 pontos. Tem 37 de vantagem sobre Allam Khodair, vice-líder, que é seu parceiro na pilotagem do Lamborghini LP600 Evolution número 16 da Bläu Motorsport. A diferença na pontuação está no fato de Allam não ter participado das corridas da quarta etapa, no mês de julho em Interlagos – naquele mesmo fim de semana, enquanto Hahn conquistava uma vitória e um segundo lugar correndo ao lado de Marcos Gomes, o japa-turco-libanês (nunca sei definir sua etnia com precisão) estava correndo na Europa pelo FIA GT Series.

Marcelo e Allam serão parceiros, claro, na disputa das corridas de sábado e domingo em Buenos Aires. Cada corrida valerá 20 pontos ao vencedor. Os irmãos paranaenses Wagner e Fábio Ebrahim, que pilotam o Audi R8 LMS Ultra número 20 da Ebrahim Motors/Audi Top Service, aparecem logo a seguir na classificação, com 165 pontos. Em termos práticos, considerando que a dupla da Bläu será mantida até o fim do campeonato, os Ebrahim representam a única ameaça ao título de Hahn.

Imagem

Um quinto e um sexto lugar neste fim de semana fecham a conta do título para o incansável Marcelo Hahn sem que precise recorrer ao ábaco. Isso considerando que Wagner e Fábio vençam as duas provas e repitam a dose nas de 6 e 7 de dezembro no Velo Città, em Mogi Guaçu. Haveria um empate em pontos e Marcelo, por ter mais vitórias, garantiria o título.

Por outro lado, se terminar a primeira corrida à frente do Audi preparado nas cercanias do autódromo de Curitiba, Hahn poderá pôr a mão para fora do carro e comemorar seu primeiro título na categoria.

Isso em termos práticos, como citei dois parágrafos atrás. A diferença entre Marcelo e Allam é de 37 pontos e continuar em 37 pontos com quaisquer resultados em Buenos Aires. Com 40 em disputa no Velo Città, vai que o Khodair resolva formar outra dupla, ganhe as duas corridas e conte com a ausência ou um azar improvável do parceiro de vários anos para tomar-lhe o título.

Seria um desfecho de campeonato digno de filme. Mas esqueçam. É só um devaneio meu, mais um.

Imagem

Anúncios

#DataLuc na GT4

Imagem

CASCAVEL – Se a GT Premium tem uma decisão provável na etapa argentina, a GT4 vive a tendência de só conhecer o campeão do Sudamericano de Gran Turismo nas corridas de 6 e 7 de dezembro – isso mesmo, sexta e sábado – no Velo Città. A liderança é do Válter Pinheiro, só ele, já que Renan Guerra foi seu parceiro nas três primeiras etapas e Leonardo Burti reassumiu seu posto para as três posteriores.

Com seis vitórias, dois segundos, um terceiro e um quarto lugar, além de dois abandonos, o Válter, que compete com o Lotus Evora número 6 da Guerra Motorsport, soma 182 pontos. Tem apenas quatro de vantagem sobre William Freire e Duda Oliveira, parceiros na condução da Ferrari Challenge número 8 da M2 Competições. William e Duda ganharam três corridas, terminaram outras três em segundo, mais uma em terceiro e outras quatro em quarto. Só abandonaram uma vez.

Imagem

Campeões de 2012, Sérgio Laganá e Alan Hellmeister, que revezam o Aston Martin Vantage número 57 da M2, estão em terceiro com 175, apenas sete atrás do líder. Somam três vitórias, cinco segundos lugares e dois terceiros, além de dois abandonos. Candidataços ao bicampeonato, sem dúvida. O quarto lugar no campeonato é de Valter Rossette e Fábio Greco, que voltaram ao grid na etapa de quatro semanas atrás no Velopark tendo substituído sua Maserati GT por uma Ferrari Challenge. Não têm mais chance de título, mas se derem as caras em Buenos Aires – quase certo que darão – poderão tomar pontos importantes de quem faz contas pelo campeonato.

Via de regra, para que se cumpra o prometido prognóstico de definição antecipada do título, o Válter precisa ampliar sua vantagem a 40 pontos. Terão conseguido a façanha com uma vitória e um segundo lugar na Argentina, mas só se nenhuma das duplas da M2 terminar a corrida com o percurso mínimo exigido para direito a pontos, que é de 75% da distância percorrida pelo carro vencedor.

Imagem

#DataLuc na GT Premium

CASCAVEL – Adotar ou não pontuação de bonificação ou descarte obrigatório de resultados não abona e nem desabona qualquer categoria de automobilismo. Mas as que não têm nenhum desses artifícios, caso do Sudamericano de Gran Turismo, facilitam bastante a vida do #DataLuc nas quase sempre inúteis projeções sobre combinações de resultados para que esse ou aquele seja o campeão de uma temporada.

O GT Sudam, e o eu chamo assim à revelia de todo mundo, terá neste fim de semana, sábado e domingo, as corridas da sétima e penúltima rodada dupla. Evento inédito fora do Brasil, vai ser no traçado número 8 do Autódromo Juan y Oscar Gálvez, em Buenos Aires. Pode ser que o comboio volte da Argentina no domingo à noite, ou na segunda-feira cedo, já com os títulos das três categorias já definidos.

Imagem

A decisão mais iminente é a da categoria GT Premium, a que preserva os modelos que compuseram o grid nos primeiros anos da competição no Brasil, de 2007 a 2010. Dá até para arriscar que Pierre Ventura e Cristiano “Tigrinho” de Almeida já estejam preparando a festa do título para o sábado à noite. Um único ponto, dos 80 que estarão em disputa até o fim do campeonato, basta-lhes para assegurar o título, mesmo que os vice-líderes paulistas Marçal Melo e Alex Fabiano conduzam o Porsche 911 S número 33 da Mundo Motorsport a quatro vitórias. Terminar uma das corridas entre os que marcam pontos, portanto. Mais: qualquer resultado diferente de vitória de Marçal e Alex dão o campeonato aos gaúchos sempre bem-humorados.

Pilotos do Lamborghini LP520 número 10 da BSC Racing, Tigrinho e Pierre somam nada menos que oito vitórias em 12 corridas já realizadas. Ganharam as duas de Curitiba, as duas de Tarumã, a primeira de Interlagos – na segunda, Almeida perdeu a vitória na linha de chegada, na última volta, numa ultrapassagem que rendeu a Marçal Melo o aplauso de Roberto Pupo Moreno, na ocasião atuando comigo e com o Tiago Mendonça na transmissão ao vivo pela Band –, as duas da volta da categoria a Curitiba e a primeira da etapa do início do mês no Velopark. Na abertura do campeonato, no Anhembi, somaram dois terceiros lugares. Melo e Fabiano ganharam a primeira corrida do Anhembi, e a segunda de Interlagos, com a já citada ultrapassagem aos 48 do segundo tempo. A dupla gaúcha Vilson Júnior/Paulo Rutzen levou o Lamborghini LP520 da Mottin Racing à vitória na segunda corrida do Anhembi. Na última corrida, que fechou a rodada dupla no Velopark, os gêmeos gaúchos Vinicius e Felipe Roso comemoraram a vitória com a Ferrari F430 da equipe Metasa.

Imagem

A maratona do SG

CARLOS SG

CASCAVEL – Não sou o único maluco que se enfia todo santo fim de semana em uma pista de corridas, o que me serve como alento. O Carlos Souza, de Londrina, está nessa mesma balada – no caso dele, para correr, e não para falar ou escrever.

O Carlos, tal qual o Luc, também adota nome artístico nos autódromos, onde ataca como “Carlos SG”. Parece-me que SG é o nome de uma das empresas que ele administra, ou qualquer coisa do gênero. Não deixa de ser um bom jabá, também. Quem não sabe o que é jabá que vá pesquisar.

Mas eu falava da agenda maluca de corridas do Carlos SG, que acaba de se engatar numa sequência interminável de oito fins de semana consecutivos pilotando alguma coisa que tenha quatro rodas. A sequência que teve início no último fim de semana, em Tarumã, na sexta etapa da Copa Petrobras de Marcas.

Neste fim de semana do feriado de Finados, SG não corre de nada. Mas fiquei sabendo que está aqui em Cascavel, no autódromo, treinando com um Linea. Como que para aprender o traçado, visando a sequência do calendário. E talvez se reúna com os amigos para uma corrida com karts de aluguel, nunca se sabe. Depois disso, serão seis fins de semana seguidos. A lavanderia que dá bons tratos a seu macacão de competição vai faturar alto na reta final da temporada.

No dia 10 de novembro, SG estará em Brasília, defendendo a equipe curitibana RKL no Brasileiro de Turismo. No fim de semana seguinte, dia 17, virá a Cascavel disputar a penúltima etapa do Brasileiro de Marcas, o que justifica a preparação de hoje – correrá em Curitiba no dia 1º de dezembro na etapa final desse campeonato. Entre as duas etapas da Copa Petrobras, no dia 24, vai participar em Londrina da última etapa do Campeonato Interestadual da Spyder Race – onde já é campeão por antecipação -, válida também como terceira etapa da Copa Pirelli. Aí, nos dias 7 e 8 de dezembro, vai participar da Copa das Confederações de Kart, na pista do Beto Carrero. E, no dia 15, voltará ao carro do Brasileiro de Turismo, na etapa final em Interlagos. Ele não participa da Sprint Race, mas a última etapa da Sprint Race, também em Interlagos, está marcada para dia 22 de dezembro, pode ser que ele resolva manter o pique e defina com o Thiago Marques sua estreia na categoria.

É bom o Carlos e eu revermos essas agendas malucas em 2014, ou assumiremos o risco das duas Julis – a Juliana Gibim, esposa dele, ou a Juliane, patroa lá do Solar Monteiro – nos colocarem para correr.

ATUALIZANDO EM 31 DE OUTUBRO, ÀS 18h37:

Não citei porque ainda não sei onde está a ferramenta do WordPress que permite incluir esses créditos, mas a foto do post foi feita pelo Murilo Carvalho.

Termina mais cedo

Imagem

CASCAVEL – Semana de bastante Mercedes-Benz Grand Challenge aqui no blog.

Depois de mostrar o novo carro que a categoria vai utilizar no ano que vem e de revelar que o campeonato passará à batuta da Vicar em 2014, é hora de comunicar que a temporada de 2013 vai terminar mais cedo. Daqui a quatro dias, mais precisamente.

A sétima e penúltima etapa do calendário já estava confirmada para domingo, dia 3, em Tarumã, em evento-solo. E foi convertida em rodada dupla – uma corrida no sábado e outra no domingo.

A decisão foi compartilhada em comunicado emitido às equipes e aos pilotos há pouco pela Mônica Bertin, diretora da Loyal Sports, Promo & Entertainment, e é atribuída na nota à “comunicação recebida da Mercedes-Benz do Brasil, informando sua decisão de contratação de outra empresa para organizar e promover o evento Mercedes-Benz Grand Challenge a partir de 2014”. O documento frisa o “intuito de dar integral cumprimento às obrigações assumidas pela Loyal, encerrando o calendário de 2013”. A comunicação feita aos participantes adianta também que “a Pirelli já foi comunicada dessa decisão para providências e entrega de pneus”.

O calendário previa oito etapas e terá oito etapas, como acordado. A de domingo, última do campeonato, terá transmissão ao vivo por um dos canais SporTV, a partir das 13h.

Assim, o evento de 5 a 7 de dezembro no Velo Città, em Mogi Guaçu, que encerraria as temporadas do Grand Challengee também do Sudamericano de Gran Turismo, passa a prever apenas as duas corridas finais do GT.

Grand Challenge com a Vicar

CASCAVEL – Depois de três temporadas – as primeiras de sua existência – dividindo programações com o Brasileiro e depois o Sudamericano de Gran Turismo, o Mercedes-Benz Grand Challenge estará sob o guarda-chuva da Vicar em 2014. O acordo com a empresa, que hoje assina a promoção da Stock Car, do Brasileiro de Turismo, da Copa Petrobras de Marcas e da Fórmula 3 sul-americana, deverá ser anunciado aos interessados no evento da próxima terça-feira em São Bernardo do Campo, em que também será apresentado o novo carro da categoria para 2014.

Imagem

De 2011 a 2013, o Grand Challenge teve na pista o modelo C250 Turbo. Que continuará em cena no ano que vem mesmo com a chegada do CLA 45 AMG. Em princípio, a Mercedes-Benz deverá importar 24 unidades do novo carro para o campeonato do Brasil – que é, por enquanto, o único do gênero no mundo. Por enquanto.

O C250 Turbo é o mesmo modelo comercializado em série. Foi adaptado para a criação do campeonato num trabalho meticuloso desenvolvido sob a batuta do experiente preparador Washington Bezerra. Com o CLA 45 AMG é diferente. O carro foi desenvolvido pela AMG, divisão de competições da marca, já para as competições – mesmo conceito implícito nos Porsche 911 que integram o grid do Porsche GT3 Cup Challenge no Brasil e em outros rincões.

A produção da versão de pista do carro é fruto do bom retorno interno que o Grand Challenge brasileiro rendeu à marca. E teve como efeito imediato um envolvimento ainda maior da Mercedes-Benz com o campeonato. A marca tratou detalhadamente da questão com os promotores de quatro outros eventos esportivos – um deles, o próprio Sudamericano de GT, que já acolhia as corridas mercêdicas (desculpa, Flavio Gomes). E acabou definindo pelo acordo com a Vicar.

Imagem

Seis das oito etapas do Grand Challenge no próximo ano vão dividir programações com as etapas do Brasileiro de Marcas. As outras duas, com eventos da Stock Car – provavelmente com a etapa de Ribeirão Preto, em pista de rua, e com a Corrida do Milhão, que ainda não sei qual será, mas que não vai fechar o campeonato.

Neste domingo, pela segunda vez, o Mercedes-Benz Grand Challenge terá uma etapa longe dos carros de GT. A sétima prova vai acontecer em evento-solo no Autódromo Internacional de Tarumã, em Viamão, enquanto o Sudamericano irá pela primeira vez para fora do país para integrar a programação da TC2000 em Buenos Aires. No ano passado, houve um evento solo do Grand Challenge no Velopark, enquanto os carros do GT cumpriam também na capital argentina, sem corrida, procedimentos burocráticos e alfandegários.

A última apresentação conjunta das duas competições, ainda sob organização da Loyal Sports, Promotion & Entertainment, será no encerramento da temporada de 2013, dias 6 e 7 de dezembro no Velo Città.

#DataLuc no Grand Challenge

Imagem

CASCAVEL – Falei agora há pouco do Mercedes-Benz Grand Challenge, que vai ter carro novo em 2014, e isso me levou a uma consulta rápida à tabela de classificação do campeonato atual. A sétima e penúltima etapa vai acontecer domingo em Viamão, no Autódromo Internacional de Tarumã, com largada às 13h, transmissão ao vivo de um dos canais SporTV e a chance de um piloto gaúcho, Márcio Campos, o rapazola sorridente da foto aí acima, conquistar o título por antecipação diante de sua torcida.

É uma chance muito, muito remota, diga-se. São três as improváveis combinações de resultados capazes de fazê-lo sair de Viamão com o tricampeonato assegurado. Numa delas, precisa ganhar a corrida sem que Neto de Nigris seja um dos dez primeiros colocados – difícil, já que o pior resultado do paulista no ano foi o sexto lugar na corrida do mês passado em Curitiba. Na outra, Campos depende de um segundo lugar na etapa de Tarumã, sem que a vitória seja de Edson Coelho – para seu tri antecipado, Rubens Tilkian precisa terminar no máximo em quarto e De Nigris, em 14º. Um terceiro lugar também pode dar o título ao filho do bicampeão João Campos (os dois formaram dupla na conquista dos títulos de 2011 e 2012), desde que De Nigris fique fora do grupo dos 15 que maram pontos, com Tilkian e Coelho fora do grupo dos quatro primeiros colocados.

O título vai mesmo ser decidido no Velo Città, dia 7 de dezembro.

Márcio Campos lidera com 96 pontos. Ganhou duas corridas, nas ruas do Anhembi e no autódromo de Curitiba. Conquistou dois segundos lugares, em Tarumã e Interlagos, um terceiro, no Velopark, e um nono, também em Curitiba, onde teve um pneu furado quando estava em terceiro.

Neto de Nigris, vice-líder com 91 pontos, venceu em Curitiba e em Interlagos, foi segundo no Anhembi, quarto no Velopark, quinto em Tarumã e sexto em Curitiba – nesses seus dois piores resultados, tinha o peso extra de 50 quilos aplicado no carro do vencedor da etapa anterior.

Rubens Tilkian, terceiro com 79 pontos, não venceu. Foi segundo em Curitiba, terceiro em Tarumã e Interlagos, quinto no Anhembi e em Curitiba e sexto no Velopark. Ele tem um ponto a mais que Edson Coelho Júnior, que venceu as etapas nos autódromos de Tarumã e Velopark – as duas gaúchas… –, foi terceiro em Curitiba, quarto em Interlagos, sexto no Anhembi e acabou desclassificado por uma querela técnica depois de vencer em Curitiba.

Imagem

ATUALIZANDO EM 1º DE NOVEMBRO, ÀS 19h57:

Como as duas etapas finais foram condensadas em rodada dupla em Viamão, a conta para o título antecipado perde efeito, obviamente. E, onde digo que o título só vai ser decidido em dezembro no Velo Città, leia-se que será só na corrida de domingo agora.