Cascavel na latinha

CASCAVEL – Costumo dizer que Cascavel vai dominar o mundo. Que já está dominando, aliás. Em todos os ramos de atuação, não é diferente naquele em vou vou tratando de me incluir.

Mais uma prova de que há tempos a cidade está tomando conta está desde ontem à noite no blog do Gomes. Só vi agora cedo. O nanico postou mais um vídeo garimpado pelo Alessandro Neri, que já faz por merecer uma estátua em tamanho natural pelo trabalho arqueológico que tem feito no resgate de vídeos dos bons tempos do automobilismo brasileiro.

Era de Cascavel que eu falava, e vendo a corrida de Fórmula 3 de 1994 em Interlagos que o Gomes postou percebo a presença do Ivan Luiz, meu parceiro aqui de Cascavel, na narração da corrida. E do João Carlos Gallo, outro irmão cascavelense, na reportagem de pista – o Gallo nos deixou no mês passado, sem dizer tchau. E tinha o Pedro Muffato na pista, também. A geração de imagens era da TV Tarobá, adivinhem de onde?,   e o departamento que tratava dessas externas na Tarobá foi desmembrado no início da década passada e virou Máster TV, que no fim de 2012 foi incorporada ao grupo CATVE, que responde pelas transmissões da Stock Car, da Fórmula Truck e de tantas outras séries. Um trabalho técnico comandado pelo Jorjão Guirado desde suas primeiras fases. Está tudo em casa, enfim.

Sempre que visito o Ivan lá na Capital FM acabamos trazendo a narração de corridas à mesa do café, ele conta uma história muito gozada de uma transmissão que vez lá dos confins da Argentina, não sei se foi a estreia dele. Parou de narrar corridas e foi tratar da vida, no que parece ter acertado, embora tenha se mostrado ótimo narrador.

O Leonardo Gomes, que não é parente do Flavio, me havia indicado esse vídeo ontem, acabei ficando com preguiça e não fui atrás de ver o que era. Era ouro.

Anúncios

Autódromo verde

Imagem

CASCAVEL – A reforma do autódromo de Cascavel, no ano passado, custou algumas dezenas de árvores que já faziam parte da paisagem do local. Paisagem que, dentro de alguns anos, estará restabelecida.

Em ato simbólico, a prefeitura convocou todas as gentes do automobilismo que quiserem e puderem para uma ação ecológica neste sábado. Pilotos, preparadores, entusiastas e curiosos vão auxiliar voluntariamente no plantio de algumas centenas de mudas nas duas retas dos boxes – a antiga e a nova.

Haverá um almoço de confraternização no próximo autódromo, por adesão – R$ 15 por participante, bebida incluída. Como que para celebrar a iminente volta das árvores às fotos, às imagens, às nossas vistas.

Luc Parade

CASCAVEL – Vi e ouvi ontem várias versões de “My sweet Lord”, ao vivo, gravada, em acústico, o que for possível imaginar. Era, seria, o 70º aniversário de George Harrison, a internet destacou a, hã, efeméride.

Conheci a música tarde, já fora da adolescência. Em outra letra, outro idioma. “Meu Senhor”, que Chitão & Xororó gravaram no fim do milênio passado. Em 1998, lembro bem, eu tinha o CD, que não sei onde foi parar. Foi ouvindo aquele repertório que minha mãe acusou “hey, essa música é do George Harrison”.

Prefiro com o George, claro. Algumas obras deveriam ser blindadas a regravações e versões. De modo ou outro, aí está “Meu Senhor”.

Highlights

CASCAVEL – Todo mundo já viu esse vídeo, matéria do SporTV que mostra Rubens Barrichello emocionado na estreia de Dudu, o filho mais velho, nas competições de kart.

Não estou certo de que todo mundo tenha visto esse outro vídeo, que me foi mandado pelo Leonardo Gomes. Rubens, à época Rubinho, já tendo conquistado dois de seus cinco títulos brasileiros de kart, dando uma canja no noticiário esportivo, também. Com direito a “Mamma Maria” na trilha sonora.

Todo mundo aí identificou o repórter da Band, à época “Ban”? Temos aí, em fase pré-grisalha, o inigualável Edgard Mello Filho.

Crash!

CASCAVEL – Começou ontem a temporada 2013 da Copa Marshal, que vem a ser o Campeonato Paulista de Marcas & Pilotos. Com invejável grid de 50 carros, a corrida teve vitórias de Luiz Cirino na primeira bateria e de Pedro Pimenta na segunda.

O Marcos Moschetta e o pessoal dele já estão tratando, lá em Porto Alegre, da edição em vídeo das duas baterias da corrida, que vão para a televisão nos próximos dias – eu logo confirmo para vocês datas, horários e canais da exibição. Com uma hora de duração, tempo que reserva parcos minutos à publicidade que viabiliza a transmissão, o programa vai mostrar, como sempre, tudo que aconteceu em Interlagos.

Como o infortúnio do Ayman Darwich, piloto da categoria Novatos, na segunda bateria da corrida, antecipado no vídeo abaixo.

Para desgosto geral da nação, continuo na narração das corridas da Copa Marshal.

Vitória apimentada

Imagem

CASCAVEL – Mês passado, durante uma visita ao Pedro Pimenta num dos boxes de Interlagos, ri da lambança que ele fez com um pacote de batatas chips. Enquanto tratava de limpar tudo, porque não adiantava chorar a batata derramada, o Pimenta me fez um desafio: “Quero ver você rir de mim quando eu voltar a correr”. E revelou, então, a parceria que acabava de fechar com Márcio Philippi. Os dois correriam, correm, como parceiros em 2013, na categoria Super da Copa Marshal de Marcas & Pilotos.

A primeira etapa do campeonato terminou agora há pouco, em Interlagos. Muitos riem com o Pimenta, mas ninguém ri dele, que dominou de ponta a ponta a segunda bateria da prova. Foi um verdadeiro trabalho em equipe. Philippi, que largou em 37º no grid de 50 carros – os pilotos da Super, repito, tiveram pista molhada na tomada de tempos classificatória de ontem –, fechou a primeira bateria em sexto. A inversão absoluta das seis primeiras posições de um resultado final para o grid seguinte pôs o Pimenta na pole, que ele aproveitou muitíssimo bem, mesmo recebendo pressão ininterrupta do Edgard Amaral, parceiro do Wanderson Freitas. Amaral, que também marcou hoje seu retorno às pistas, terminou em segundo.

(Em tempo: a foto aí de cima, que mostra os carros de Pimenta e Amaral, foi tirada na primeira bateria, quando Philippi e Freitas estavam em ação.)

Luiz Cirino, vencedor da primeira bateria, terminou a segunda em terceiro entre os pilotos de sua categoria. O pódio da Super teve, ainda, Luís Filgueiras, Luiz Pielak e Ricardo Lima. Pielak, de 46º no grid para 14º ao fim da primeira corrida e de 14º para sexto na geral da segunda, esteve em Interlagos só para lembrar que Cascavel já está dominando o mundo. O Leandro Zandoná, outro cascavelense, vinha à frente do Pielak, mas abandonou ainda no início da corrida. E foi bom ver o baiano Lima de volta à categoria, também.

Na categoria Light, mais uma vitória do carro número 82, desta vez com o Luiz Martins, pai do Cezar, que já havia sido primeiro colocado na prova do início da manhã. Cleiton Campos, Nelson Fortes, Maique Papareli, Carlos Andreoni Filho e Ricardo Pinto fecharam, nessa ordem, a lista do pódio.

Eduardo Castlho, que foi o pole geral da etapa na primeira bateria, ficou com a vitória na Novatos. A disputa pelo segundo lugar foi definida exatamente na linha de chegada, com o Thiago Oliveira levando a melhor sobre o Basilios Eleutheriou por 32 milésimos de segundo. O pódio também teve Eduardo Rocha, Paulo Durci e Anderson Scovoli.

O resultado completo da bateria está aqui. E por hoje era isso. A próxima etapa da Copa Marshal está confirmada para dia 17 de março.

Dada a largada!

ImagemCASCAVEL – Terminou há pouco a primeira bateria do ano na Copa Marshal de Marcas e Pilotos.

Campeão da categoria Light em 2012, Luiz Cirino estreou na Super com o pé direito no fundo, vencendo a corrida. Luís Piccolo foi o segundo, à frente do Aldo Piedade Jr., do aniversariante Wanderson Freitas, Marcio Philippi e Claudio Roscoe. Os seis foram para o pódio. O Freitas largou em 49º, terminou em quinto na classificação geral e cravou a volta mais rápida da corrida na 13ª das 16. Edgard Amaral é quem vai assumir seu carro na segunda prova.

No grupo dos oito primeiros, só um carro que não era da categoria Super. Cezar Martins, que vem da Novatos, me falou ontem de sua torcida para que eu pudesse, enfim, narrar uma vitória dele nas transmissões da categoria pela televisão. E tratou de assegurar isso já na primeira das 20 tentativas do ano, terminando a corrida em quarto e ficando com a vitória na Light. Vai dividir o pódio com Cleiton CamposMaique Papareli, Douglas Carvalho Júnior, Carlos Andreoni e Nelson Fortes.

Pela Novatos, o vencedor foi o curitibano Thiago Oliveira, décimo na geral. Eduardo Castilho, que largou da pole no grid geral – os pilotos da Novatos pegaram pista seca na tomada de tempos -, cruzou a linha de chegada em 11º. Esse pódio terá, ainda, Basilios Eleutheriou, André Ferreira (capixaba que corria no Rio e aderiu ao Paulista depois da extinção de Jacarepaguá), Anderson Scovoli e Eduardo Rocha.

Vale uma palinha aos pilotos de Cascavel que estão lá, também. Xuxo Pielak, outro que largou lá do fim do grid, terminou em 14º, sendo o oitavo da categoria Super. Seu parceiro Leandro Zandoná, com o outro Fiesta da Ferrari Competições, vinha alcançando o grupo dos 10 primeiros quando abandonou a corrida, na nona volta. Ainda não sei o que houve para tirá-lo da disputa.

A segunda bateria da primeira etapa vai começar daqui a duas horas. Com a inversão das seis primeiras posições do grid, prevista no regulamento a partir do resultado final da primeira bateria, a pole vai ser do parceiro Pedro Pimenta, que volta ao grid como parceiro de Márcio Philippi.

Dá para acompanhar pelo site da Giga Brasil, com narração do Alexandre Cronhal, com livetiming na Racing Crono. O resultado completo da primeira bateria está aqui.

Imagem